Tutorial Cinema 4D: Ajustando o ISO de câmeras para render

A iluminação de cenários e ambientes ainda é um dos temas que mais geram dúvidas em artistas 3d iniciantes, principalmente se o ambiente envolver a mistura de elementos com luz natural e artificial. Os renderizadores modernos com algoritmos sofisticados de iluminação global acabam ajudando bastante o processo, mas ainda é comum encontrar pessoas que não sabem bem o que fazer para iluminar ambientes de maneira correta ou mesmo fazer pequenos ajustes em cenários já prontos. Isso é reflexo da falta de experiência e conhecimento sobre assuntos que ajudam muito no trabalho com computação gráfica 3d.

Entre esses assuntos está o conhecimento sobre fotografia que é primordial para usar renderizadores modernos, principalmente os que são baseados em física. Sempre que me perguntam sobre cursos ou conhecimentos importantes para artistas 3d, o primeiro que recomendo é relacionado a fotografia. Como os renderizadores baseados em física utilizam parâmetros e valores reais nos ajustes das suas câmeras, os artistas acabam tendo que lidar com propriedades como:

  • ISO
  • Shutter
  • Exposure
  • Film Type

Essas são apenas algumas dessas propriedades presentes na maioria das câmeras. Com o conhecimento sobre o funcionamento desse parâmetros, um artista poderia realizar modificações na iluminação de uma cena, sem modificar nenhum parâmetro relacionado diretamente com luzes da cena.

Modificando o ISO das câmeras no Cinema 4D

O vídeo abaixo mostra o resultado dos ajustes e modificações realizados no parâmetro ISO das câmeras físicas do Cinema 4D. Com esse parâmetro ISO podemos deixar o filme a câmera mais sensível a luz. Valores altos de ISO permitem trabalhar com baixa luminosidade, pois registram variações pequenas e fracas de iluminação. Já para ambientes em que existe luz em abundância, o ideal é usar valores baixos de ISO como 100, 200 ou 400.

Esse é um exemplo bem interessante e prático de como podemos fazer ajustes e modificações em uma determinada cena, sem precisar necessariamente modificar a intensidade das luzes ou mesmo adicionar novas fontes de luz na cena. Para quem não conhecia o procedimento, a mudança de comportamento é muito interessante, pois a maioria dos artistas que não conhece essa possibilidade só trabalha pensando em adicionar ou remover pontos de luz, ou no máximo mudar a intensidade das luzes existentes.

A fotografia pode ajudar muito na configuração da iluminação de cenas em 3d!

Configurando parâmetros de câmeras para renderização em 3D

Uma das coisas que sempre comento com meus alunos é que o assunto fotografia, está diretamente relacionado com a produção de material em 3d, seja com imagens estáticas ou animação. O conhecimento de aspectos técnicos de fotografia está sempre bem evidente nas configurações das câmeras, principalmente nos renderizadores do tipo Unbiased, como o Maxwell Render, LuxRender e Indigo. Caso você esteja planejando começar a trabalhar com modelagem 3d e produção de comerciais, seria de grande ajudar estudar um pouco mais sobre fotografia antes de começar. Isso ajudará muito na criação de imagens realistas, principalmente quando o assunto é iluminação.

Caso você queira conferir um excelente guia sobre configuração de câmeras em 3d, existe um excelente artigo em inglês descrevendo o que faz cada um dos parâmetros. O autor do artigo escreveu tudo com o foco direcionado para o 3ds Max, mas é possível adaptar as explicações para qualquer software, pois os parâmetros são os mesmos.

ISO 400

Quer ver um exemplo de como isso pode ajudar?

Imagine que você está criando uma cena iluminada por diversos pontos de luz, para conseguir gerar iluminação uniforme. Ao rederizar a cena, você percebe que o ambiente está muito escuro e precisa de ajustes na iluminação. O que você faz? Ajusta as luzes ou a câmera?

A maioria das pessoas acaba editando as luzes, mas com um pequeno ajuste na câmera é possível melhorar a iluminação. Ao ajustar valores como ISO, F-Stop ou Shutter speed é possível determinar se mais luz será captada pela câmera. Por exemplo, ao editar a exposição da câmera para valores que deixem a imagem mais tempo exposta a cena, teremos inevitavelmente um render mais “iluminado”.

Mesmo que você não entenda a descrição feita pelo autor em inglês, veja as imagens comparativas dos diferentes parâmetros de render, com os valores das propriedades das câmeras devidamente alterados. Só isso já será de grande ajuda. Portanto, reforço a minha dica para que você procure estudar um pouco mais sobre fotografia e truques usados por fotógrafos para melhorar as suas imagens, pois é exatamente a mesma coisa nos ambientes criados por softwares como o Blender 3D, 3ds Max, Cinema 4D e outros.

Como funcionam as câmeras virtuais em ferramentas 3d?

O advento de ferramentas e renderizadores cada vez mais poderosos, muitos softwares oferecem opções para ajustar às câmeras virtuais com parâmetros parecidos ou idênticos as reais. Quem já trabalha com fotografia tem clara vantagem no entendimento desse tipo de configuração. Por exemplo, o Henrique Zorzan que anda meio sumido aqui do Blog é fotografo lá em Portugal, e usuário do Blender 3D, ele deve saber de cor o significado de configurações como ISO e Shutter speed da câmera. Muitas ferramentas como o V-Ray e Indigo oferecem a possibilidade de ajustar esses parâmetros para deixar a imagem gerada na ferramenta 3d ainda mais realista.

Se você não conhece o significado e função desse tipo de opção para a câmera, encontrei algumas exemplos da câmera real (VRay Physical Camera) do V-Ray que explica em detalhes o significado de cada uma dessas configurações.

Agora, melhor que falar ou escrever é mostrar alguns exemplos. Esse é o ponto positivo do manual, mesmo que você não passe por nenhuma linha do texto, ele é ilustrado de maneira rica com imagens e renderizações com as mais diferentes configurações de câmera.

O artigo mostra no total dez exemplos de configurações presentes em algumas câmeras virtuais:

  1. Controle de exposição – f-number
  2. Controle de exposição – Shutter speed
  3. Controle de exposição – ISO
  4. Fator de Zoom
  5. Correção de Câmera
  6. Distorção
  7. Vignette
  8. Balanço de branco
  9. Profundidade de foco
  10. Motion Blur

Alguns desses parâmetros não estão disponíveis em todos os softwares, mas é importante conhecer todos eles, pois mais cedo ou mais tarde esses recursos acabam sendo adicionados.

Isso só reforça o que digo sobre a integração entre a fotografia e o trabalho com computação gráfica 3d, nesse caso é necessário conhecer esses parâmetros para criar de maneira eficiente cenas realistas.

Repare que a configuração correta do ISO assim como o Vignette associado à correção vertical da câmera pode fazer a diferença na criação de uma imagem realista. A correção vertical da câmera é muito importante para evitar o terrível efeito da perspectiva na imagem, quando o ângulo de visão da câmera está muito aberto. Essa ferramenta é fundamental para ambientes muito fechados, em que a manipulação do ângulo de abertura da câmera ajuda a visualizar o espaço como um todo.