Análise do novo sistema de Raytracing do Blender 3D 2.50

Entre os diversos projetos que estão sendo desenvolvidos para o Blender 2.50 no Google Summer of Code 2009, um deles tem como objetivo melhorar o sistema de Raytracing do Blender, para tornar o processo de renderização mais rápido e eficiente. Esse é um dos projetos que tem grandes chances de ser concretizado, pois o responsável por ele é o mesmo que desenvolveu o modificador ShrinkWrap, também para o SoC em 2008. O simples fato de existir um projeto aprovado não é garantia de conclusão, como é o caso da integração entre o Blender 3D e o Freestyle para gerar imagens usando NPR. O projeto ainda está em desenvolvimento, mas em ritmo bem mais lento que no período em que o SoC 2008 estava acontecendo.

A evolução no sistema de melhorias do Raytracing está tão adiantada que já é possível inclusive fazer testes com versões experimentais do Blender 3D. Como não faz sentido algum desenvolver o projeto usando o núcleo do Blender 2.49, o material está usando o que existe do 2.50. Para mostrar a evolução e rapidez do novo sistema, fiz o download da versão experimental do Blender 3D e gravei uma pequena demonstração:

Blender 3D – Melhorias no Raytracing para o 2.50 from Allan Brito on Vimeo.

Para testar o render, a cena usada foi extremamente simples e tinha como objetivo apenas fazer a comparação entre o tempo de render no Blender 2.49 e no 2.50. Como o objetivo é avaliar a velocidade do render, acionei o Ambient Occlusion no Blender e acionei a renderização. No Blender 2.49 o tempo total de render foi de 25 segundos aproximadamente.

Quando mudei para o Blender 2.50, foi necessário abrir a cena que havia sido criada no Blender 2.49. Como você vai perceber, se decidir usar essa versão de testes do 2.50, ainda não é possível modelar no Blender 2.50 mas, essa limitação pode ser vencida abrindo os modelos 3d criados em outras versões do Blender. Só devo alertar que é muito perigoso abrir modelos 3d importantes nessa versão, pois existe um risco muito grande de alterar os dados do arquivo, fazendo com que o modelo fique incompatível com versões estáveis do software. Portanto, só use modelos que tenham cópias de segurança.

Já no Blender 2.50 foram usadas as mesmas configurações e ajustes de render, e para a surpresa do teste foi que a mesma cena foi gerada em menos de 10 segundos. Se considerarmos que essa é uma versão de testes, sem nenhum tipo de otimização ou ajuste para o render e com o software ainda inacabado, podemos concluir que as melhorias no Raytracing estão no caminho certo!

A versão do Blender 2.50 que usei para o tutorial pode ser copiada nesse endereço, apenas com opção para Windows.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

3 comentários sobre “Análise do novo sistema de Raytracing do Blender 3D 2.50”

  1. Realmente é impressionante…
    baixei… vou testar…
    e o visual do B3D 2.50 está lindo d+!

  2. Impressionante!!!!
    Enquanto no 2.49 tive um tempo de 6 min nessa versão teste 2.50 caiu pra 1.16 min, no entanto o ray transp não funcionou bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *