Tutorial Blender: Usando o Cycles para renderizar por GPU

O novo renderizador do Blender está deixando a comunidade de usuários e artistas que usam o software muito animados com a possibilidade de trabalhar com render baseado em GPU, diretamente da interface do Blender. Como esse recurso é muito recente e instável, a única maneira de usar Cycles é por meio de versões de teste disponíveis no graphicall.org, e hoje tive a oportunidade de fazer o download de uma dessas versões e começar a usar o Cycles. Como acredito que a maioria dos usuários do Blender estejam interessados em saber como funciona o Cycles, tomei a liberdade de gravar um pequeno tutorial em vídeo sobre esse novo renderizador.

O vídeo ficou curto, mas acredito que seja o suficiente para que você possa usar o Cycles em seus estudos. Para falar a verdade, e hoje foi o primeiro dia que tive realmente contato com o Cycles, e aind preciso fazer muitos testes com ele para sair usando a ferramenta. A minha placa de vídeo não é tão poderosa assim, pois estou gravando esse vídeo em um notebook, mas os usuários que tiverem placas com mais núcleos CUDA devem ter performance melhor.

Para usar essa versão do Cycles é preciso realizar algumas tarefas básicas, sendo que a primeira delas é habilitar o uso de nós em todos os elementos que fazem parte da simulação. Tanto as luzes como os materiais precisam fazer uso de nós, para que o Cycles consiga renderizar. Você pode reparar que depois que habilito o uso de nós, os objetos e luzes começam a aparecer na renderização. Dentro do Cycles podemos usar um modo de visualização chamado de Rendered, que faz exatamente o que você está pensando, que é exibir o render em tempo real gerado por GPU direto na 3D View.

Por enquanto, a única luz que funciona de maneira razoável com o Cycles é a Sun, que é criada e habilitada para usar nós, e conseguir iluminar as cenas renderizadas pelo Cycles.

No final é possível acompanhar como a adição de novos elementos dentro do projeto é atualizada de maneira razoavelmente rápida pelo Cycles, e até mesmo modelos com mais polígonos como a suzanne (mascote do Blender), acaba sendo de fácil manipulação para o render.

Agora que você já sabe como usar o Cycles, pode começar a realizar seus testes e conferir como esse novo render pode ajudar você a criar cenas realistas ainda mais rápido.

É bom lembrar novamente que esse recurso ainda não está presente no Blender 2.57 oficial, sendo uma versão experimental que pode ser copiada no graphicall.org, mas o nome experimental já demonstra que ainda é cedo para fazer uso dessa versão em projetos sérios. Você deve fazer uso do Cycles apenas para testes e estudos.

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

2 comentários sobre “Tutorial Blender: Usando o Cycles para renderizar por GPU”

  1. Olá Alan Brito,que bom que você está lendo esta minha pergunta! preciso saber se este render GPU Cicles interno do Blender beneficiará somente usuários das GPUS NVidia CUDA, ou está também voutado a usuários de ATI Hadeon HD 6950 2 gigas MB que utiliza tecnologia semelhate CUDA, baseada em OpemCL ATI. o meu cartão GPU é o ATI indicado. estive muito triste em ver no max que o IRAY ainda não amadureceu em OpemCL. fico feliz se o Cicles se empenhar em melhor suporte à GPU ATI.
    Você me fez feliz em conhecer o LUMION 3D que é algo incrível e que se dá muito bem com os cartões ATI Hadeon HD. o render é incrível.

  2. Muito legal, testei aqui com a minha FireGL V7700 funcionou legal.
    Alias funcionou tanto para sol quanto para ponto de luz ou Spot.
    Aqui a tela com um sol e um spot : http://dl.dropbox.com/u/6790248/Teste_Blender%2Bcyrcle.jpg
    O incrivel é ver isso funcionar no Blender mas não no Autocad, amanha eu vou no lançamento da linha 2012 da Autodesk e quero ver se tiro alguma informação a respeito de melhoras no renderizador do Autocad.

    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *