Primeiras versões do Blender 3D usadas no projeto Apricot

Parece que essa semana os usuários do Blender, estão sendo bombardeados com informações e novidades de maneira que nunca tinha visto antes. Você deve estar ai, estudando e tentando descobrir como funcionam as ferramentas do recém lançado Blender 2.46 e esperando o lançamento na web do Big Buck Bunny, para o próximo final de semana. Todas as atenções da comunidade estão direcionadas para ele.

Pois, não podemos esquecer-nos do projeto Apricot, que ainda está em desenvolvimento e adicionando ótimas ferramentas de modelagem 3d para o Blender 3d.

Agora eu pergunto; você gostaria de testar algumas dessas ferramentas? Até a última semana, não estava disponível nenhuma versão de testes, com as ferramentas do Apricot. Pois essa semana, para completar o bombardeio de informações, algumas versões apareceram no Graphicall.org! Para fazer o download, procure pelas versões identificadas com o nome Apricot.

Claro que já baixei e instalei o chamado Apricot Branch, para testar as ferramentas. O que tem de novo?

De cara, você encontra um conjunto de ícones personalizados para a interface do Blender:

Depois disso, podemos olhar um dos recursos que foi “ressuscitado” do SoC 2007, que é o GLSL preview, que permite visualizar de maneira mais aprimorada as luzes na 3D View. Infelizmente o meu notebook não suporta o GLSL, por isso não posso testar o recurso agora, mas pretendo fazer um vídeo explicando como usar o mesmo. Isso apenas se a opção Tangent estiver acionada no material do objeto.

Algumas outras pequenas modificações podem ser encontradas aos poucos. Por exemplo, ao pressionar SHIFT+B, ao invés de pular para a visualização do objeto, temos uma animação que aproxima aos poucos.

Se você quiser uma lista completa com os recursos disponíveis no projeto Apricot, visite esse link. A lista funciona como um checklist do desenvolvimento. Repare que muita coisa ainda precisa ser feita, mas já podemos testar algumas delas. Pelo visto meu final de semana será de muita “investigação”.

Uma coisa que já percebi que foi melhorada ainda mais foi no cálculo para texturas UV. Uma discussão muito legal começou a investigar todas as novidades dessa versão, no Blender Artists.

Só mais uma coisa, não estranhe se alguns atalhos de teclado estiverem alterados.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

8 comentários sobre “Primeiras versões do Blender 3D usadas no projeto Apricot”

  1. Talvez não vejamos a versão 2.50 esse ano, pois suspeito que o Blender usado no Apricot venha se tornar um possível Blender 2.47 .

  2. Legal!
    Será que ao final do Apricot, teremos uma versão do Blender publisher atualizada?
    Seria interessante ter a opção de gerar executáveis encriptados, mesmo que isso não esteja muito de acordo com a filosofia do open source.
    Sem isso, fica praticamente impossível desenvolver projetos comerciais com a GE do Blender.

    Abraço!

  3. Olá Allan, tranquilo?

    A função Shift+B está na verdade suavizada por padrão! Isso já era possível de configurar no Blender 2.45, indo na janela User Preferences > View & Controls … lá procure por Smooth View e aumente para 500 por exemplo (é em milisegundos). Isso irá suavizar também todas as trocas de visão, frontal, lateral, superior e camera.
    Bem banca mesmo!

    Um grande abraço!
    E parabéns novamente pelo blog. Está entre um dos meus RSS mais lidos!!!

  4. ola allan é uma otima postagem essa sua parabens, mas gostaria de saber se por um acaso vc sabe de algum site ou blog que fale sobre a performace do blender com releçao com a interface, pois ela fica lenta dependendo da quantidade de vertices ou de bones ou isso é normal?

  5. Allan, mesmo em pequeno formato, no youtube tem opção de assistir em melhor qualidade. Não é querendo forçar mas tá show o curta viu!

    Parabéns a todos envolvidos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *