Tutorial SketchUp: Usando e configurando linhas guia

O uso de linhas guia é mais comum em softwares como o Adobe Photoshop ou InDesign, em que é útil alinhar objetos e elementos usando apenas o mouse. No caso dos softwares 3D, esse tipo de recurso já é mais raro, pois na maioria dos softwares como o 3ds Max ou Blender 3D, existem ferramentas como o grid ou transformações numéricas que suprem quase todas as necessidades dos artistas 3D. Mas, nos casos de ferramentas como o SketchUp que usam muito o desenho e modelagem a mão-livre, o uso de linhas guia é muito importante.

E o SketchUp consiste em uma dos únicos softwares 3D que apresentam essa opção de linhas guia. Essa ferramenta é chamada de Protactor, que cria essas linhas guia na área de modelagem do software. O vídeo abaixo mostra o funcionamento dessa opção que pode acelerar em muito o processo de modelagem, com precisão e interagindo com outras partes do modelo 3D.

O posicionamento de linhas guia ortogonais é extremamente simples, basta acionar a ferramenta chamada Tape (a fita métrica), selecionar um elementos como uma aresta ou plano e começar a medir. No canto inferior direito do SketchUp é possível visualizar a dimensão que está sendo marcada pela ferramenta. Por exemplo, você pode fazer a marcação para a abertura de uma porta que está a 2 metros de distância de outra parede. Para isso, basta digitar 2 no teclado enquanto a ferramenta está sendo usada, para que o próprio SketchUp adicione uma linha guia precisamente no local marcado. Esse é o procedimento necessário, para a maioria dos casos.

No caso de linhas guia inclinadas é possível usar a ferramenta chamada Protractor, que pode trabalhar com ângulos inclinados, para facilitar a criação desse tipo de linha auxiliar. Essa é a última parte do tutorial.

Apesar de ser básico, o tutorial é de grande ajuda para os artistas 3d interessados em modelagem com mais precisão.

Por isso, alguns artistas 3d especializados em modelagem 3d para arquitetura utilizam o SketchUp para criar modelos volumétricos dos seus trabalhos, para depois exportar o material para outros softwares como 3ds Max ou Blender. Nesses softwares é possível trabalhar o detalhamento dos modelos 3d, adicionando mais elementos orgânicos e cursos, um pouco difíceis de trabalhar no SketchUp. Com o surgimento de ótimas opções de renderização nativas ao SketchUp, como o V-Ray e Maxwell Render, a ferramenta gratuita do Google também é usada como a única fonte de produção para alguns escritórios de arquitetura e design de interiores também.

Já conheço algumas pessoas interessadas em abandonar os softwares 3d mais abrangentes e adotar apenas o SketchUp para seus trabalhos.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *