No final de Abril, uma notícia publicada nos fóruns oficiais do Indigo Renderer pagou muitos artistas e usuários de software de surpresa. Como você já deve ter percebido, caso tenha usado o Indigo alguma vez, o software é gratuito para que você use em projetos particulares ou comerciais. Mas, ele não usa o mesmo modelo de licença aberta que o Blender 3D usa, o software é distribuído como um Freeware. Mas, como forma de manter o projeto e continuar o desenvolvimento o Indigo passará em breve para o modelo de distribuição comercial. Em poucas palavras, para usar o software você precisará comprar uma licença!

O anuncio nos fóruns do Indigo foi feito na semana passada, ainda não existem datas ou prazos para que a mudança aconteça. Mesmo assim, já podemos encontrar algumas opiniões fervorosas de usuários e artistas, principalmente os mais antigos, dizendo que se sentem traídos em contribuir com o desenvolvimento do software nos últimos anos.

O que se sabe até agora é que a empresa criada para comercializar o Indigo, chamada de Glare, promete melhorias significativas e também um grande avanço nos softwares que exportam cenas para o Indigo. O preço cogitado para a licença é de 500 Euros, sendo que uma versão gratuita para uso não comercial será disponibilizada com restrições no tamanho do render e também uma marca d’água. Para os primeiros seis meses de comercialização do software, a empresa também planeja um tipo de licença vitalícia. Pela metade do preço, você tem acesso a atualizações ilimitadas do Indigo.

Como isso pode impactar os usuários do Blender 3D? Eu uso Indigo, vou ter que comprar?

Muitas dessas perguntas foram feitas no fórum, e como sei que o Indigo é um software importante hoje na comunidade de usuários e artistas 3d usando Blender, resolvi fazer um apanhado com as respostas para as principais dúvidas.

A primeira coisa que devo comentar é que será lançada uma versão atualizada do Indigo, tipo uma versão 2.0, com o modelo de licença comercial. O que você tem hoje instalado no seu computador, não muda em nada. O modelo de licença Freeware permanece. O que não será mais possível é usar as atualizações lançadas posteriormente. Portanto, se você usa hoje o Indigo com o Blender 3D, não há necessidade para pânico. Muitos usuários estavam furiosos nos fóruns do Indigo, imaginando que seu trabalho não poderia usar o Indigo.

Para saber mais sobre essa mudança, visite esse link com a discussão nos fóruns do Indigo.

Quais as conseqüências disso para o Blender 3D? Bem, o que pode acontecer é que os usuários do Indigo podem migrar em massa para soluções como o LuxRender. Isso seria bom para o Lux, que ainda precisa de apoio e incentivo ao desenvolvimento. No médio prazo ainda acho que pouca coisa deva mudar, principalmente para quem já está acostumado com o um workflow integrando o Indigo.

Antes que você também fique decepcionado com a mudança nas regras de uso do Indigo, lembre que isso sempre foi uma possibilidade. Como o software não é aberto, o detentor do código fonte tem todo o direito de fazer isso. O que acho sobre isso? Acredito que o autor está no direito dele, manter esse tipo de software não é fácil. Só acho que ele tem uma tarefa dura pela frente, pois o Indigo passará a competir diretamente com o Maxwell Render e Fry Render. Em termos de recursos e facilidade de uso, o Indigo ainda está bem atrás em comparação aos softwares comerciais.