Introdução ao mapeamento de texturas para modelos 3D

O projeto Guerrilla CG lançou mais um vídeo para continuar com o seu projeto de apresentar as diversas técnicas e aspectos da computação gráfica para iniciantes. Para as pessoas que ainda não conhecem o projeto, o Guerrilla CG é uma iniciativa para prover treinamento e material educacional para artistas iniciantes, sempre com vídeos produzidos por pessoas e profissionais de renome na área da computação gráfica. O tema do vídeo lançado essa semana foi o mapeamento de texturas UV. Já comentei várias vezes aqui no Blog que essa é uma técnica de conhecimento obrigatório para qualquer artista 3d, pois todos os softwares e soluções de visualização usam esse tipo de informação para associar texturas em modelos 3d.

Caso você queira assistir ao vídeo que mostra uma introdução ao mapeamento de texturas UV, visite esse link.

tutorial-mapeamento-uv.jpg

A técnica é um pouco complicada de assimilar, pois é necessário ter a visão espacial bem desenvolvida e treinada para conseguir planejar o procedimento. Essa é uma das maiores causas de problemas com o mapeamento de texturas nas minhas aulas de introdução a modelagem 3d, pois os artistas que estão começando a trabalhar com modelagem 3d ainda não conseguem visualizar de maneira precisa o próprio modelo, ainda mais a malha aberta.

O procedimento para realizar o mapeamento de texturas UV é bem parecido em todos os softwares 3d, e consiste na seqüência de passos descritas abaixo:

  1. O modelo 3d deve ter algumas arestas marcadas como seams, que servem de referência para o procedimento.
  2. Com base na marcação dos seams, o modelo 3d deve ser planificado. Todas as faces do objeto 3d devem ser posicionadas apenas em um plano. Essa é a parte mais delicada do processo, pois um objeto 3d deve ser transformado em 2d.
  3. Quando o modelo 3d estiver planificado, a malha resultante desse processo deve ser exportada para um formato de imagem como TGA ou PNG.
  4. A textura deve ser pintada em algum editor de imagens como o Photoshop ou GIMP.
  5. O mapa resultante é aplicado novamente ao objeto como uma textura.

Simples, não é? A parte inicial do processo é a mais complicada e pode gerar um pouco de dificuldade na organização do modelo planificado, mas depois as coisas ficam mais fáceis. Se você não conhecia a técnica ou está começando a trabalhar com computação gráfica 3d agora,