Tecnologia para integrar AutoCAD e 3ds max para arquitetura

A criação de maquetes eletrônicas para arquitetura sempre inicia com um projeto que geralmente é oriundo de softwares de CAD como o AutoCAD. Ainda me lembro das primeiras vezes em que precisei criar uma maquete eletrônica ainda na faculdade, e depois de algumas horas tentando trabalhar com o 3d studio Max 2, isso era na segunda metade dos anos 90, desisti de tentar criar alguma coisa que tivesse um mínimo de precisão e passei logo para o AutoCAD. E ainda hoje a coisa não é diferente, e mesmo sabendo que é perfeitamente possível trabalhar com dimensões e medidas na modelagem poligonal para arquitetura, ainda é tentadora a possibilidade de usar um software de CAD para elaborar os modelos 3d.

Um dos meus primeiros trabalhos na área de computação gráfica era exatamente a finalização de projetos arquitetônicos oriundos na maioria das vezes do AutoCAD. Portanto, a experiência de importar arquivos em DWG para o 3ds Max ainda é bem comum para mim, como o fato de organizar os objetos já em camadas pensando na divisão resultante no 3ds max.

Integrando o AutoCAD com o 3ds max para arquitetura

A Autodesk está com um projeto muito interessante para os usuários e artistas que ainda utilizam o processo de criação para arquitetura começando no AutoCAD e terminando no 3ds max. O nome do projeto é AutoCAD Quick Send to 3ds Max e a sua proposta é bem simples, consistindo em uma maneira rápida de enviar arquivos do AutoCAD para o 3ds max.

Os vídeoa abaixo mostram um pouco de como funciona essa tecnologia:

Você pode fazer o download gratuito dessa extensão para o AutoCAD de maneira gratuita no site do projeto, e a Autodesk garante o seu funcionamento até o dia 1 de Março de 2012. Portanto, corra e garanta a sua cópia!

Modelagem 3d para arquitetura

Uma dica interessante para quem ainda está começando seus projetos em softwares de CAD, é que hoje já existem inúmeras ferramentas de precisão para a modelagem poligonal em ferramentas como o 3ds max, Maya, Blender e outros. A vantagem em criar os modelos para arquitetura no próprio software em que você vai finalizar e renderizar a cena, até para ter facilidade na aplicação de materiais e texturas, e controle total sobre mapas UV e outros detalhes.

Tutorial SketchUp: Modelando uma janela

O uso de referências para criação é algo muito comum na maioria dos processo de produção que envolvem alguma coisa gráfica. Esse é o caso de projetos de ilustração vetorial que usam softwares como o Illustrator, permitindo que os artistas possam copiar formas base, ou mesmo decalcar uma ilustração desenhada em papel e digitalizada com scanner. Para modelagem 3d isso não é diferente, sendo inclusive em algumas situações muito complicado de criar alguma coisa em 3d, sem o uso de imagens com referências. Por exemplo, a criação de personagens é muito facilitada quando usamos imagens de referência para guiar a modelagem.

A modelagem para arquitetura não foge desse contexto, em que muitos usuários gostam de trabalhar na modelagem usando os desenhos técnicos como base para a criação. Em softwares como o SketchUp que trabalham muito bem com ferramentas de precisão e snap, sem a necessidade de muitas intervenções do usuário por meio de teclas de atalho, o uso de arquivos de CAD acelera muito a modelagem. Para demonstrar esse tipo de modelagem no SketchUp, encontrei um vídeo interessante que mostra o processo de modelagem de uma janela no SketchUp.

No turtorial podemos acompanhar o processo de modelagem de uma janela simples, que é acelerado devido ao uso de linhas de referência. Repare que no vídeo o artista usa muito as linhas da janela que já estão presentes na cena, facilitando e acelerando a modelagem. O processo de criação do SketchUp ajuda muito nesse tipo de procedimento de modelagem, mas a diferença mesmo são as linhas. Como a referência está na cena o processo consiste apenas no alinhamento dos objetos recém criados.

Para quem está começando a usar o SketchUp e não faz idéia de como criar esse tipo de objeto no software, o vídeo pode ajudar bastante.

O problema nesse caso é para os usuários que usam o SketchUp 8 gratuito que não podem mais importar arquivos DWG para essa versão do software. Se você quiser saber como importar arquivos DWG para o SketchUp 8, recomendo a leitura desse artigo. Assim você pode aproveitar o uso de referências para modelagem na última versão do SketchUp e acelerar o processo de produção dos seus modelos 3d para arquitetura.

Como importar arquivos DWG no SketchUp 8 gratuito?

O lançamento do SketchUp 8 trouxe muitas novidades para os usuários do SketchUp em termos de ferramentas, mas acabou com a possibilidade de importar arquivos DWG na versão gratuita da ferramenta. Essa é uma opção de fundamental importância para usuários que estão usando o SketchUp para desenvolver projetos em arquitetura, pois com base nos arquivos DWG, podemos importar os arquivos do projeto em CAD, e trabalhar já em escala na modelagem dos objetos dentro do SketchUp. Ainda na versão 7 do SketchUp esse recurso foi removido da opção gratuita, mas um plugin gratuito que adicionava novamente o recurso foi prontamente disponibilizado pela equipe do Google, mas não foi convertido para a versão 8.

Como resolver isso na versão 8? Na verdade, a versão 8 do SketchUp só tem o recurso para importar arquivos DWG na versão Pro que é paga. Mas, usando um pouco de criatividade podemos contornar esse tipo de contratempo.

Qual a solução? Manter uma instalação do SketchUp 7 junto com a versão 8. Para quem ainda não tentou realizar esse procedimento, a versão 7 do SketchUp ainda está disponível para download. Mesmo que o link aponte para a versão Pro, depois de 8 horas de uso a versão Pro será revertida no SketchUp 7 gratuito. Junto com o plugin que importa arquivos DWG, podemos usar a instalação do SketchUp 7 apenas para importar os arquivos DWG, salvar no formato SKP e depois abrir o arquivo no SketchUp 8.

Link para download alternativo: http://support.google.com/sketchup/bin/answer.py?hl=en&answer=60107

google sketchup power

Se você decidir instalar a versão 7 do SketchUp e já tiver instalada a versão 8, você pode enfrentar problemas no diretório do SketchUp, demandando a instalação da versão 8 novamente. Mas, depois que todo o procedimento for realizado, você terá duas versões distintas do SketchUp para usar e desenvolver os seus projetos.

Esses arquivos estão disponíveis para download hoje, mas nada garante que o Google não possa retirar os links das suas páginas a qualquer momento, portanto corra e garanta já a sua cópia!

Para quem está estudando o uso do SketchUp para aplicação em projetos arquitetônicos, recomendo a leitura da análise que publiquei essa semana do livro SketchUp Pro aplicado ao projeto arquitetônico.

Tutoriais de modelagem 3D para arquitetura usando Modo 3D

A modelagem 3d direcionada para projetos arquitetônicos apresenta algumas particularidades em relação ao que fazemos na modelagem orgânica, sendo que uma delas é a necessidade de usar de maneira freqüente as opções de snapping do software 3d usado para o projeto. Essas ferramentas de snapping são fundamentais para que o modelo 3d criado use o máximo possível em termos de precisão. As medidas não precisam ser necessariamente as mesmas, mas a proporção em que o modelo 3d é criado precisa seguir a mesma orientação. Um software que está ganhando muitos adeptos na área de modelagem para arquitetura é o Modo 3D, que recentemente foi atualizado para a versão 401.

O Modo 3D é muito conhecido entre artistas 3d mais experientes, pelas suas ferramentas de modelagem e funcionamento diferentes do que conhecemos na maioria dos softwares existentes hoje. Caso você queira aprender algumas técnicas de modelagem 3d para arquitetura usando o Modo 3D, um artista chamado Ernesto Pacheco disponibilizou três tutoriais em vídeo muito interessantes, mostrando partes fundamentais da modelagem para arquitetura.

O objetivo desses vídeos é divulgar um treinamento sobre o mesmo tema que o artista está organizando. Esse futuro treinamento será comercializado, mas os três vídeos indicados nesse artigo podem ser assistidos de maneira totalmente gratuita.

Para assistir aos tutoriais sobre Modelagem 3D para arquitetura, visite esse link.

tutorial-modelagem-3d-arquitetura-modo-3d.jpg

O primeiro vídeo aborda o uso do Modo 3D, com uma introdução a sua interface e o funcionamento do software como um todo. Esse vídeo é excelente para quem não tem nenhum conhecimento sobre o software e gostaria de aprender um pouco mais sobre ele. Já no segundo vídeo, podemos acompanhar o autor comentando sobre o uso de técnicas de modelagem 3d para arquitetura, com ênfase nas ferramentas de edge Modeling para deformar arestas e operações Booleanas.

No último vídeo é possível acompanhar as técnicas e ferramentas necessárias para organizar e manipular arquivos oriundos de projetos em CAD, mais precisamente arquivos no formato DWG. Cada software apresenta facilidades e dificuldades na manipulação desse tipo de arquivo. O autor do tutorial mostra o que é necessário para aproveitar e extrair informações de arquivos de CAD para usar em projetos de modelagem para arquitetura no Modo 3D.

O tempo médio de cada vídeo é de aproximadamente 20 minutos, o que resulta em mais de uma hora de treinamento em vídeo. Se você quiser aprender um pouco mais sobre modelagem 3d para arquitetura ou o Modo 3D, recomendo assistir aos vídeos. Mesmo que a sua ferramenta 3d seja outra, algumas das dicas e assuntos abordados se aplicam a todos os softwares 3D.

Suporte a arquivos DWG no Blender 3D?

Uma das coisas que os artistas 3d interessados em trabalhar com o Blender 3D para visualização de projetos arquitetônicos mais sente falta, é a impossibilidade de importar diretamente arquivos no formato DWG para o Blender. Para fazer essa integração é necessário usar um formato intermediário de arquivo, caso o seu software de modelagem e CAD salve arquivos apenas em DWG. Na verdade, esse é um requisito para os artistas que usam o AutoCAD para trabalhar e organizar seus projetos. Mas, isso não se resume as pessoas que trabalham com o AutoCAD apenas, mesmo que você decida prestar serviços profissionais de visualização de projetos, pode apostar que em 90% das ocasiões os seus clientes devem enviar os arquivos do projeto no formato DWG.

A solução até pouco tempo atrás era manter instalado no computador algum software que conseguisse transformar os arquivos do formato DWG para DXF, como o DoubleCAD XT ou outros. Outra opção era ligar para o cliente e solicitar o envio dos arquivos no formato DXF, o que nem sempre era uma tarefa fácil. Você tinha que explicar a necessidade de usar um formato diferente de arquivo e mais. Se o cliente for antigo tudo bem, mas os novos acabam estranhando. Na maioria dos casos, as pessoas não sabem a diferença entre um DWG e DXF.

Bem, esse tipo de problema pode estar com os dias contados, pois um desenvolvedor conseguiu elaborar um conjunto de módulos aliados a um software que consegue ler os arquivos DWG, para importar o material diretamente para o Blender 3D. Você pode encontrar os softwares, assim como as orientações de como é possível instalar o aparato de ferramentas necessárias para que o Blender importe arquivos DWG, nesse link.

blender3d-dwg.jpg

O procedimento e softwares necessários para instalar o módulo de suporte ao formato DWG são um pouco trabalhosos para quem não está acostumado com esse tipo de ferramenta, mas acredite em mim quando digo que vale a pena. O próprio autor da ferramenta comenda no seu blog, que o seu objetivo primirdial é uma biblioteca em Python, direcionada basicamente para desenvolvedores. Só por adiantar o trabalho de ter que usar um software intermediário para converter arquivos, acelera em muito o trabalho de modelagem e gerenciamento do projeto como um todo.

A ferramenta que importa os arquivos DWG para o Blender usa como base as mesmas capacidades dos scripts que importam arquivos DXF, usando uma biblioteca em Python. O script ainda está sendo desenvolvido, mas já está operacional.

Se você está acostumado a trabalhar com softwares intermediários, como o DoubleCAD mesmo, ainda existem vantagens em não fazer a importação direta. Esse mesmo projeto que use como exemplo, veio cheio de elementos próprios de desenho técnico, como linhas de cota e outros. Ao importar tudo direto para o Blender, o arquivo ficou um pouco pesado. Se ele fosse aberto em um software de CAD antes, seria possível limpar o desenho e deixar apenas os elementos necessários para o trabalho de modelagem.

Mesmo assim, esse é um recurso muito bem-vindo e esperado no Blender.