Guia gratuito sobre impressão

No passado o trabalho computação gráfica estava muito relacionado com a impressão de documentos em grandes formatos, e até mesmo a criação de material voltado para esse formato. Com o passar do tempo as coisas mudam em todos os mercados, e na computação gráfica a coisa está se voltando cada vez mais para o meio eletrônico seja no vídeo, web sites e os recentes livros eletrônicos. Isso era tão forte na área de computação gráfica, que chegou uma época em que as pessoas se diziam especializados em computação gráfica apenas pelo fato de trabalhar com impressão em softwares como o Corel Draw. Mas, apesar da perda de mercado estar reduzindo a importância da impressão como objetivo final de projetos de computação gráfica, ainda é preciso trabalhar eventualmente com esse tipo de mídia.

Para as pessoas que já trabalham com esse tipo de mídia, ou então, para quem quiser estudar um pouco mais os detalhes da impressão usando os softwares da Adobe, a empresa lançou um guia gratuito para download sobre como imprimir usando os seus softwares do pacote CS 5 e CS 5.5.

Guia-Impressao.jpg

O material passa pela parte básica da impressão como a escolha dos perfis de cores e detalhes técnicos dos softwares abordados, como a organização das camadas e a manipulação de vetores e bitmaps.

Os softwares abordados nesse guia são:

A impressão em cada um dos softwares é abordada dentro do seu próprio contexto. Por exemplo, no caso do InDesign aprendemos os detalhes sobre a criação de documentos eletrônicos como e-books e revistas, já no Illustrator é descrito o processo de criação de peças publicitárias baseadas em ilustração vetorial. E o Photoshop aborda a manipulação de fotografias e imagens baseadas em bitmaps.

Esse tipo de documento é importante para aprender os detalhes sobre como configurar documentos e preparar projetos para impressão. Ainda está um pouco longe de detalhar os possíveis problemas que enfrentamos com as diversas configurações e ajustes de cada gráfica rápida, como os inconvenientes de como algumas pessoas nessas gráficas acabam inadvertidamente mudam os documentos, ou as cores não são impressas de maneira fidedigna ao documento, mas é uma excelente referência inicial para quem só está acostumado a gerar arquivos PDF, SWF, MOV e outros formatos eletrônicos.

Vetorização gratuita de arquivos na web

A vetorização de imagens é uma das tarefas mais corriqueiras no cotidiano de designers e artistas 3d também, pois muito do que precisamos modelar é proveniente de imagens em bitmap ou então fruto de brainstroms que resultam em rabiscos e esboços manuscritos. Isso gera muita demanda por vetorização em ferramentas como o Illustrator ou Inkscape, para posterior trabalho com curvas em softwares 3D. O procedimento para fazer isso é bem simples e envolve a digitalização de qualquer material e depois a importação da imagem para o software de ilustração. Algumas pessoas já trabalham direto com a ferramenta 3d, mas ainda acho mais produtivo usar um editor de vetores mais especializado.

Em algumas situações é possível usar softwares que já fazem a vetorização de maneira automatizada, rastreando as linhas nas imagens e convertendo as mesmas para formatos como SVG ou AI. Já pensou poder fazer isso usando um sistema gratuito de conversão na web? Ontem a tarde descobri um serviço chamado de Autotracer que permite o envio de arquivos do tipo Bitmap, com a promessa de conversão automática do material em formatos baseados em vetor como SVG, AI e até mesmo DXF.

toaster svg creation inkscape

Depois de fazer alguns testes aqui consegui sucesso em algumas conversões, mas outras resultaram em arquivos sem os vetores. Os problemas apareceram em arquivos no formato PNG e que não foram 100% convertidos em SVG. O mais interessante é que o SVG não está vazio, mas sem linhas visíveis. De resto, imagens escaneadas foram convertidas até de maneira satisfatória.

O que mais impressiona no serviço é que poder totalmente baseado na web, podemos até mesmo tirar uma foto com câmeras de celulares e enviar o material para o sistema. Em poucos minutos teremos o material já convertido e vetor e pronto para edições mais avançadas. Sim, esse sistema sofre do mesmo problema que a maioria das opções disponíveis para fazer vetorização: a perda da precisão.

O preço a pagar pela facilidade e velocidade, é o tempo necessário para fazer a revisão dos vetores. Se o objetivo for a modelagem 3d, a revisão se torna ainda mais importante. Como a criação de polígonos depende da maneira como as curvas são criadas, qualquer pequeno defeito pode fazer a diferença na criação da topologia.

A história do Photoshop nos últimos 20 anos

No próximo dia 10 de Fevereiro um dos ícones da computação gráfica está comemorando 20 anos de existência. O photoshop já está no mercado ajudando pessoas a tratar imagens e fotografias desde o final dos anos 80, e ajudou a Adobe a se consolidar como uma das maiores empresas de computação gráfica do mundo. Ainda lembro da primeira versão do Photoshop que tive oportunidade de usar, ainda na metade dos anos 90 que foi a versão 4.0 que foi o grande redesign da interface do Photoshop. Além dos méritos técnicos do Photosop e a qualidade das suas ferramentas de manipulação para imagens formadas por mapas de pixels, o seu grande mérito foi ter se popularizado entre usuários que não são de informática. Qualquer pessoa hoje sabe que passar uma foto pelo “Photoshop” é o mesmo que “Melhorar artificialmente as imagens”.

Se você, assim como eu, gosta de computação gráfica e da sua história vai querer ler e conferir as imagens reunidas nesse artigo do Webdesignerdepot que fala sobre a história do Photoshop nos últimos 20 anos. Para quem nunca usou as versões antigas do software é interessante conhecer as primeiras interfaces.

O vídeo abaixo mostra uma entrevista com Thomas Knoll, um dos criadores do Photoshop e que hoje trabalha na Industrial Light and Magic produzindo efeitos especiais para filmes. A entrevista é conduzida nos corredores da ILM, basta reparar nos manequins que estão no fundo do cenário.

O mais engraçado desse vídeo é que sempre assisto aos extras de DVD`s em que aparece a equipe da ILM trabalhando em efeitos, e nunca tinha associado esse Thomas Knoll ao criador do Photoshop.

O Photoshop e a Adobe passam por momentos difíceis hoje em dia, pois o lançamento do Photoshop CS4 foi um fracasso de vendas que infelizmente acabou acontecendo em um ano de crise econômica. O resultado não foi muito bom para a Adobe, fazendo com que o projeto do Photoshop CS5 e da sua suíte de aplicativos fosse colocada como prioridade.

Desde o lançamento da versão CS3 com suporte a objetos 3d e edição simplificada de vídeo que nenhum recurso realmente “indispensável” é lançado, fazendo com que os usuários e artistas não se empolguem para comprar uma nova licença. Isso acabou derrubando as vendas do Photoshop CS4.

Usando expressões para criar movimento no Adobe After Effects

O trabalho de composição em vídeo é muito complexo, principalmente quando a criação de uma animação envolve a integração entre imagens em movimento, com música e efeitos sonoros. A maioria dos artistas 3d não gosta de trabalhar com arquivos de áudio e até tem aversão aos softwares de edição. Nas minhas aulas de animação, um dos módulos do curso envolvia a edição e ajuste de arquivos de áudio para animação. A carga horária da disciplina era bem pequena, mas envolvia o ajuste de efeitos sonoros para animação.

Se o seu objetivo é trabalhar com motion design, você precisa dominar e adquirir experiência com a manipulação de arquivos de música.

Um tutorial muito interessante, mas um pouco antigo, mostra como deixar o processo de integração entre arquivos de áudio e vídeo, ainda mais automatizada. No After Effets é possível usar expressões, para criar efeitos personalizados na animação, de maneira muito parecida ao ActionScript do Flash. O tutorial está no web site da Adobe, e mostra o procedimento para criar um animação, que sob o controle de uma expressão, produz movimento sincronizados com um arquivo de áudio.

Add the "Offset" effect

Com isso, o artista pode se concentrar em elaborar os elementos visuais da sua cena, para que a integração e sincronia do arquivo de áudio seja totalmente automática.

Apesar de ser um pouco antigo, pois aborda o uso do After Effects 6, o tutorial mostra muito bem a integração das duas mídias e uma utilidade incontestável, para o conhecimento de algum tipo de linguagem de script por parte de artistas. Até na área de vídeo digital esse tipo de artifício pode ajudar na economia do tempo de produção de uma animação.

Caso você tenha se animado mesmo em aprender programação para a área gráfica, me permita fazer uma sugestão. Existe um sistema chamado Processing, que é destinado a artistas que queiram simular ambientes gráficos. Já falei sobre esse software aqui no Blog, em um artigo sobre o algoritmo do Ray Tracing.

Quer ver um exemplo do que é possível fazer com ele? Veja esse vídeo, que foi publicado essa semana no Vimeo:


Metamorphosis from Glenn Marshall on Vimeo.

Isso é tudo animação procedural, ou seja, o autor do vídeo transformou uma série de instruções matemáticas em animação.

Mesmo parecendo difícil, usar o Processing é bem mais fácil que aprender programação em C ou outras linguagens.

Adobe TV: Tutoriais oficiais sobre After Effects, Premiere, Photoshop e mais…

Quem sempre procura por tutoriais e dicas em vídeo sobre softwares da Adobe, agora tem mais uma opção além do YouTube. Está no ar o recém lançado canal de TV da Adobe, nos mesmos moldes dos melhores sistemas de vídeo online, mas totalmente direcionado aos produtos da empresa, ele vem suprir a deficiência por treinamentos especializados em vídeo. O melhor de tudo! Todos os tutoriais disponíveis são de alta qualidade. Ontem mesmo, fiquei algumas horas assistindo tutoriais e vídeo sobre o Adobe After Effects.

Quer saber como são os vídeos lá? Aqui vai um exemplo de tutorial em vídeo sobre o After Effects, disponível na Adobe TV:

Todos os vídeos disponíveis no sistema são organizados em categorias, e podem ser visualizados quantas vezes forem necessárias.

As principais categorias existentes no sistema são:

  • Fotografia
  • Profissionais de vídeo
  • Designer
  • Programador

Para quem tem uma boa conexão de internet, eles usam um sistema parecido com o Vimeo em que os vídeos podem ser exibidos em tela cheia. Aqui ficou um pouco lento para carregar, mas temos que dar um desconto pela qualidade e bitrate generoso.

Não se empolgue muito em relação à quantidade de conteúdo. Como o sistema foi lançado nessa semana, o número total de vídeos disponível ainda é pequeno, algo em torno de 20 ou 30 títulos. Mas a tendeência é que com o tempo esse número aumente.

A iniciativa da Adobe TV é muito interessante do ponto de vista profissional, a maioria dos vídeos disponíveis em sistemas como YouTube, apresentam algumas deficiências em relação a resolução e muitas vezes no conteúdo também. Claro que existem ótimos tutoriais, mas parece que a febre, principalmente na edição de vídeo e efeitos, é ensinar a fazer o já clássico Kamehameha.

Espero que com o Adobe Media Player seja possível fazer o download desses vídeos. Esse é um dos recursos prometidos pela empresa para o software. Será que eles se inspiraram no Miro para esse player da Adobe? O conceito e funcionamento dos dois é muito semelhante.