AutoCAD 2010 em português

Uma boa parcela dos artistas 3d iniciantes procura por softwares e ferramentas traduzidas para o português, com a impressão de que o aprendizado ficará mais fácil. É inegável que o impacto de uma interface totalmente traduzida para o português é muito menor que outra em inglês. Isso acontece com muita frequência em ferramentas como o AutoCAD, que é um dos poucos softwares da Autodesk que apresenta opções de tradução para a língua portuguesa. Mas, antes de começar a investir em softwares traduzidos, você deve fazer uma pesquisa sobre o contexto em que essa ferramenta é usada. Assim como o uso do software com interface traduzida pode ser vantajoso no aprendizado, isso pode ser tudo jogado fora se ao procurar emprego em escritórios, você encontrar apenas versões em inglês.

Já vi isso acontecer, com uma faculdade que montou laboratórios usando apenas softwares em português. Os alunos acharam ótimo, mas ao chegar no mercado de trabalho a maioria só encontrava versões da ferramenta em inglês. Por isso isso, sempre recomendo cautela aos meus alunos no momento de escolher versões em português de softwares como o AutoCAD.

Caso você ainda queira alterar o idioma do seu software, as versões mais atuais do AutoCAD permitem que essa troca seja feita usando pacotes de idiomas disponíveis no web site da Autodesk. Até o AutoCAD 2009, você precisava adquirir o software já compilado para a linguagem escolhida. Por exemplo, ao comprar o AutoCAD 2009 em português, você ficava com aquela versão e não havia opção para alterar o idioma. No AutoCAD 2010 e em várias outras ferramentas da família 2010, agora é possível usar esses pacotes de idiomas. O vídeo abaixo foi publicado pela Autodesk e explica os procedimentos para instalar o pacote de idiomas:

Para ter acesso aos pacotes de idiomas é necessário estar inscrito no serviço de assinaturas da Autodesk.

Passar o AutoCAD 2010 para português pode ser muito tentador para muitas pessoas, mas eu recomendo que você continue usando e estude a versão em inglês mesmo. Até hoje só encontrei três escritórios que tinham o AutoCAD em português instalado. Como até mesmo os comandos mudam de nome, você fica um pouco perdido ao tentar desenhar e modificar desenhos técnicos.

AutoCAD 2010: Como criar blocos para uso em desenho técnico?

Assim como acontece com a maioria dos softwares 3d, o AutoCAD pode usar vários desenhos e elementos prontos para acelerar o processo de criação de uma prancha técnica. Essas entidades de desenho que usamos para acelerar o design dos projetos são chamadas de bloco, que identifica tanto os desenhos 2d como os 3d até mesmo em ferramentas como o 3ds Max e Blender 3D. Nos softwares 3d não é necessário nenhum tipo de preparação especial para criar esse tipo de bloco, basta salvar o arquivo apenas com o objeto desejado que ele automaticamente já possa ser incorparado em qualquer biblioteca de modelos 3d.

No AutoCAD e na maioria dos softwares de CAD o processo é bem diferente, e precisamos necessariamente converter um elemento desenhado no projeto, para que seja possível aproveitar o mesmo objeto em outros projetos. Para isso existe um comando especial associado a uma ferramenta chamado de Block. Se você, assim como eu, tem interesse em softwares de CAD para usar como possível base de projetos para modelagem, é interessante manter uma boa base de conhecimento, principalmente sobre os blocos.

Como a maioria dos projetos que recebemos para usar de referência na modelagem 3d é composta por grande quantidade de blocos, o conhecimento de como esse tipo de elemento funciona é fundamental. No tutorial abaixo é possível acompanhar a criação de um bloco no AutoCAD 2010, que é relativamente simples em termos de funcionamento, mas requer um pouco de atenção.

Repare no vídeo que o autor precisa preencher diversas opções para conseguir criar um bloco no AutoCAD 2010. Entre as opções que precisam ser preenchidas estão:

  • Nome: Esse é um nome único para o bloco que vai identificar o objeto
  • Ponto de inserção: Todos os blocos precisam ter um ponto de inserção definido, para ser usado junto com comandos de modificação ou mesmo quando
  • Escala: Como o AutoCAD trabalha com base em escalas, é interessante escolher uma escala que represente bem o objeto desenhado. Por exemplo, para elementos que fazem parte de projetos para arquitetura a escala usada geralmente é Meters.
  • Objetos: Aqui é necessário escolher os objetos que devem fazer parte do bloco.

Com esses passos concluídos é possível adicionar novas entidades do bloco no projeto.

Qual a vantagem em usar blocos?

Existem várias vantagens em usar blocos nos projetos desenvolvidos no AutoCAD. Por exemplo, existem comandos como o Divide e Measure que podem distribuir blocos sobre linhas usando espaçamentos definidos. Também é possível controlar as alterações realizadas nos blocos, que são reproduzidas em todas as suas cópias como se fossem instâncias em softwares 3d.

AutoCAD 2010: Dicas para hachurias, cálculo de área e distâncias

No que se refere aos projetos envolvendo desenho técnico, um dos mais difíceis de trabalhar, mesmo em ambientes de desenho 2D são os projetos com paredes curvas. Desde a época da faculdade já sentia na pele as complicações para manipular áreas e outros elementos de desenho, como o arremate de paredes e esquadrias nas paredes. Quando a planta é elíptica o problema é potencializado, pois comandos como o Array que distribuiriam os objetos em volta de pontos, ajudam em plantas circulares, mas elipses não. No AutoCAD 2010, as ferramentas de gerenciamento de distâncias e áreas foram significativamente melhoradas e ajudam nesse tipo de projeto.

No vídeo abaixo podemos conferir a demonstração dessa ferramenta, aplicado em um projeto com paredes circulares e com diversos elementos distribuídos ao longo das paredes, como pequenas salas e cômodos.

Na primeira parte do vídeo, podemos acompanhar a demonstração de outro recurso que também foi melhorado, o gerenciamento de hachurias. Se você for usuário do AutoCAD há algum tempo, muito provavelmente já deve ter passado apuros com o uso e gerenciamento de áreas que precisavam de hachurias. Nessa nova versão do AutoCAD, agora podemos inclusive redimensionar a área das hachurias sem a necessidade de alterar a aplicação original.

No cálculo da área, agora existe um feedback visual para que você saiba a dimensão e abrangência da área que está sendo calculada. Antes era necessário prestar bem atenção para não perder a seqüência visual dos pontos, caso algum ficasse de fora era necessário fazer tudo novamente. Para cada opção do comando que calcula áreas, agora podemos visualizar marcações com cores diferentes, para acompanhar blocos adicionados ou subtraídos do cálculo.

Outro ponto demonstrado no tutorial é o uso da ferramenta para medir distâncias, uma evolução do comando DIST. Agora ele apresenta também feedback visual mais aprimorado, com a opção de Se você já fez o download do AutoCAD 2010, recomendo assistir ao vídeo para se inteirar das novidades e novas ferramentas dessa versão.

Para os que ainda não passaram pela experiência de trabalhar com projetos apresentado paredes curvas ou circulares, não se preocupe, pois mais cedo ou mais tarde você receberá uma planta ou projeto de cenário com esse tipo de geometria. Até nos softwares 3d mais poderosos e flexíveis em termos de modelagem 3d, esse tipo de representação é bem trabalhosa de reproduzir.

AutoCAD 2010: Usando a nova ferramenta de desenho por constraints

Uma das coisas mais fascinantes que encontramos na computação gráfica é que existem diferentes métodos e seqüência, para realizar a mesma tarefa. Dependendo do que você queira fazer em termos de desenho 2d ou modelagem, cada pessoa consegue o mesmo resultado visual perfazendo caminhos ligeiramente diferentes. Esse tipo de comparação pode ser acompanhada nesse artigo que propõe uma análise das novas ferramentas do AutoCAD 2010, para ser mais específico os constraints de desenho 2d. Esses constraints funcionam de maneira muito parecida com os constraints usados para animação 3d, em que podemos determinar que uma entidade de desenho assuma alguns comportamentos ou limites de transformação.

Por exemplo, podemos determinar que uma polyline sempre copie as alterações de escala sofridas por outra polyline semelhante a ela. Assim, quando parte do desenho for modificada, as outras partes que estão conectadas pelos constraints são alteradas junto.

Qual o benefício em usar esse tipo de ferramenta? É exatamente essa a pergunta que a autora do artigo indicado tenta responder. Ela lançou um desafio no seu web site, em que a mesma tarefa de edição deveria ser realizada em diferentes versões do AutoCAD sem o uso dos novos constraints. O resultado, que está disponível em vídeo no web site da autora foi que a ferramenta do AutoCAD 2010 economiza quantidade significativa de cliques.

autodesk-autocad-2010-constraints

As soluções apresentadas tiveram variação significativa de 18 cliques até 36 na mais complicada. No AutoCAD 2010 a mesma edição necessitou de 15 cliques incluindo a configuração dos constraints, e depois que a ferramenta está configurada e as entidades de desenho conectadas, bastam apenas 3 cliques para realizar a operação.

Para os profissionais que trabalham com edição repetitiva de entidades de desenho técnico, esse tipo de ferramenta pode economizar muito tempo de edição. Quem já usa ferramentas de modelagem paramétrica ou com tecnologia BIM, não vai sentir tanta necessidade de migrar. Mas ainda é fácil encontrar empresas e profissionais com versões mais antigas do AutoCAD, sem esse tipo de facilidade. Eles são alvo do marketing da Autodesk para o AutoCAD 2010.

O problema é convencer esse pessoal a fazer a migração para as ferramentas da Autodesk, com opções tão acessíveis e gratuitas como o DoubleCAD XT.