Tutorial Adobe InDesign CS3: Introdução e conceitos básicos

Quem disse que a Adobe não disponibiliza nada gratuitamente? Pois dessa vez eles disponibilizaram um treinamento gratuito em vídeo, mostrando como começar a trabalhar com o InDesign CS3. Claro que existe um objetivo mais comercial por trás dessa iniciativa, assim como o título do treinamento revela; Migrating from QuarkXpress to InDesign. Ou seja, eles querem “roubar” usuários do QuarkXpress, facilitando o processo de migração para o InDesign. Mas isso não significa que qualquer pessoa, mesmo que não use o InDesign possa assistir as aulas em vídeo. O único inconveniente é que está tudo narrado em inglês.

Treinamento Indesign CS3

Além das aulas em vídeo, ainda é possível fazer o download de um manual em PDF com o conteúdo dos vídeos em formato de texto.

O material está dividido em módulos, no total temos 4 módulos que totalizam aproximadamente 1 hora de vídeo. O material é curto mesmo, pretende apenas fazer uma abordagem inicial sobre os conceitos básicos do [BP:215]InDesign[/BP]. Esses são os conteúdos de cada módulo:

  • Introdução: Aqui o instrutor chamado David Blatner, comenta os objetivos e conteúdo geral do curso.
  • Conceitos básicos e produtividade: Esse módulo mostra como começar a trabalhar com o InDesign, posicionando objetos, formatando textos e parágrafos, configurando cores e gradientes.
  • Técnicas avançadas: Aqui temos algumas técnicas avançadas do InDesign, como efeitos de transparência em objetos, estilos de parágrafo, estilos de texto, estilos em objetos e criação de modelos para documentos.
  • Conclusão: Para finalizar o instrutor faz alguns comentários adicionais sobre os assuntos abordados e encerra o treinamento.

Para assistir ao treinamento, visite esse endereço no Adobe Design Center.

Essa é uma ótima oportunidade para quem está interessado em começar a usar o InDesign, principalmente se você trabalha com editoração, mas ainda utiliza o PageMaker. Já conversei com editores que comentaram a dificuldade em encontrar profissionais que usem o InDesign. Hoje em dia ele é uma unanimidade na editoração eletrônica, junto com o QuarkXpress. Ou você achava que a diagramação de documentos complexos era feita no Word?

Com tempo a tendência é que o Scribus também vá ganhando cada vez mais espaço, mas até lá, para fins de empregabilidade é bom conhecer o InDesign também. Conhecer o funcionamento de várias ferramentas nunca é demais!

Inkscape como editor de arquivos PDF gratuito

Se você acompanha o blog com certa freqüência, deve saber que o projeto Google Summer of Code 2007, está patrocinando o desenvolvimento de novas ferramentas para o Blender. Além do Blender uma série de outras ferramentas está participando do projeto, ganhando novidades e melhorias no seu código.

Uma dessas ferramentas, que está ganhando novas funcionalidades é o InkScape. Dentre as melhorias propostas, está a possibilidade de importar arquivos no formato PDF, o que tornará o InkScape em um editor de arquivos PDF open source.

Logo InkScape

Além da possibilidade de importar esses arquivos PDF, teremos as seguintes melhorias no InkScape:

  • Melhoria na configuração de textos: As ferramentas de edição de texto foram totalmente reformuladas. Esse projeto tenta melhorar o processo de edição e ajustes para textos, que sempre foi limitado em relação à edição de linhas.
  • Ferramentas de edição 3D: Várias ferramentas 3d permitem a edição e deformação de linhas e objetos, para formar desenhos em perspectiva. O InkScape também está ganhando uma ferramenta semelhante, com ela poderemos editar e deformar uma ilustração para simular uma perspectiva com pontos de fuga.
  • UI para efeitos em arquivos SVG: O objetivo desse projeto é facilitar a criação de uma interface para adição de filtros, com efeitos para ilustrações vetoriais.
  • Suporte melhorado a arquivos rasterizados: Aqui temos um projeto que tenta integrar algumas funcionalidades do ImageMagick, ferramenta open source para edição de imagens bitmap. Assim o InkScape poderia ganhar mais opções para aplicar filtros e efeitos em imagens bitmap.
  • Importar e exportar para o openclipart.org: Agora será possível importar e exportar ilustrações da biblioteca online openclipart.org, isso será feito de dentro do próprio InkScape.

Como você pode ver, a quantidade de novos recursos é considerável. Quando teremos essas novidades implementadas no InkScape? Ainda é cedo para dizer, mas o prazo do SoC 2007 termina esse mês, então acredito que seja apenas questão de tempo. Muito em breve teremos uma versão do InkScape com essas melhorias, assim como acontece com o Blender também.

Atá lá, visite o web site oficial do projeto soc 2007. Caso você use alguma ferramenta livre ela pode estar presente na lista, assim é possível saber quais idéias foram apresentadas para melhorar a ferramenta.

O Scribus está lá!

Tutorial Scribus: Opção para o Adobe Indesign e Quarkxpress

No final da última semana, recebi um e-mail interessante com algumas dúvidas de um usuário, que gostaria de migrar o seu desktop para ferramentas livres. Ele conseguiu encontrar softwares para suprir as suas principais necessidades, como o Gimp e Inkscape para a edição de imagens rasterizadas e ilustrações vetoriais respectivamente. Mas como ele trabalha com editoração eletrônica, ainda estava em dúvida qual seria a melhor opção para migrar do Adobe Indesign? Pois as ferramentas livres também possuem uma opção para editoração eletrônica, essa ferramenta se chama Scribus.

Logo Scribus

Mesmo não compartilhando a mesma fama do [fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][BP:215]Blender[/BP] ou do Gimp, nas comunidades de software livre, o Scribus é uma ótima opção para qualquer pessoa interessada em usar ferramentas gráficas, para realizar trabalhos gráficos. O Open Office não oferece a liberdade necessária para editoração eletrônica.

Mas vamos ao que interessa, como é que funciona o Scribus? Para as pessoas que já trabalharam alguma vez como o [BP:215]Adobe Indesign[/BP] ou com o Quarkxpress, não vai encontrar dificuldades em começar. Para instalar o Scribus, visite a sua página oficial. Depois faça o download da versão apropriada ao seu sistema operacional.

Assim que o Scribus estiver instalado e executarmos a ferramenta, uma caixa de diálogo vai aparecer. Ela vai perguntar algumas características do nosso projeto. Como estamos lidando com um projeto para impressão.

Janela de configuração do Scribus

Essa caixa de diálogo chamada de Novo documento, permite determinar o estilo da página na esquerda. Repare que temos várias opções como página simples e página dupla. Na parte central podemos escolher o tamanho e orientação, assim como a distância para as margens da folha na parte inferior.

Na direita, temos as opções que determinam o número de páginas para o documento, assim como a escala. Geralmente usamos milímetros para documentos, mas se você sabe que precisará de outros valores, altere para outra escala qualquer.

Ainda na esquerda, podemos marcar a opção “Quadros de texto automáticos“, com essa opção marcada, novas divisões de texto são criadas automaticamente na página do projeto. Essa opção é semelhante às colunas de texto do Indesign. Caso essa opção esteja habilitada, poderemos escolher o número de colunas e o espaçamento entre elas. Quando tudo estiver configurado, pressione OK para abrir o documento.

Então a interface do Scribus aparecerá.

Interface do Scribus

Novamente, se você já utilizou alguma vez o Indesign ou Quark, vai achar os comandos e divisões da interface muito familiares. Mesmo assim, vamos entender o que faz cada parte:

  • Controles gerais: Essa barra agrupa alguns controles gerias para a edição do documento, como salvar, desfazer e imprimir. Assim como opções para exportar o documento como PDF.
  • Barra de propriedades: Aqui temos um menu que exibe as propriedades de um objeto selecionado. Por exemplo, selecionando um texto podemos verificar a posição desse texto na página, assim como as suas dimensões. Podemos alterar as suas cores e várias outras propriedades.
  • Barra de ferramentas: Com essa barra podemos acionar comandos de seleção, desenho e criação de textos.
  • Layout: Aqui é a área em que efetivamente desenhamos. O seu formato é bem sugestivo, já que vemos sempre uma página.
  • Seletor de páginas: Na parte inferior temos esse seletor de páginas, que facilita o trabalho de edição em documentos com múltiplas páginas.
  • Zoom: Aqui temos controles de Zoom.
  • Escala: Com esse pequeno seletor, podemos mudar a escala dos nossos projetos a qualquer momento, se você iniciou um documento com milímetros, mas precisa alterar as medidas para polegadas, use esse menu.

Pronto! Agora você já sabe como funciona a interface do Scribus, podendo até começar a tentar fazer alguns documentos com ele. Lembre que o seu foco é na editoração eletrônica, para gerar ilustrações e imagens, use sempre o Inkscape ou Gimp.

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]