É realmente melhor usar GPU para renderizar no Blender Cycles?

O lançamento da versão estável do Blender Cycles foi um dos grandes avanços em termos de ferramentas para criação que surgiram nos últimos meses para usuários do Blender. O fato de termos a disposição de maneira integrada ao Blender um renderizador com suporte a algoritmos avançados como o Path Tracing, sem a necessidade de instalar softwares adicionais e Add-ons é de grande ajuda. Mas, além de todos os benefícios que o Cycles já trouxe e ainda irá adicionar ao Blender, o seu grande recurso no que diz respeito a tecnologia é o suporte ao render por GPU. Apesar de muitas pessoas ainda não entenderem muito bem a vantagem desse tipo de tecnologia, o uso da sua placa de vídeo para renderizar imagens pode acelerar de maneira significativa o processo.

Mas, será que realmente vale a pena usar uma GPU no Blender Cycles?

Acredito que a melhor resposta para esse tipo de questionamento é um exemplo prático do uso de uma GPU para acelerar o render no Cycles. O vídeo abaixo foi produzido por um artista usando o Blender com o Cycles no modo CPU e GPU, fazendo exatamente a comparação da performance entre os dois sistemas.

O resultado é bem claro do ponto de vista da performance, e podemos perceber pela contagem de samples que aparece na janela 3D View, quando modificamos o tipo de shading dessa janela para Rendered. O contador de samples aumenta de maneira muitíssimo mais rápida quando o artista escolhe o modo de render por GPU, virando quase que um contador de segundos! Esse desempenho acelerado para o render é muito importante, principalmente quando o objetivo do projeto for a criação de animações em 3d.

O ponto negativo desse processo todo é que apenas os felizes proprietários de placas da NVidia mais recentes podem usufruir desse poder computacional. Por exemplo, se você tem uma GeForce da linha GTX mais recente, como as da série 500, então você está qualificado para usar o recurso, desde que instale o CUDA Toolkit e os drivers apropriados no seu computador. Os usuários de placas da ATi precisam ter paciência, pois o uso de GPUs da ATi ainda não está finalizado. A placa usada no vídeo que ilustra esse artigo é uma GeForce GTX 560 com 336 núcleos.

Você ainda tem dúvidas sobre a necessidade de adquirir uma boa GPU para render?

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

4 comentários sobre “É realmente melhor usar GPU para renderizar no Blender Cycles?”

  1. Nós que trabalhamos com Renderização utilizando o Cycles temos uma preocupação constante com nossa produtividade. Afim de melhorar esta questão pesquisamos exaustivamente sobre placas de vídeo e muitas vezes encontramos configurações parecidas, mas entre duas GPUs diferentes com tantas variações em termos de configuração é muito complicado chegar a um veredito tendo plena certeza da melhor escolha de custo/benefício. Nem sempre seguir uma dica do amigo que também usa pode ser o melhor negócio.
    Afinal, resolver questões de produtividade trabalhando com Cycles envolve diretamente a disponibilidade financeira. Entretanto, mesmo que haja disponibilidade é certo que nem sempre o melhor é o mais caro.
    Como saber se o melhor é utilizar uma DDR5 ou DDR3? Será que uma GPU de 1GB DDR5 256bits de 336 cuda cores é inferior a uma 2GB DDR5 128bits que dispõe de 768 cuda cores? Se a resposta for sim ou não, qual é quantitativamente essa diferença? Existe alguma fórmula ou expressão numérica que ofereça um índice para consulta e esclareça ou norteie melhor nossas buscas pelas “melhores” placas de video? É certo que exista, mas que fórmula é essa? Onde encontrar essa informação?

  2. Amigo Maicom, também tenho essa preocupação, apesar de ser apenas um usuário doméstico do Blender. Consulto sempre o benchmark mundial do programa, chamado Blenchmark, que mostra os tempos gastos por várias configurações de hardware diferentes, CPU e GPU, inclusive múltiplos GPU’s. São resultados práticos e verídicos, que nos dão realmente a visão final do desempenho de cada máquina. Procure Blenchmark no Google. Sucesso !

  3. Mais uma informação importante: se for usar GPU render no Blender, o programa utilizará somente a memória RAM disponível na placa de vídeo, o que muitas vezes restringe bastante os trabalhos e força o usuário a fazer vários renders de uma mesma cena em partes, cada parte com poucos objetos na viewport, e fazer ainda a composição de imagem depois – exaustivo. Vale a pena juntar dinheiro um pouco mais e adquirir uma NVidia de 4, 6 ou mais Gb de memória. E quando utilizadas duas ou mais GPU’s em SLI ( em conjunto), o Blender NÃO SOMA AS MEMÓRIAS !! Apenas utiliza A MEMÓRIA MENOR DO CONJUNTO, que se torna o gargalo !! Provavelmente as próximas versões do Blender poderão reconhecer e utilizar toda a RAM de GPU’s em conjunto, mas apenas torcemos por isso por enquanto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *