Blender usado no filme da Mulher-Maravilha

O mercado relacionado com a produção de material voltado para cinema é muito competitivo, mas ainda assim é comum encontrar múltiplos softwares sendo usados nas mais diversas produções. É completamente equivocado achar que todo um filme foi produzido usando apenas uma ferramenta.

Na verdade o que acontece é que são contratados múltiplos estúdios, que eventualmente usam as ferramentas disponíveis para a sua equipe. O que importa no final é o resultado é não como os artistas chegaram até aquele ponto.

Mas, ainda assim é interessante constatar que o Blender está aparecendo cada vez mais nesse tipo de projeto. O último filme em que o software participou recentemente foi Mulher-Maravilha.

Para ser mais preciso, o Blender foi usado como software responsável pela modelagem 3D nas animações de encerramento do filme. O material relacionado com essa produção foi compartilhado no website Art of the Title por um dos artistas que trabalhou no projeto. Segundo Patty Jenkins do estúdio Greenhaus GFX o Blender ajudou a criar todos os elementos necessários para a animação.

Como forma de divulgar o trabalho deles, você pode conferir na íntegra a animação de encerramento que utiliza o Blender. É só a animação de encerramento, sem nenhum spoiler out detalhe do filme:

Mas, o Blender não foi a única ferramenta usada na produção desse material. Junto com ele também aparecem na descrição o Maya junto com o Houdini para criação da animação como um todo. Isso corrobora o comentário feito no começo do vídeo, em que não é reponsabilidade de apenas um software realizar todo o trabalho em produções como essa.

Para saber mais sobre a criação dessa animação de encerramento, recomendo ler a entrevista completa. O original está em inglês, mas com a ajuda do Google Translator é possível compreender uma boa parte do material. Essa é uma tradução automática.

Aprenda a fazer animação e modelagem no Blender

Quer aprender a usar o Blender para fazer modelagem 3d e animação? No EAD – Allan Brito existem diversos cursos que podem ajudar você a criar material que mescla animação e modelos 3d realistas:

Análise energética gratuita para edificações no Blender

O desenvolvimento de projetos para arquitetura exige o uso de diversos artifícios e técnicas para garantir o bom funcionamento, integridade estrutural e outros aspectos de um projeto. Mas, em tempos de uso consciente de recursos energéticos é muito comum encontrar demanda pela análise de recursos energéticos na edificação.

Como o projeto impacta o consumo de energia elétrica, aquecimento e outros recursos? As escolhas relacionadas com iluminação aproveitam bem a luz natural?

Tudo isso pode ser simulado por meio de software, mas os mesmos ou são caros ou então de difícil manipulação. Veja o caso do EnergyPlus que é gratuito, mas apresenta interface totalmente baseada em dados numéricos.

Você insere números no software que retorna como resultado mais números. Ele funciona bem, mas é preciso transformar os números em informação visual para apresentar aos clientes.

Outro caso é do Revit que incorporou os recursos do antigo Ecotect, adquirido pela Autodesk. É tudo visual, mas você precisa de uma assinatura do Revit (US$ 2.000,00/ano) para conseguir usar os recursos.

Você sabia que existe uma alternativa gratuita para essas duas opções usando o Blender?

Como o Blender consegue fazer análise energética de edificações? Usando um incrível Add-on chamado de VI-Suite.

Esse Add-on funciona como uma interface para o EnergyPlus, Radiance, Matplotlib e Kivy. Dentro do Blender você pode usar todos esses recursos gratuitos, aplicando ferramentas de análise e recebendo feedback visual.

O resultado são gráficos e interpretações relacionadas com o uso do software dentro do Blender. Assim você pode tomar decisões relacionadas com a mudança no design e layout do projeto com base nas opções mais eficientes em termos energéticos.

O projeto nasceu na universidade de Brighton no Reino Unido sob supervisão do pesquisador Dr. Ryan Southhall. É totalmente gratuito e pode transformar a maneira com que você utiliza o Blender para arquitetura.

Usando o Blender para arquitetura

Quer aproveitar mais recursos do Blender para uso em projetos de arquitetura? No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos e recursos que podem ajudar você na aplicação do software nessa área:

Workshop gratuito de Blender 2.8

O ciclo de desenvolvimento e atualizações do Blender é bem regular e ocorre a cada três ou quatro meses em média. Isso significa que ao longo desse período é comum que novas versões do software sejam lançadas. Algumas dessas atualizações podem demandar um pouco mais de tempo, mas ainda assim esse ciclo não costuma se estender além desse período.

Até o final do ano o software deve receber mais uma grande atualização, chegando na sua versão 2.8. Antes disso ainda precisa passar pela 2.79, que está para ficar “pronta” nas próximas semanas.

Como é o salto entre a versão 2.7x e 2.8x, o software vai receber muito mais do que simples melhorias e correções de bugs. É o momento de ajustar a interface e também implementar novos recursos.

Um desses recursos é o renderizador em tempo-real Eevee. O que é o Eevee? Ele vai substituir o Cycles?

Para ajudar os leitores e alunos do EAD – Allan Brito a entender melhor as atualizações e mudanças no Blender 2.8, resolvi montar um workshop sobre a versão 2.8. O Workshop de Blender 2.8 já está disponível para inscrições no EAD – Allan Brito, sendo totalmente gratuito.

O formato será parecido com os cursos on-line do site, sendo que o foco é apresentar as atualizações e mudanças no Blender 2.8. Desde as alterações na interface, que até o momento foram pequenas, até os novos recursos como o Eeevee.

A idéia é que o workshop seja atualizado mensalmente com a inclusão de novos vídeos falando de recursos adicionais do Blender 2.8. Podem ser novidades relacionadas com o Eevee ou então ferramentas anunciadas para o software.

O objetivo é mostrar as novidades ao longo do desenvolvimento para que você possa ir se acostumando com o software. Para que quando o mesmo esteja pronto para uso em projetos, você possa pular imediatamente para um ambiente de produção.

Por enquanto, o foco do workshop está no uso e configuração do Eevee, mas em breve novos vídeos e demonstrações devem estar disponíveis.

Já mencionei que o workshop é gratuito? Você só precisa se cadastrar no EAD – Allan Brito para começar a aprender mais sobre o Eevee!

Radeon ProRender: Alternativa gratuita para renderizar com placas AMD

Os proprietários de placas de vídeo da AMD sempre tiveram problemas para conseguir integrar seus equipamentos com o Blender Cycles, pois o suporte para a tecnologia OpenCL não estava totalmente implementado. Muito dessa falta de suporte foi atribuída à própria AMD. Com a chegada do aguardado Blender 2.79 isso deve mudar, pois os equipamentos da AMD agora funcionam tão bem quanto os da Nvidia no Cycles.

Se você está entre as pessoas que possuem uma placa de vídeo Radeon, e gostariam de incrementar ainda mais o seu leque de opções para renderizar com o Blender, a AMD lançou mais uma opção para gerar imagens no Blender.

O software se chama Radeon ProRender sendo totalmente gratuito para uso e download.

Segundo a página do renderizador é possível utilizar todas as stream units das suas placas de vídeo Radeon para gerar imagens. Esse é o equivalente aos CUDA cores nos equipamentos da Nvidia.

Como o mercado relacionado com renderização está bem consolidado no suporte para equipamentos da Nvidia, é muito interessante que a AMD ofereça essa alternativa para quem já possui placas Radeon ou pretende montar um computador novo no futuro.

Quer fazer uso desse software? Apenas lembre que é outro renderizador que precisa ser selecionado no painel de render do Blender. Você vai precisar fazer a conversão de materiais, recursos e configurações antes usadas no Cycles. Para quem estava usando a CPU nas renderizações, será uma melhora muito bem-vinda!

Além de oferecer suporte para uso do Radeon ProRender no Blender, é possível instalar o software no 3ds max e SolidWorks. Se você tem um computador com placas AMD que não está sendo usado para fins de renderização por falta de suporte, a opção de usar esse software será muito importante para tornar esse equipamento útil novamente, pelo menos para esse tipo de tarefa.

Renderizando projetos com o Blender

Quer aprender a renderizar projetos usando sua GPU no Blender? No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos relacionados com o Cycles e projetos que envolvem aceleração de render por GPU:

Importando arquivos do 3ds max para o Blender

A migração entre diferentes softwares sempre é um tema de muita controvérsia entre artistas 3d, principalmente quando você já possui uma boa base de arquivos e projetos em determinada plataforma. Sempre que converso com artistas interessados em migrar para o Blender, me questionam sobre a facilidade em migrar arquivos de projetos entre plataformas.

No caso do 3ds max existem diversas formas de pegar um arquivo de projeto no formato MAX e migrar para o Blender. Sendo as duas mais fáceis usando formatos intermediários como OBJ ou FBX. Você abre o 3ds max e exporta o arquivo para esses formatos, para depois importar para o Blender.

Mas, inevitavelmente algumas informações são perdidas ao longo do caminho. Você terá que configurar materiais e animações novamente ou fazer pequenas adaptações no projeto. É algo que exige um pouco de paciência por parte do artista.

Alguns dias atrás encontrei uma ferramenta que promete ajudar nesse processo de migração, mas ela não é gratuita! Uma empresa com sede na nossa vizinha Argentina criou o MAXToBlender. O software promete converter arquivos do 3ds max diretamente para o Blender. A ferramenta não é gratuita, mas pode economizar muito tempo na migração do 3ds max para o Blender.

Depois de entrar em contato com a empresa, eles gentilmente cederam uma versão para avaliação do software, e estou testando o processo. Nas próximas semanas devo publicar uma análise com mais detalhes.

O ponto principal que você deve estar se perguntando: preciso do 3ds max para fazer a conversão? Infelizmente sim. A ferramenta funciona assim:

  1. Você instala um módulo no 3ds max
  2. Depois um Add-on no Blender
  3. Do 3ds max para o Blender é gerado um arquivo intermediário que é lido pelo Add-on

Qual a vantagem em fazer isso? Não posso usar OBJ e FBX direto?

A vantagem em usar a ferramenta é que ele faz a conversão de informações do 3ds max direto para o Blender! Por exemplo, os materiais de projetos no 3ds max já são convertidos para o formato do Blender Cycles. Segundo a documentação do software isso inclui até mesmo materiais do V-Ray.

Aguarde pela análise completa incluindo exemplos!

Aprendendo a usar 3ds max e Blender

Quer aprender a usar o Blender ou 3ds max para seus projetos? No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos e treinamentos relacionados com ambos os softwares: