Demonstração do iray: Mental Ray para render em tempo real

O uso de softwares e ferramentas destinadas a fazer renderização em tempo real está cada vez mais comum em projetos que envolvem a visualização em tempo real. Já existem soluções baseadas tanto no uso de CPU como o V-Ray RT que funciona dentro do 3ds Max, assim como processos baseados em GPU como o FryRender RT. Existem diferentes métodos de tratar os renderizadores em tempo real, como é o caso do FryRender RT que precisa pré-computar a visualização da iluminação para permitir interação entre os objetos. Um desses renderizadores que foi apresentado na última Siggraph é o iray, software desenvolvido pela mesma empresa que elaborou o Mental Ray.

Na Siggraph 2009 o software foi apresentado apenas na área da feira, sem divulgação de vídeos ou mais material na internet. Essa semana, o pessoal da Mental Images divulgou um vídeo de demonstração em que apresenta um pouco mais do iray com cenas de arquitetura e design voltado para produtos.

render-tempo-real-mental-ray-iray-demo.jpg

Em termos de qualidade e recursos, o iray é semelhante ao V-Ray RT em que a maior carga do processamento é baseada em CPU, mas de acordo com a apresentação é possível usar a GPU para melhorar um pouco o desempenho da simulação. Como não é necessário fazer nenhum tipo de processamento prévio como no FryRender RT a alteração e velocidade da interação dependem unicamente da qualidade do hardware. Por outro lado, basta assistir ao vídeo para comprovar que existe um pequeno atraso na atualização das telas e movimento da câmera.

Uma ferramenta muito interessante do iray é um pincel interativo que faz o acabamento de partes da visualização, permitindo que o artista faça a visualização com mais detalhes de partes do projeto. Isso pode ajudar muito em apresentações de projetos, para esclarecer eventuais dúvidas das pessoas que acompanham a visualização.

Se você ainda não conferiu nenhum dos vídeo ou demonstrações do V-Ray RT, existem alguns vídeo muito interessantes sobre o renderizador, disponíveis no recém inaugurado canal da Chaos Group no Youtube, com demos do V-Ray RT. Com o avanço dos processadores em velocidade e quantidade de núcleos, cada vez mais usaremos esse tipo de tecnologia para quem sabe projetar diretamente em ambientes já renderizados.

Renderização em tempo real com Brazil Interactive e Mental Ray (IRay)

Esse foi realmente o ano em que mais tecnologias inovadoras de renderização foram apresentadas na Siggraph, sendo que o foco foi bem direcionado para a utilização da GPU em aplicações renderizando em tempo real. Essa semana já publiquei aqui no blog um artigo indicando a demonstração em vídeo do V-Ray RT que aproveita imagens e texturas criadas no 3ds Max, para interagir com um módulo de render em tempo real. Na Siggraph ainda foram apresentadas as soluções de render criadas pela Caustics para o Brazil R/S e a Mental Imagens demonstrou o misterioso IRay. Esse último é misterioso pois um demo dele foi apresentado no stand da Mental Images, mas por mais incrível que pareça ninguém gravou vídeos ou tirou fotos da demonstração.

Por enquanto, a única coisa que temos para nos basear é o depoimento dos visitantes da feira que são animadores. Um ponto positivo em relação ao IRay é que o software se propõe a acabar com um rótulo do Mental Ray de ser muito complicado. Muitos artistas 3d não gostam de trabalhar com o Mental Ray devido a sua grande quantidade de parâmetros e opções de configuração, que em minha opinião é algo extremamente positivo. No IRay será necessário apenas posicionar as luzes e deixar que o software faça o resto, sem a necessidade de configurar muita coisa. Assim que aparecer alguma imagem ou vídeo de demonstração, publico aqui no blog.

Se você quiser assistir a um vídeo com a demonstração de uma nova tecnologia associada ao hardware de uma empresa chamada Caustic, responsável agora pelo Brazil R/S, é possível conferir o Brazil Interactive Render nesse vídeo hospedado pela Autodesk, renderizando em tempo real no 3ds Max 2010.

3ds-max-2010-interactive-render.jpg

A tecnologia usada é bem parecida com o V-Ray RT, mas não é preciso pré-computar absolutamente nada no Brazil para que a interação seja executada no render. A velocidade com que os elementos são atualizados na tela é impressionante e o ponto positivo em relação ao V-Ray RT é que os objetos são deslocados na cena, assim como os pontos de luz.

O vídeo mostra dois exemplos de renderização, sendo um deles a criação e atualização de geometria básica no 3ds Max e outro exemplo bem mais pesado, composto por um projeto de visualização urbanística. Esse vídeo mostra características avançadas do render, como o uso de mapas HDRI para iluminação.

Não duvide que em pouco tempo estaremos modelando os objetos 3d diretamente nesse tipo de visualização.

Modelando em 3D na Viewport do 3ds Max 2010: Metasl shaders

A cada dia aparecem mais exemplos de softwares 3d que usam o poder das GPUs atuais para facilitar o trabalho de modelagem e manipulação de objetos em 3D. A Autodesk disponibilizou mais um vídeo de demonstração sobre o 3ds Max 2010 que mostra exatamente isso, o software usando o poder de uma placa de vídeo para auxiliar na visualização. Para quem não está acostumado com o uso de placas de vídeo potentes na visualização em 3d deve ficar impressionado com a demonstração. O vídeo demonstra o uso de Metasl diretamente na viewport do 3ds Max, como forma de mostrar a integração do software com essa poderosa tecnologia de representação de shaders.

O Metalsl faz parte do Mental Mill, que foi desenvolvido pela Mental Images para aproveitar o poder e recursos avançados das GPUs modernas. Nesse caso a Autodesk incorporou o recurso ao 3ds Max 2010 para possibilitar esse tipo de visualização na Viewport:

3ds-max-2010-metalsl-viewport.jpg

Sim, essa imagem que você está vendo é o modelo 3d em Shade mode na Viewport do 3ds Max, Isso é possível graças ao uso de uma placa de vídeo como a EVGA GeForce 9800 GTX usada na demosntração. O mais interessante é que no vídeo publicado pela Autodesk, um artista 3d usa as ferramentas de modelagem do software para deformar e moldar a forma dos objetos, com a resposta em tempo real na Viewport.

Agora, não sei se foi apenas aqui no meu vídeo, mas na reprodução de animação o sistema pareceu um pouco lento e não fluía tão bem como era de se esperar.

Com o crescente aumento na quantidade de softwares e a imensa vantagem em usar esse tipo de recurso para economizar no tempo de render, talvez seja o momento certo de investir em placas de vídeo poderosas. Muita gente me pergunta sobre modelos de placas para trabalhar com visualização 3d e recursos avançados, pois a placa usada na demonstração é um bom exemplo de hardware que não é tão caro assim. Pelo que pude pesquisar na web, encontrei algumas dessas placas custando algo em torno de seiscentos reais. Para conseguir esse tipo de visualização antes do render, o preço está mais que razoável.