Como funcionam as câmeras virtuais em ferramentas 3d?

O advento de ferramentas e renderizadores cada vez mais poderosos, muitos softwares oferecem opções para ajustar às câmeras virtuais com parâmetros parecidos ou idênticos as reais. Quem já trabalha com fotografia tem clara vantagem no entendimento desse tipo de configuração. Por exemplo, o Henrique Zorzan que anda meio sumido aqui do Blog é fotografo lá em Portugal, e usuário do Blender 3D, ele deve saber de cor o significado de configurações como ISO e Shutter speed da câmera. Muitas ferramentas como o V-Ray e Indigo oferecem a possibilidade de ajustar esses parâmetros para deixar a imagem gerada na ferramenta 3d ainda mais realista.

Se você não conhece o significado e função desse tipo de opção para a câmera, encontrei algumas exemplos da câmera real (VRay Physical Camera) do V-Ray que explica em detalhes o significado de cada uma dessas configurações.

Agora, melhor que falar ou escrever é mostrar alguns exemplos. Esse é o ponto positivo do manual, mesmo que você não passe por nenhuma linha do texto, ele é ilustrado de maneira rica com imagens e renderizações com as mais diferentes configurações de câmera.

O artigo mostra no total dez exemplos de configurações presentes em algumas câmeras virtuais:

  1. Controle de exposição – f-number
  2. Controle de exposição – Shutter speed
  3. Controle de exposição – ISO
  4. Fator de Zoom
  5. Correção de Câmera
  6. Distorção
  7. Vignette
  8. Balanço de branco
  9. Profundidade de foco
  10. Motion Blur

Alguns desses parâmetros não estão disponíveis em todos os softwares, mas é importante conhecer todos eles, pois mais cedo ou mais tarde esses recursos acabam sendo adicionados.

Isso só reforça o que digo sobre a integração entre a fotografia e o trabalho com computação gráfica 3d, nesse caso é necessário conhecer esses parâmetros para criar de maneira eficiente cenas realistas.

Repare que a configuração correta do ISO assim como o Vignette associado à correção vertical da câmera pode fazer a diferença na criação de uma imagem realista. A correção vertical da câmera é muito importante para evitar o terrível efeito da perspectiva na imagem, quando o ângulo de visão da câmera está muito aberto. Essa ferramenta é fundamental para ambientes muito fechados, em que a manipulação do ângulo de abertura da câmera ajuda a visualizar o espaço como um todo.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

4 comentários sobre “Como funcionam as câmeras virtuais em ferramentas 3d?”

  1. Obrigado por sua generosidade, Allan.
    É incrível encontrar um local como seu blog, onde se pode encontrar tantas informações valiosíssimas de forma livre e gratuita.

  2. Olá Allan, realmente estou familiarizado com estes parâmetros, pelo menos nestes não tenho dúvidas, já não posso dizer o mesmo do resto do mundo 3D… 🙂

    E sua matéria é valiosa, mesmo para mim que já tenho algum conhecimento a respeito deste assunto é uma ótima leitura, está tudo muito claro na matéria e no seu resumo.

    Já agora uma pequena dica e espero que seja útil 🙂 Caso algum colega do mundo 3D não acerte na configuração da camera virtual do seu software 3D, o Photoshop tem um filtro chamado Lens Correction onde se pode corrigir alguns problemas de Distorção (Distortion) ou de Vinhetagem (Vignette) que possam ter saido mal no render. Digo isto para no caso de terem um render de 50 horas com o indigo e não sair bem, talvez não seja preciso renderizar 50 horas novamente! 😉

    Nota: Realmente estou sumido do seu blog e também do meu. Mas espero voltar a estar mais ativo em breve. Talvez com um novo site, vamos ver 🙂

    Abraços

  3. Pessoal, já que entraram nesse assunto, eu estou tentando há um tempão ajustar esse “degradé” da câmera do Indigo, que ali no Vray seria o “Vignetting”, mas no Indigo eu não sei como tirar esse efeito de bordas escuras.

    Será que alguém me dá uma mãozinha? (Uso Blender)

    Obrigado.

  4. Muito útil, a maioria eu já conhecia, mas gostaria de ver mesmo é conceitos artísticos da fotografia, pois para mim é o maior diferencial.

    A maioria desses recursos podem ser obtidos com editores de imagem, como o amigo aí em cima exemplificou.

    Mais uma vez parabéns Allan! Ah!
    Não esquece do artigo sobre “Layer Blending” hein! hehe

    []’s

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *