Clicky

Detalhes sobre a produção do Cosmos Laundromat

Compartilhe o artigo!

Os usuários do Blender estão acostumados a encontrar nos projetos desenvolvidos pelo Instituto Blender um exemplo de capacidade artística, que é sempre demandada por diversas pessoas que gostariam de usar o Blender profissionalmente e sentem falta de um exemplo “oficial” das suas capacidades. Esses projetos desenvolvidos pelo instituto tem como objetivo criar esse tipo de material, e também desenvolver o Blender como ferramenta pois é uma oportunidade para que desenvolvedores trabalhem de maneira dedicada no software. Isso acaba gerando melhorias ou novos recursos para todos os usuários do Blender. Se você tem interesse em saber mais sobre o desenvolvimento desses projetos, recomendo muito a leitura desse artigo que explica e compartilha detalhes sobre a criação dessas animações.

Um ponto que sempre comento com os meus alunos é a parte relacionada com o orçamento e produção desses projetos. É comum encontrar pessoas interessadas em começar a desenvolver animações ou jogos usando softwares 3d, mas que não fazem idéia de quanto custa a parte de produção desses projetos. Ainda lembro de um artigo que comentada os cursos de produção do Big Buck Bunny em algo próximo dos 150.000 dólares. Isso é o custo para uma animação de 10–15 minutos que é produzida ao longo de 9 meses.

victor.jpg

Os custos são divididos entre equipamentos, salários e aluguel de espaços relacionados com a produção. É algo muito custoso! No caso do projeto Gooseberry a coisa não é diferente, mas o escopo do projeto é bem maior. A estimativa inicial é a de que um longa metragem de animação produzido com o Blender iria custar algo próximo de 2.4 milhões de Euros. Até agora o primeiro estágio do projeto já consumiu 400.000 Euros.

Achou caro? É muito menos do que os orçamentos de filmes comerciais como os que encontramos nos cinemas, que giram na casa dos seis dígitos.

Um projeto como esse poderia ser desenvolvido no Brasil? Claro que sim, mas a pessoa responsável pela animação teria que tentar financiamento provado ou então ganhar algum edital de fomento a cultura. Infelizmente esses editais devem ficar mais raros devido ao momento econômico vivido pelo pais.

Ainda assim é interessante conhecer detalhes sobre a produção dos projetos abertos do instituto Blender. Recomendo a leitura do artigo.

2018-03-20T12:55:06+00:00 By |Blender 3D|1 Comentário

Sobre o Autor:

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Um Comentário

  1. Bruno Carlos 05/09/2015 em 8:35 pm

    Boa noite Alan!
    Sou estudante de animação e uma das primeiras lições das aulas de produção e direção foi o choque de realidade sobre a viabilidade de projetos no nosso país. As dificuldades encontradas por produtoras ou criadores autorais são enormes. Porém, projetos como o do Blender são um exemplo de alternativa frente as dificuldades do setor. Outro caso interessante foi o do longa Sitha Sings the Blues, de Nina Paley. Ela produziu toda a animação praticamente sozinha, mas por causa dos direitos de utilização das músicas, que custaram uma fortuna, ela decidiu liberar o filme livre de direitos e, portanto , sem obter lucro direto pelo seu trabalho.
    Continuo seu aluno via EAD e seria legal algumas aulas específicas de animação de efeitos com partículas…
    (Fiquei muito impressionado com os efeitos das nuvens do Cosmos)
    Valeu Allan e parabéns pelo trabalho e pela ajuda que dá aos iniciantes.

Deixar Um Comentário