Passeio pelas instalações da Pixar

Se você acompanha esse blog há algum tempo, deve saber que sou fã incondicional da Pixar, tanto pela qualidade das suas produções, como pelo fato de ser uma das únicas empresas que conseguem sozinhas, se sustentar no mercado de computação gráfica, com idéias e ferramentas próprias. Eles são diferentes da ILM ou da Digital Domain, que são meras executoras de projetos para terceiros. Outras empresas como a Blue Sky estão trilhando o mesmo caminho, mas a Pixar foi a pioneira e é uma das poucas que desenvolve todos os seus sistemas e softwares.

Fachada da Pixar

Pois bem, encontrei um ótimo vídeo da Empire Online, em que um eles mostram um tour pelas instalações que podem ser visitas pelo público. O guia pelo passeio é um cara chamado Randy Nelson.

Para assistir ao vídeo, visite esse endereço na Empire Online.

Esse tipo de material não é apresentado em extras de DVD, até porque nos últimos longas da Pixar os DVDs não acompanham extras. Eles não são culpados, tudo é uma estratégia da Disney, para agradar aos Pais que compram os DVDs para entreter os filhos, mas não estão interessados em extras.

O vídeo tem 3 minutos, mas mostra muita coisa legal. Fiz uma pequena lista, caso você não entenda a narração em inglês:

  • O Átrio: Esse ambiente eu já tinha visto em fotografias, mas mesmo assim ainda é legal ver como eles mantêm um átrio na entrada, para que todos os funcionários passem por uma área comum, quando chegam para trabalhar.
  • Sala de jogos e lanches: Quem disse que o pessoal não se diverte na Pixar? O Randy Nelson mostra depois do Átrio, a sala de jogos e lanches da Pixar. Pelo visto, eles são movidos a cereais.
  • Painel dos incríveis: Depois ele mostra um painel, com estudos preliminares feitos pelos artistas da Pixar, sobre Os Incríveis.
  • Acesso restrito: Aqui a curiosidade falaria mais alto! Eles mostram a entrada do setor de produção da Pixar, com uma singela placa, avisando que é proibida a entrada de qualquer pessoa sem a autorização de um produtor. Muito provavelmente veríamos os animadores trabalhando no Toy Story 3 ou Wall-E, caso a câmera tivesse adentrado nessa porta.
  • Jardins: Ele finaliza o passeio no exterior do prédio, em que os funcionários fazem eventos e encontros comemorativos.

Não espere aprender nenhum segredo da Pixar no vídeo, ele serve apenas como uma amostra de como é o ambiente de trabalho dos animadores da Pixar. Agora diga se você não gostaria de fazer uma visita como essa?

Revista BlenderArt 14: Desenvolvimento de jogos com Blender 3D

Agora que o carnaval já terminou, podemos voltar à programação normal. Enquanto nós aqui no hemisfério sul, brincávamos ou descansávamos, como foi o meu caso, a equipe de produção da revista BlenderArt estava terminando a edição de número 14. Para quem não conhece, essa é uma publicação gratuita sobre o Blender 3D, que compila artigos e tutoriais sobre assuntos diversos sobre o Blender. Cada edição tem um tema específico, sendo a de número 14 dedicada ao uso da Game Engine do Blender e a produção de imagens no estilo cartoon.

BlenderArt 14

Como a revista é escrita originalmente em língua inglesa, farei uma breve tradução dos assuntos abordados em cada artigo, para que você possa decidir se vale fazer o download. Esses são os assuntos:

  • Tutorial sobre a modelagem de uma aranha: Nesse primeiro tutorial, o processo de criação de um personagem no melhor estilo cartoon. O artigo mostra todos os passos, desde a transformação da formas básicas até a configuração do personagem com bones para animação.
  • Modelagem de um personagem Lowpoly: Aqui temos um tutorial que mostra a técnica necessária, para usar um personagem com alto número de polígonos, para modelar outro personagem semelhante, mas com número reduzido de polígonos. Esse tipo de modelo é fundamental para a criação de jogos.
  • Ajustando materiais com o editor de nós: O próximo artigo aborda o ajuste de materiais usando os nós. Os ajustes têm como base a pintura de vértices, fundamental na Game Engine também.
  • Criando uma animação no estilo cartoon com o Blender: Esse é um tutorial que mistura técnicas de animação com o Blender e fundamentos de animação. A animação resultante tem estilo cartoon, com objetos realizando movimentos com deformações exageradas.
  • Tutorial básico da Game Engine do Blender: O nome diz tudo, aqui temos um “basicão” sobre como usar a Game Engine do Blender. O artigo é o mais extenso da revista, com mais de 10 páginas.
  • Configurando um jogo em rede com o Blender: Criar um jogo não é o suficiente? Que tal elaborar um e proporcionar aos usuários uma experiência coletiva? Aprenda a configurar um jogo multiplayer com o Blender nesse tutorial. Você precisará usar Python para esse tutorial.
  • Produzindo “Orion Tear”: Aqui temos um ótimo artigo mostrando como foi produzida a animação chamada Orion Tear. O artigo é detalhado e aborda desde a modelagem, passando pela iluminação, texturas e finalmente a animação dos personagens.
  • Produzindo “Tenage Duck”: Mais um artigo sobre produção de imagens, mas agora é uma cena estática. O destaque aqui é para os materiais usados no modelo.
  • Projeto do jogo Monkey: Esse artigo mostra um projeto interessante de jogo com o Blender, chamado de Monkey Game Project. Todo o material do jogo é disponibilizado com a licença GPL, ou seja, qualquer pessoa pode consultar os arquivos fonte. Fora isso, o projeto do jogo é muito interessante.
  • Estudo de caso com a Game Engine do Blender: Nesse artigo, o pessoal aborda o uso do Blender para criar animações interativas de ambientes urbanos. Lembra o projeto Brasília Virtual do Alexandre Rangel. Para o pessoal que cria maquetes eletrônicas, o artigo mostra como o Blender pode ser versátil, oferecendo a esses artistas a possibilidade de expandir de maneira fácil o seu portfólio com animações interativas.
  • Como usar Web services com o Blender: Esse último artigo é uma surpresa para mim. Ele aborda o uso de Web services com a Game Engine do Blender, para fazer animações que usem dados armazenados na internet. Para usar efetivamente os conhecimentos do tutorial, será necessário um pouco de conhecimento em PHP, XML e Python.

No começo da revista, existe um artigo que indica recursos para desenvolvedores de jogos, como tutoriais cuidadosamente selecionados em fóruns e sites de artistas. Não deixe de conferir a indicação dos tutoriais, como um que mostra como criar um jogo de tiro! Claro que um breve texto sobre o projeto apricot não poderia faltar também.

Ficou interessado? Se você usa o Blender e sempre quis usar a Game Engine para criar animações interativas, a revista é mais que recomendada. Existem várias dicas valiosas para artistas interessados em aprender como funcionam os famosos blocos de lógica. Para fazer o download, visite esse endereço e copie o arquivo, que tem aproximadamente 9 MB.