Compartilhe o artigo!

Entre as diversas perguntas que recebo aqui no blog e também dos meus alunos quando o assunto é hardware para computação gráfica, é sobre recomendações para placas de vídeo. Um dos temas que gera muita controvérsia é a escolha de placas ditas “profissionais” em comparação com modelos voltados para o público de jogos.

A pergunta mais comum está relacionada sobre o uso de placas Quadro em comparação com as GeForces. Elas não seriam melhores para fins profissionais? Já vou começar respondendo que não.

Qual o motivo? Simples, as aplicações das placas Quadro são bem específicas. Essas placas são vendidas pela Nvidia como soluções para pessoas procurando performance profissional em softwares profissionais. A performance das placas acaba vindo de fatores como:

  • Drivers otimizados pelos desenvolvedores para esse equipamento
  • Melhor qualidade dos materiais usados na produção da placa
  • Hardware próprio para acelerar tarefas com grande demanda de processamento

Isso não justifica a o uso desses equipamentos? Claro que sim! Mas, o ganho de performance não justifica a diferença de custo entre as placas Quadro e GeForce.

Sempre que pergunto para artistas digitais, qual é o seu objetivo quando adquire um equipamento novo para trabalhar? A grande maioria deseja reduzir o tempo de renderização. As placas Quadro na sua maioria possuem mais memória que as GeForce, mas acabam tendo bem menos núcleos CUDA. O resultado é que no render acelerado por GPU as GeForces são muito mais rápidas.

Quando as Quadros fazem a diferença? Apenas nos casos em que a memória for o fator determinante e os drives próprios para a sua aplicação fornecerem melhor estabilidade. Com mais memória você poderá renderizar cenas maiores.

Um dos pontos em que o uso de placas Quadro com drivers otimizados ajuda no trabalho 3d é na taxa de atualização da viewport. Por exemplo, imagine que você está criando o modelo 3d de um estádio de futebol completo ou aeroporto. Isso vai demandar a visualização de milhões de polígonos ao mesmo tempo na tela. Com o uso de drivers otimizados para o software de modelagem, você terá performance melhor na visualização e exibição das informações.

Quer fazer uma comparação rápida? Podemos pegar a Quadro P6000 e a GeForce GTX 1080Ti que são algumas das melhores placas de cada segmento hoje em dia:

  • Memória: 24GB (Quadro) e 11GB (GeForce)
  • CUDA Cores: 3.840 (Quadro) e 3.584 (GeForce)
  • Preço: US$ 5.000,00 (Quadro) e US$ 850,00 (GeForce)

Claro que você precisa usar outros parâmetros para fazer a comparação exata, mas os números devem ajudar você a entender o motivo que faz diversos artistas 3d se arrependerem e muito ao migrar para placas Quadro.

Na velocidade de render, a Quadro terá performance igual ou até pior do que as GeForces.

É pela soma do elevado custo e performance no render equivalente ou pior que acredito não valer a pena investir nessas placas. O custo dessas placas não justifica o investimento para ganhar um pouco na viewport, e sacrificar ao mesmo tempo a renderização e a sua conta bancária.

Quer melhor retorno para seu investimento? Escolha uma das placas GeForce.

Renderizando por GPU

Quer aprender a renderizar projetos com o uso de GPU? No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos relacionados com renderização com o Blender Cycles que fazem uso de GPU: