Clicky

Como ajustar a temperatura da luz no Mental Ray?

Os softwares 3d podem variar as opções disponíveis párea ajustar uma cena virtual em vários aspectos, desde as opções de câmera até mesmo ajustes para contrapor o que é usado no mundo real como o virtual. Alguns desses conceitos, como a temperatura das fontes de luz, são difíceis de explicar e também dominar. Posso dizer isso, pois nas minhas aulas sobre renderização o assunto era tema de controvérsia, por parecer um paradoxo em relação ao que conhecemos sobre temperaturas e cor das luzes, ao menos o senso comum.

Afinal, como funciona a seleção das cores das luzes?

O conceito funciona com base nos experimentos de William Kelvin, o mesmo que dá o nome a escala de temperatura com seu nome. Ele fez um experimento, esquentando um bloco de carbono até temperaturas altíssimas, e percebeu que a cor do carbono variava do vermelho até o azul. Sendo que o vermelho era a cor mais fria e o azul aparecia com temperaturas altas. Entendeu o paradoxo? Pelo que conhecemos no senso comum, o vermelho é mais quente que o azul.

No que diz respeito às temperaturas das cores, a verdade é exatamente oposta. Esse tipo de parâmetro pode ser configurado na renderização e principalmente em câmeras e fontes de luz. Um dos softwares que permite esse tipo de ajuste é o Mental Ray, para o qual descobri essa semana um excelente tutorial que mostra o resultado para diferentes ajustes no Mental Ray usando o Maya.

tutorial-maya-mental-ray-cores

O tutorial é baseado em imagem, inclusive com uma versão em PDF para download em alta resolução. O importante mesmo é que o tutorial em si, nos mostra o quanto é importante conhecer esse tipo de aspecto da iluminação, para poder trabalhar com valores reais na iluminação e não “chutes”.

Existe até uma tabela apresentada no tutorial, que mostra os valores aproximados para as cores da luz em diferentes ocasiões, como na iluminação em ambientes abertos e com a fonte de luz sendo o sol. Esses são alguns dos valores apresentados no tutorial:

  • Luz do sol em dia claro: entre 5500 a 6500 Kelvins
  • Céu parcialmente nublado: entre 8000 e 10000 Kelvins

A tabela foi retirada do ótimo livro Digital Light and Rendering, que possuo e recomendo a todos que queiram aprender mais sobre o assunto. No livro é possível encontrar várias tabelas com valores convertidos das cores médias nas luzes para o RGB.

Repare que esse tipo de parâmetro não representa a intensidade, mas sim a cor da luz. A escolha da cor da fonte de luz usada pode ser determinante para a sensação de realismo de uma cena.

É uma pena que nem todos os softwares 3d e renderizadores permitam fazer ajustes na iluminação, com base em valores de temperatura usando Kelvin. No caso do Mental Ray isso é possível, e caso você tenha a opção de renderizar usando o software no Maya ou 3ds Max, recomendo que a escolha das cores para a sua iluminação, seja baseada na escala Kelvin e não mais no RGB.

Sobre o Autor:

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Deixar Um Comentário