Novos recursos do LuxRender 0.8

O renderizador de código aberto LuxRender que usa métodos de renderização do tipo Unbiased, está para receber uma atualização para breve, e a sua versão 0.8 já está em Release Candidate 1. Isso significa que já podemos começar a aproveitar os benefícios da versão 0.8 apenas com alguns bugs que podem vir a aparecer, mas o que existe já está muito próximo da versão final. Para quem não conhece, o LuxRender é um renderizador externo de código aberto que funciona muito bem com o Blender. Um dos pontos fortes do LuxRender é o uso de métodos de renderização como o sofisticado algoritmo Metropolois que é capaz de fazer cálculos de iluminação com base em física real. O resultado é uma imagem com grande fidelidade e qualidade fotográfica, mas que demandam grandes tempos de render para ficarem prontas.

O processo de render no LuxRender é baseado em refinamento progressivo, o que significa dizer que a imagem final do render é gerada de imediato, mas em baixa qualidade. Ao longo do tempo o renderizador refina a imagem e remove o seu aspecto granulado.

Oulierrejection_comparison-LuxRender-08.jpg

Na esquerda temos a aplicação do novo filtro para remover artefatos no LuxRender 0.8.

Quais são as novidades do LuxRender 0.8? Esse link agrega todos os novos recursos do LuxRender 0.8 em formato de lista e com várias imagens de exemplo. Para ajudar no entendimento do conteúdo, compilei a lista com uma descrição traduzida sobre cada uma das suas novas ferramentas:

  • Volumetric Scattering: Esse recurso adiciona a possibilidade de simular materiais como pele humana, cera e outros. O resultado é conhecido também como Subsurface Scattering (SSS).
  • External Photon Mapping: Aqui temos um novo método de renderização que já era utilizado em outros renders como o YafaRay. No caso do Photon Mapping é possível gerar a iluminação aproveitando um mapa de fótons nas superfícies dos objetos 3d. Para cenas internas e que façam uso de renderização do tipo Biased, esse é o novo método recomendado de render no LuxRender.
  • Outlier Rejection: Um dos problemas desse tipo de renderizador é a existência de pequenos artefatos na imagem conhecidos como Fireflys. São pequenos borrões que podem demorar uma edternidade para sair, ou mesmo não sair do render final. Até a versão 0.7 tínhamos que recorrer a edição das imagens para remover esses borrões. Agora cm um filtro chamado de Outlier Rejection esse processo fica bem mais simples, pois o próprio LuxRender remove os borrões usando um filtro.
  • Glossy Translucent: Materiais translúcidos que fazem uso de reflexões são mais fácies de criar agora com o uso desse novo material.
  • Film Response: Opções melhoradas para simular a sensibilidade de filmes fotográficos deixam as imagens mais realistas com o novo Film Response.
  • Microdisplacement: O LuxRender suporta o uso de Microdisplacement que são pequenas deformações na superfície do modelo 3d, geradas durante a renderização.
  • Suporte a arquivos PLY: Agora o LuxRender permite importar arquivos para seus projetos usando o formato PLY, sem a necessidade de exportar modelos em ASCII.
  • Aceleração por GPU: Esse é um dos destaques dessa nova versão. Usando as experiências do SmallLuxGPU, a nova versão do LuxRender implementou aceleração por GPU usando OpenCL. Isso significa dizer que o tempo de render poderá ser reduzido drasticamente se você possuir uma boa placa de vídeo. Na descrição do recurso esse novo módulo foi até chamado de BigLuxGPU!
  • Melhorias na interface: Novas opções para exportar imagens e pequenos ajustes na interface do LuxRender foram implementadas.

A lista não é pequena e temos diversas novidades interessantes, sendo para mim a aceleração por GPU um dos maiores destaques. Se ela realmente aproveitar os núcleos disponíveis em placas de vídeo modernas, teremos tempos de render bem reduzidos.

Como estou recebendo muitos pedidos para tutoriais sobre o LuxRender com o Blender 2.5, vou prepara uma seqüência de vídeos mostrando os novos recursos para breve. Assim aproveito para voltar a produzir tutoriais em vídeo. Para quem já quiser aproveitar o LuxRender usando GPU, recomendo fazer o download no Graphicall.org de builds já integradas do Blender 2.5.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *