Script que reproduz o Array 3D igual ao do 3ds Max no Maya

O aprendizado de uma ferramenta 3d sempre envolve muito esforço e estudo por parte de qualquer artista, principalmente quando a pessoa não tem nenhuma experiência prévia com softwares de modelagem 3d ou animação. Mas, existe outra situação em que o aprendizado da ferramenta 3d é motivada por uma migração ou necessidades profissionais. Por exemplo, imagine que você acabou de ingressar em alguma empresa ou estúdio, e essa empresa usa uma plataforma de produção diferente que a sua, portanto será necessário migrar para essa nova ferramenta. Nesses casos o artista 3d acaba estudando a ferramenta por comparação, localizando e usando o seu conhecimento prévio como referência para o aprendizado.

Uma das migrações mais comuns entre artistas 3d é a dobradinha 3ds Max e Maya, que podem muito bem ser usados para diferentes propósitos em grandes estúdios de animação ou produtoras de efeitos. Para facilitar o processo de migração dos usuários que estão aprendendo o Maya, algumas pessoas acabam reproduzindo as ferramentas do 3ds Max no Maya. Se você está nessa situação, pode aproveitar um script em MEL que consegue reproduzir o Array do 3ds Max no Maya, inclusive a interface.

maya-2009-script-ferramenta-array-3d.jpg

A ferramenta Array é extremamente importante para a configuração de qualquer tipo de cena, pois facilita a organização de objetos que admitem uma distribuição ordenada no espaço 3d. Em algumas ferramentas o Array é configurado de maneira semelhante a um modificador, mas no 3ds Max ele é uma ferramenta de transformação independente do sistema de modificadores.

Apesar do objetivo ser claramente a criação de um clone do Array, o autor da ferramenta ainda adicionou a possibilidade de usar opções de distribuição do tipo Scatter na interface do Script, o que permite uma gama maior de opções para copiar objetos. Por exemplo, com o Array normal podemos fazer a distribuição de objetos usando organização baseada em matrizes e também círculos. Com o Scatter é possível fazer distribuição aleatória de objetos e modelos 3d sobre uma superfície, o que ajuda muito na criação de grandes planos com vegetação e outros elementos que podem compor um cenário.

O download pode ser feito de maneira totalmente gratuita no link indicado no início do artigo, apenas repare que na documentação da ferramenta, o autor faz menção a alguns problemas que usuários do Maya para Mac OS e Linux podem ter ao tentar executar o Array.

Tutorial de iluminação com Arrays no Cinema 4D

Depois da modelagem 3d, que é o começo de todos os projetos envolvendo softwares 3d, a iluminação dos cenários é de longo o que gera o maior grau de descontentamento, e dúvidas nos artistas 3d iniciantes. Isso é normal, até pelo fato de iluminação de cenário ser um assunto que envolve estudos e conhecimentos mais específicos de luminotécnica. Bem, mesmo com essa dificuldade toda, ainda existem algumas técnicas básicas para conseguir uma boa iluminação sem o uso de ferramentas como a iluminação global. A maioria dos usuários acaba recorrendo à iluminação global como sendo a melhor solução para resolver a iluminação de uma cena, sem muito esforço.

Esse esforço é passado para o computador, que precisa lidar com o aumento na demanda do processamento, pois a iluminação global joga a “responsabilidade” da iluminação para o software.

Uma das técnicas mais conhecidas para simular iluminação global, consiste em distribuir vários pontos de luz em uma cena, com baixa intensidade. Se você quiser aprender um pouco mais sobre como é possível fazer essa distribuição de luzes, usando a ferramenta Array no Cinema 4D, um tutorial muito bem elaborado foi publicado no Deviantart, por um artista chamado Pdgfx.

Mesmo sendo um tutorial sobre o Cinema 4D, a ferramenta Array está presente em praticamente todos os softwares 3D.

O tutorial começa de maneira bem simples, com a adição de uma esfera em um cenário com apenas um ponto de luz. Depois o artista começa a multiplicar os pontos de luz, mostrando gradativamente as alterações da iluminação. Se você conferir o tutorial, vai perceber que à medida que a quantidade de pontos de luz aumenta, assim como o ângulo das luzes, a iluminação fica mais suave e próxima do resultado atingido pelas ferramentas de iluminação global.

Um ponto fraco do tutorial é que o artista não deixa claro o posicionamento dos pontos de luz, mas isso é mais um motivo para que você faça testes. Uma dica para quem quiser tentar reproduzir o efeito, uma das melhores disposições para trabalhar com o chamado Fakeosity, que é a simulação da iluminação global com o uso do render padrão, é a chamada disposição em anel.

A técnica é simples, e consiste na distribuição, usando o Array, de vários pontos de luz organizados na forma de um anel concêntrico. Com três desses anéis, você consegue uma excelente iluminação.