Clicky

3dsmax comemora 20 anos

A gama de softwares disponíveis para trabalhar com modelagem 3d e animação disponível hoje para quem está começando é bem diversificada. Podemos encontrar softwares caros e que oferecem diversos plugins e modalidades de extensão, assim como opções gratuitas e igualmente poderosas como é o caso do Blender. Mas, isso nem sempre foi assim e usuários interessados em trabalhar com computação gráfica tinham pouquíssimas opções para escolher, principalmente quando a internet estava apenas começando aqui no Brasil. Para muitas pessoas, assim como eu, a única e mais fácil opção foi começar trabalhando com o 3d Studio nos anos 90.

Sim, o software está fazendo 20 anos desde o lançamento da sua primeira versão e para comemorar a data a Autodesk que hoje é a responsável pelo desenvolvimento, organizou um web site muito legal para comemorar os 20 anos do 3dsmax contando a história e desenvolvimento da ferramenta.

3dsmax-aniversario-20-anos.jpg

No hot site comemorativo é possível encontrar imagens das caixas para versões do 3d Studio Max e também do antigo 3d Studio, que funcionava originalmente em MS-DOS e que ainda é o nome conhecido por muita gente. Além das imagens com as caixas, podemos encontrar renderizações emblemáticas e que eram usadas para divulgação do software, assim como animações produzidas por estúdios famosos como o Blur.

Antes de trabalhar com o Blender, fui usuário do 3d Studio Max por muitos anos, trabalhando em escritórios e ministrando aulas de 3d. As minhas primeiras experiências com aula na parte de 3d foram com o longínquo 3d Studio Max R3. Naquela época os sistemas de renderização avançada como temos hoje em praticamente todos os softwares era um sonho muito distante, por vários motivos que englobavam o custo desses renderizadores e também limitações de hardware. Mesmo usando o mental ray naquela época, era preciso um sistema que agüentasse gerar iluminação global.

Para quem não teve esse tipo de experiência o web site é uma excelente referência como história da computação gráfica, pois é inegável a contribuição do 3dsmax para o mercado como um todo. Um dos maiores artistas e autor de diversas imagens usadas pela Autodesk no 3dsmax é entrevistado no site e conta um pouco das suas experiências. Se você não conhece o francês Pascal Blanché, recomendo ler a entrevista na íntegra, pois ele é um dos maiores nomes em termos de criação na área de computação gráfica 3d.

2017-04-11T10:27:18+00:00 By |3ds max|6 Comentários

Sobre o Autor:

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

6 Comentários

  1. Fábiovalinhos 05/08/2010 em 10:42 pm

    Muito legal.

    Parabéns ao 3dmax pela data.

    73 55

  2. Weder Clay 06/08/2010 em 9:06 am

    Realmente é inevitável falar em 3D sem lembrar ou mencionar algum produto da Autodesk. Um exemplo disso é quando algum cliente pergunta “você faz trabalhos em 3D max (ou 3d studio)”, a pessoa acaba substituindo a palavra 3D pelo nome do software. Isso acontece em outros casos, Gilette, Eternit, entre outros. Ou então quando você mostra alguma imagem 3D e vem a pergunta “foi feita no 3D max?”, mesmo que tenha sido feita no Blender, rs.

    A Autodesk teve e sempre terá um papel importante na área de CG, isso é inevitável.

    Adorei o site, gosto muito desse resgate do passado, ver o processo de evolução, até mesmo as tendências do design das caixas ao passar dos anos. Muito legal!

  3. Renê 06/08/2010 em 11:06 am

    Muito bacana!!

    A versão R3 foi a primeira que conheci na época só que não conseguia usar por conta de minha máquina, sempre travava!! rs

  4. will 06/08/2010 em 4:30 pm

    Bom um software que surgiu com os primeiros do ramo, mas que tem uma forma de trabalhar não muito boa. Acho q o blender apesar de ir aos poucos melhorando sua pipelane, tem na versão 2,5 uma interface mais intuitiva que o max … Bom acho que cada um tem suas vantagens, mas vejo o foco central em jogos e arquitetura. fico na duvida o que será do XSI pois quando li a referencia dele me pareceu um programa de apoio do maya, onde o xsi era um jeito facil de criar dinamica de particula e configurar pelo ICE e depois add no Maya.

    Acho que o max perde um pouco de mercado para o cinema 4d na area de motion, onde ele era mais forte na parte de animação … quanto ao cinema nem se fala, dois softwares q dominam são o maya melhor framework e padrão basico e pra dinamica houdini… Houdini é complicado modelar e animar. por sinal a Digital domain nem usa ela pra animar…

    Seria uma boa ter materias sobre o Nuke software produzido internamente pela DD e que é extremamente bom e superior pelo que leio e vejo em relação a concorrencia …

    attt

  5. Marta 06/08/2010 em 8:03 pm

    Legal seus posts… Acompanho diariamente! Parabéns a você e a 3DMAX

  6. Guilherme Henrique 06/08/2010 em 9:39 pm

    Will, o Nuke eh um software de composição baseado em nodes, e nao um pacote 3D 😉

    e por falar em 3D max, eu gostava um pouco mais das suas versoes mais antigas como a 9, essa ultima interface nao me agradou muito…
    mas eh questao de costume…
    para mim, tanto 3D Max, quanto Maya e XSI, ambos estao muito nivelados, e cada um com seu foco principal

    espero soh que nao ofusquem um produto para dar atenção a outro 😉

    Guilherme H.

Deixar Um Comentário