Tutorial de introdução ao Terragen 2: Criando nuvens em 3D

Desde que publiquei na última semana um artigo falando sobre o lançamento do Terragen 2, algumas pessoas me solicitaram um pequeno tutorial em português, com algumas dicas de como começar a trabalhar com o software. Nesse final de semana acabei gravando um vídeo mostrando o básico sobre a interface do Terragen 2, assim como uma introdução a configuração de paisagens e efeitos atmosféricos do software. Para produzir esse tutorial, foi usada a versão gratuita do Terragen, que apresenta algumas limitações em termos de renderização, como limites para o anti-aliasing e detalhamento dos objetos no cenário, mas nada que dificulte a criação de ambientes e paisagens.

Antes de continuar, assista ao vídeo com a introdução ao Terragen:

Na parte superior da interface do Terragen, encontramos vários botões com opções para configurar a cena e adicionar efeitos e propriedades a atmosfera, iluminação, terreno, elevações e outros. Todas as vezes que você quiser editar ou adicionar elementos, use um desses botões. No menu localizado a esquerda da interface, aparecem as opções de ajuste e configuração dos elementos geométricos.

Um dos pontos interessantes para quem está conhecendo o Terragen pela primeira vez, é a quantidade de parâmetros e opções que simulam ambientes e características reais de paisagens. Por exemplo, repare no nome que cada um dos tipos de nuvens recebe. Como forma de estudar a composição climática da nossa atmosférica, os itens de configuração do software ajudam muito. Principalmente pela possibilidade de adicionar e visualizar em tempo real as alterações.

Por isso, o uso do Terragen é muito interessante para estudantes e pessoas na criação de paisagens realistas.

No tutorial é apresentada a técnica necessária para acionar nuvens volumétricas ao cenário virtual, que são uma representação em 3D das nuvens. Existem outros objetos que representam simulações das nuvens em 2D. O consumo de recursos nesse caso é bem menor, mas por outro lado à qualidade visual das nuvens é inferior ao efeito de nuvens volumétricas.

Se você quiser continuar com a criação dessa interface, recomendo que adicione algum tipo de elemento ao terreno, como elevações ou mesmo superfícies com água. O resultado do render com esse tipo de paisagem é excelente. O processo de criação para esse tipo de objeto é bem semelhante ao que fizemos para os itens da atmosfera, quando foram adicionadas as nuvens.

Apresentação das novidades e palestra sobre o Vue 7 para cenários virtuais

Todas as vezes que é necessário trabalhar com uma área em especial na produção de um vídeo, ou animação, os grandes estúdios com bons recursos financeiros, acabam escolhendo a melhor ferramenta para a tarefa. Por isso é que não é certo afirmar que uma ferramenta em especial foi usada para produzir um filme ou propaganda completamente, quando na maioria dos casos é um conjunto em que podem participar 3ds Max, Maya, Softimage e vários outros. Quando o assunto é cenários virtuais, principalmente paisagens a escolha dessas produtoras geralmente recai sobre o Vue. Se você nunca ouviu falar do Vue, ele é uma suíte 3d, mas com o foco direcionado para a criação de paisagens.

Quer ter uma idéia do que ele é capaz de fazer? Esse é o vídeo com a demonstração de alguns trabalhos realizados no Vue, como forma de divulgar a versão 7 do software.

Tudo que foi apresentado no vídeo é criado com o Vue, ou seja, é virtual. Fica evidente então o motivo que faz as produtoras procurarem o Vue para esse tipo de projeto. Caso você tenha assistido aos últimos filmes da séria Piratas do Caribe, boa parte dos cenários e paisagens do filme foi produzida usando o Vue.

Mas como ele funciona? Já publiquei um tutorial básico sobre o Vue aqui no blog, com o uso da versão Personal Learning Edition do Vue que é gratuita, mas e a parte avançada?

Caso você queira saber um pouco mais sobre o processo de criação com o Vue, já mostrando alguns dos recursos da versão 7, um tutorial muito bom foi lançado durante a Siggraph 2008.

No tutorial, o autor mostra vários dos recursos do software, para elaborar uma imagem com a representação de um monumento histórico. Um dos aspectos em que o Vue é incrivelmente flexível é na manipulação de vegetação virtual, como é possível perceber também no tutorial, em que o autor do vídeo posiciona árvores e vegetação, alterando as configurações e propriedades dos modelos 3d de maneira bem rápida.

Mas no vídeo parece à interface do 3ds Max? Sim, o objetivo do tutorial é mostrar a integração do Vue com o Max, como maneira de acelerar a produção de cenários, em que o Vue se encaixa n processo de produção apenas para esse tipo de tarefa.

Se você quiser testar o Vue 6, uma versão gratuita de testes pode ser copiada aqui. Ainda não há previsão para que o Vue 7 – PLE esteja disponível.