Tutorial After Effects: Transformando uma imagem 2D em 3D

Os softwares chamados de 2.5D como o After Effects estão em um limiar bem próximo de um sistema 3d, mas que apresenta algumas pequenas restrições. Mesmo com essas restrições ele é mais flexível que softwares 2D, que fez com que a própria Adobe o classificasse como sendo 2.5D. Assim como acontece com outros softwares de composição, um dos diferenciais do After Effects para trabalhar com composição de imagens para vídeo é a existência de um elemento câmera na sua gama de composição. Como a câmera pode sofrer transformações de maneira semelhante ao que fazemos em softwares 3D, os vídeos e projetos no After Effects assumem níveis de complexidade bem interessantes.

Entre as capacidades do After Effects está a de transformar uma imagem estática em um ambiente pseudo 3d, com o uso de técnicas de composição e separação de elementos em camadas. Se aliarmos a isso o efeito paralaxe, o resultado final é a simulação de uma paisagem 3d derivada de uma foto ou ilustração. Veja o exemplo exibido no tutorial abaixo, em que um artista usa uma ilustração 2d de uma cidade para criar uma animação 3d com efeitos e partículas. Como a imagem mostra uma cidade em destruição, o autor do tutorial usa as ferramentas do After Effects para atribuir vários efeitos atmosféricos no cenário.

Tutorial: 2D image to 3D scene from Evan Schaible on Vimeo.

O segredo para conseguir fazer esse tipo de composição no After Effects é usar as ferramentas que o software compartilha com o Photoshop. Nesse caso seria até possível usar o próprio Photoshop para fazer a separação da imagem em várias camadas. No caso do After Effects é possível fazer as marcações usando a Pen tool para criar diferentes camadas na composição. Em termos de complexidade a seleção dos contornos preza mais pela precisão e habilidade na marcação dos objetos, pois é um trabalho de repetição.

Com as camadas separadas fica relativamente fácil adicionar sistemas de partículas saindo dos prédios, assim como pequenas explosões permeando o cenário. Essa é a parte mais trabalhosa do projeto, em que é necessário localizar e ajustar vários pontos ao longo do cenário.

No final do processo temos uma animação bem interessante e que simula muito bem um ambiente 3d, com base em uma ilustração 2d. Esse tipo de recurso é muito interessante para pessoas envolvidas com produção de material para vídeo, pois evita que o cenário precise ser modelado e animado em softwares 3d para esse tipo de tarefa.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *