É possível comercializar jogos criados no Blender?

Uma dúvida que sempre recebo pelo formulário de contato do Blog está relacionada com o desenvolvimento de jogos usando o Blender. Existem muitas pessoas que gostariam de trabalhar com a criação de jogos usando o Blender, mas possuem uma dúvida fundamental: é possível vender jogos criados com o Blender? A resposta é muito simples! Claro que sim. A confusão entre a possibilidade ou não da comercialização de matéria produzido com o Blender aparece quando a produção de conteúdo com o software se mistura com o próprio Blender, distribuído sob a licença GPL. Como trabalho diariamente com o Blender, e recebo muito esse tipo de questionamento, acho válido abordar o assunto periodicamente.

No que se refere a produção de jogos, a dificuldade inicial na comercialização de jogos produzidos com o Blender está no fato dos arquivos fonte do jogo precisarem necessariamente acompanhar o binário gerado pelo Blender, para que o jogo em si possa ser executado. Esse binário nada mais é do que uma versão simplificada do Blender chamado de Standalone Player, e os arquivos fonte ficam mesclados com o binário. Como o binário do Blender é regido pela licença GPL, o conteúdo do seu jogo acaba sendo enquadrado na categoria de material derivado e também é regido pela GPL. Isso significa distribuir o material de forma aberta.

Existe até mesmo um excelente artigo na Wiki do Blender explicando o problema em detalhes com base em um artigo publicado pelo Dalai Felinto. Entre as opções apresentadas no artigo, e que considero a mais interessante é o uso de player diferentes do Standalone Player. A minha escolha é pelo BPPlayer, que além de permitir executar jogos criados no Blender, também permite criptografar o conteúdo dos arquivos fonte do jogo, impedindo o acesso a qualquer tipo de objeto ou texto dentro do seu jogo.

Só para responder a pergunta título desse artigo. Sim, é possível comercializar jogos produzidos com o Blender. O material produzido com o software pode ser livremente comercializado, assim como fazemos nos casos de imagens e animações renderizadas com o Blender. O único problema está no fato da distribuição dos jogos usando o Standalone Player pois isso exigiria que os arquivos fonte associados ao software fossem oferecidos de maneira aberta, para não entrar em conflito com a GPL. Mas, usando recursos como o BPPlayer é possível contornar esses problemas, e até mesmo criptografar o conteúdo dos jogos para impedir o acesso ao material.

Quer vender um jogo criado com o Blender? Vá em frente e comece seu projeto, pois é perfeitamente possível explorar a plataforma em jogos comerciais.

Aprendendo a criar jogos no Blender

E caso você tenha interesse em conhecer a plataforma de desenvolvimento de jogos do Blender, recomendo visitar o curso sobre produção de jogos com Blender do EAD – Allan Brito. No curso os participantes aprendem a usar a Game Engine para criar 3D interativo e também a usar recursos como animações dentro desse contexto.

Existe até uma aula no curso em que ensino a utilizar o BPPlayer para proteger o conteúdo desenvolvido para jogos usando o Blender. E para complementar o seu conhecimento com o Blender, existem também diversos outros cursos de Blender disponíveis no EAD – Allan Brito que ajudam no processo de criação dos jogos.

Curso sobre produção de jogos com Blender: Usando o BPPlayer em jogos

O Blender é uma ferramenta extremamente versátil do ponto de vista da produção de material, pois podemos criar imagens estáticas e animações como a maioria das suítes 3d, e também desenvolver jogos 3d usando a sua game engine integrada! Sim, você pode desenvolver jogos inteiros usando a game engine integrada com base apenas nos chamados blocos de lógica que são um recurso de criação voltado para jogos totalmente visual. Isso significa dizer que você pode criar jogos sem a necessidade de programação. O curso sobre produção de jogos com Blender do EAD – Allan Brito aborda exatamente esse tipo de criação com o Blender.

Uma das grandes dúvidas sobre a produção de jogos com o Blender, é sobre a comercialização desse tipo de conteúdo. Você pode vender jogos com o Blender? A resposta é sim! O problema acontece com os arquivos “.blend” que são distribuídos junto com os jogos, pois eles acabam indo totalmente abertos e podem ser acessados por qualquer pessoa, inclusive para consulta das soluções encontradas dentro dos jogos na parte lógica, texturas, modelos 3d e outras coisas. Como proteger esse trabalho?

É exatamente esse o tema da aula 09 do curso sobre produção de jogos, que é um complemento extra ao material do curso e foi produzida a pedido dos participantes do curso. Nessa aula você aprende a usar o utilitário chamado BPPlayer que criptografa o conteúdo dos arquivos do Blender, sem modificar necessariamente o código fonte do Blender e portanto, não fere a licença GPL.

blender-bpplayer.jpg

Na aula você aprende a usar o BPPlayer e a tratar os arquivos dos seus jogos de maneira a distribuir os mesmos de maneira segura, e protegendo o trabalho de quem desenvolveu o jogo como um todo.

Você pode até mesmo criptografar projetos compostos por múltiplos arquivos no Blender, o que ajuda muito os desenvolvedores de jogos que quiserem apostar no Blender como plataforma.

Ficou interessado no curso? Não esqueça que durante o mês de Junho você pode fazer a inscrição em qualquer curso do EAD – Allan Brito com desconto, usando o cupom NOVOEADALLANBRITO no ato da inscrição, você recebe o desconto de 20% sobre o valor de qualquer curso ou combo. Esse cupom é válido até 30/06/13.

BSurfaces agora é gratuito para usuários do Blender

O ecossistema de addons comerciais para o Blender não é tão vasto como o do 3ds Max, mas existem opções de ferramentas que são distribuídas de maneira comercial. Diferente do código fonte do Blender que é licenciado pela GPL, os Addons são escritos em Python e são executados usando estruturas independentes ao Blender. Portanto, é mais fácil distribuir um Addon usando licenças diferentes da GPL no Blender do que tentar criar um “Plugin” nos formatos usados em ferramentas como o 3ds Max.

Um desses exemplos de Addon comercial do Blender é o excelente BSurfaces, que adiciona uma gama de opções muito interessante para a modelagem baseada em polígonos. O Addon é capaz de gerar modelos 3d com base na seleção de diversas seleções usando curvas e outras estruturas complexas. O vídeo abaixo mostra um exemplo de objeto com topologia complexa que é criado com a ajuda do BSurfaces.

Quer saber a melhor notícia sobre o BSurfaces? Até alguns dias atrás ele era comercializado por 39 dólares. Agora o Addon está sendo distribuído de maneira gratuita usando a licença GPL. Portanto, você pode fazer o download do Addon agora mesmo para usar no seu Blender, e segundo os desenvolvedores do Addon a ferramenta funciona sem grandes problemas com o BMesh do Blender 2.63.

Ainda não tive a oportunidade de fazer testes com o BSurfaces usando o BMesh, mas a princípio está tudo funcionando sem grandes problemas.

Depois de instalar o BSurfaces no seu Blender, será possível acessar as opções de modelagem na barra de ferramentas do Blender. Um aspecto interessante sobre o BSurfaces, é que o mesmo trabalha com a coversão de curvas em superfícies baseadas em polígonos, e essas curvas podem ter origem até mesmo no Grease Pencil em que os desenhos das curvas são realizados a mão livre.

Para usar o BSurfaces é necessário criar um objeto poligonal (Mesh) para que depois seja possível adicionar as curvas na sua parte interna. Nos meus testes, sempre crio um plano ou cubo e excluo os vértices do objeto para conseguir um polígono vazio. E depois, dentro do modo de edição, podemos adicionar as curvas para criar os elementos do BSurfaces. A mágica é feita quando acionamos o botão Add Surface.