NVIDIA anuncia GeForce GTX Titan Z

O mercado de placas de vídeo para computação gráfica, jogos e aplicações de alto consumo de GPU receberá uma adição de peso nas próximas semanas graças a um anúncio da NVIDIA. O novo integrante da família de aceleradores gráficos da empresa se chamada GeForce GTX Titan Z e segundo as informações divulgadas até agora a placa será um monstro em todos os sentidos! A primeira coisa que já chama a atenção em relação ao equipamento é o seu custo estimado, que deve ficar em torno de três mil dólares para o mercado americano. Se um dia essa placa for comercializada no Brasil deve equivaler ao preço de um carro popular. No que diz respeito as especificações técnicas os números também impressionam.

A primeira coisa que devemos levar em consideração é a quantidade de núcleos CUDA da placa que é de 5.760! Isso só é possível graças a existência de dois chips GK110 que oferecem 12GB de memória. Com a maioria das placas de vídeo disponíveis no mercado beirando a marca dos 1000 núcleos CUDA, uma única placa GeForce GTX Titan Z deve fazer muita diferença no momento em que precisarmos renderizar cenas complexas.

Os jogadores ávidos por atualizações e novos equipamentos para deixar a experiência e gráficos em PC's são uma das bases desse tipo de equipamento, mas os artistas 3d e profissionais que utilizam softwares capazes de aproveitar todos esses núcleos para renderização devem encontrar muitas vantagens em usar esse tipo de equipamento. Entre os softwares que podem aproveitar os recursos da GeForce GTX Titan Z estão:

  • Blender Cycles
  • V-Ray RT
  • iray
  • Octane Render
  • Arion
  • Indigo Render

Todos esses renderizadores conseguem acelerar o render de imagens e animações com base em placas gráficas com a tecnologia CUDA. Se você ainda não tem uma placa assim, recomendo procurar orçar um upgrade para turbinar o seu equipamento. A minha recomendação nesse tipo de situação é dar preferência para placas da NVIDIA, pois o suporte para tecnologia CUDA é mais difundido nesses softwares.

Só fico imaginando que essa placa deve precisar de uma pequena usina de força para suprir as suas necessidades relacionadas com energia! Uma fonte simples não deve ser capaz de aguentar a demanda.

Renderizando imagens usando a GPU? Como começar?

O hardware necessário para trabalhar com computação gráfica sempre foi notório por demandar quantidades razoáveis de memória e poder de processamento, fazendo com que artistas 3d e estudantes procurassem em lojas especializadas por equipamentos de última geração e consequentemente muito mais caros. Com o passar dos anos as exigências de hardware aumentaram, mas o ponto de equilíbrio desse equipamento também foi alterado. Uma das partes que não fazia tanta diferença assim no momento da chamada renderização, alguns anos atrás, hoje pode realmente cortar os tempos de render para períodos extremamente curtos! Estou me referindo a placa de vídeo (GPU).

Com o advento dos renderizadores que conseguem aproveitar o poder das modernas GPUs, é possível jogar toda a carga de render de um projeto para a placa de vídeo e distribuir tarefas que antes eram manipuladas apenas por dois, quatro ou quem sabe oito núcleos do processador (CPU) para até mil núcleos! Sim, você não leu o texto errado. Algumas GPUs existentes hoje em dia oferecem até mil núcleos para distribuir processamento e ligar com renderização de imagens e outros processos.

Exemplos de placas gráficas para alta performance

Um exemplo disso é a GeForce GTX Titan Black com seus insanos 2880 núcleos. A placa de vídeo é voltada para o mercado de jogos com alta performance, mas graças a uma tecnologia chamada CUDA da NVIDIA é possível aproveitar esses núcleos para gerar imagens em softwares de renderização.

É evidente que existem outras opções mais humildes em termos de processamento e quantidade de núcleos, mas independente da opção escolhida é praticamente certo que a sua placa terá muitos núcleos a mais do que qualquer processador acessível para computadores pessoais.

Além da quantidade de núcleos existentes na placa de vídeo, é preciso tomar cuidado também com a memória existente nessas placas. Caso a placa possuam pouca memória, você ficará limitado a manipular apenas aquela quantidade de dados no momento da renderização. Por exemplo, uma placa que possua apenas 1GB de memória, só terá capacidade para manipular e carregar texturas e outras informações até essa capacidade. Quando passa dessa capacidade, o software simplesmente não consegue aproveitar o poder oferecido pela placa de vídeo para gerar o render.

Como começar a renderizar na GPU?

Nesse ponto você já deve ter ficado interessado em começar a renderizar seus projetos usando uma GPU. Mas, como começar? O primeiro passo é um pouco deprimente, pois envolve adquirir uma dessas placas. A minha recomendação nesse caso, para fins profissionais, é preferir um modelo da NVIDIA. As placas da ATi/AMD da série Radeon são excelentes para jogos, mas não oferecem muito suporte para render em softwares gráficos. Caso alguém conheça softwares que usem esse equipamento, indique nos comentários pois não conheço nenhum.

Antes de adquirir a placa de vídeo para renderizar, recomendo consultar a documentação do software que você deseja usar para renderizar seus projetos. Será que ele suporta aceleração por GPU? A maioria já oferece algum tipo de suporte como o iray no 3dsmax e o Cycles no Blender. Ainda existe outros renderizadores externos dedicados como o V-Ray RT, Octane Render e Arion.

Para escolher o modelo da placa, e para isso você deve levar em consideração as especificações técnicas somadas ao investimento necessário para adquirir a placa. Algumas vezes fica mais barato comprar duas placas mais simples, e usar recursos como o SLi da NVIDIA para usar as duas placas no mesmo computador e compartilhar os núcleos e a memória.

Benefícios de usar GPU?

O principal benefício de usar renderização por GPU é a redução significativa do tempo necessário para gerar imagens e animações. Quem já teve a felicidade oportunidade de usar esse tipo de recurso, percebeu que a visualização e manipulação da cenas pode ser realizada em tempo real! Esse é o motivo pelo qual algumas versões de renderizadores que usam a GPU para gerar imagens adotam o sufixo RT para Real Time.

Usando render por GPU

Tem uma placa de vídeo da família GeForce GTX? Quer começar a renderizar seus projetos agora mesmo? Basta fazer o download dos drivers apropriados no web site da NVIDIA e usar o Blender Cycles, que é capaz de utilizar os núcleos dessas placas de vídeo para gerar imagens e animações. Se quiser uma ajuda para começar a usar o Blender Cycles, no EAD – Allan Brito você encontra dois cursos específicos sobre renderização com o Blender Cycles:

Ao fazer a inscrição nos dois cursos ao mesmo tempo na página dos combos, você ainda consegue um desconto em ambos os cursos.

Videocast – 08 – Polêmica no oscar – GeForce Titan – 3dsmax 2014

O Videolog está retornando muito mais cedo do que o esperado, e assim como ja havia prometido anteriormente estou tentando manter a regularidade nas publicações, e esse episódio chega com pouco mais de uma semana de diferença em relação ao número 7! E para começar já aviso que o nome vai mudar, pois sempre que tento explicar para alguém que iniciei um videolog no blog, as pessoas simplesmente não conseguem entender, mas o termo videocast é muito mais familiar. Por esse motivo, estou “rebatizando” o projeto como videocast mesmo, e assim será a nomenclatura dos vídeos desse ponto em diante.

Quais os assuntos são abordados nesse episódio? Ainda não foi dessa vez que falarei dos recursos e novidades do Blender 2.66. Entre os assuntos e destaques do episódio 08, podemos destacar:

  • Polêmica no Oscar
  • Protestos dos artistas de VFX
  • Lançamento da GeForce Titan
  • Novidades do 3dsmax 2014

Por mais incrível que pareça, o episódio não apresenta nenhum assunto diretamente relacionado com o Blender. Estou tentando levar em consideração as dicas e recomendações que recebo no meu canal do Youtube, e também aqui no blog para variar um pouco o assunto.

Esse é o videocast 08:

Gostou do episódio? O que acha de avaliar o vídeo, e caso ainda não seja assinante do meu canal no Youtube, basta clicar aqui para assinar e receber sempre as últimas atualizações do canal.

Os assuntos do videocast são relacionados primeiro com a grande polêmica gerada pelos acontecimentos do oscar. Caso você não esteja sabendo, as empresas que trabalham com a produção de efeitos visuais para o cinema estão passando por uma grave crise. E apesar de ter recebido o oscar de efeitos visuais pelas aventuras de Pi, o estúdio responsável pediu falência e deixou muitos empregados desempregados.

Isso está gerando uma onda de protestos entre artistas 3d e profissionais ligados a parte de produção artística digital.

Depois disso temos o lançamento da GeForce Titan que pelo nome parece ser uma opção interessante para profissionais de computação gráfica. Será? Descubra assistindo ao vídeo e para encerrar o episódio, uma olhada nas novidades do 3dsmax 2014.

Perceberam que agora temos uma trilha sonora para o videocast? O que acharam dessa novidade?