Sessão nostalgia: Blender 1.6

Sempre digo aos meus alunos que é importante conhecer o passado, para que seja mais fácil perceber como os softwares e ferramentas 3d evoluíram ao longo do tempo. Nesse intuito, você lembra como era o Blender nas suas primeiras versões? Sei que esse é um tipo de artigo que não interessa muita gente, que só quer saber das novidades, mas acredite que conhecer o histórico do Blender, pode mostrar a você como essa incrível ferramenta evoluiu e está hoje prestes a mudar também, com a chegada do Blender 2.50 no final do ano.

Caso você não saiba, podemos fazer o download de qualquer versão do Blender, desde a versão 1.0 até as últimas nesse endereço. Lá podemos escolher desde a versão 1.0, que só roda em sistemas Solaris. Fiz o download da versão 1.6 para esse artigo que está disponível para o Windows, então você também pode testar se quiser.

A primeira coisa que chama a atenção nessa versão é a estrutura dos arquivos, não existem arquivos DLL ou auxiliares, o Blender é apenas um grande arquivo executável.

Blender 1.6

Quando abrimos o Blender 1.6, podemos perceber claramente como a estrutura da interface é a mesma desde o princípio. Todos os elementos importantes como a 3D View e botões auxiliares estão lá. Será que o Blender 2.50 trará mudanças significativas na interface mesmo?

Blender 1.6 - Interface

A interface foi refinada ao longo das versões, mas nenhuma mudança drástica aconteceu apenas novas ferramentas foram adicionadas, como a possibilidade de usar painéis compostos.

Quer ver como as coisas eram simples? Só existiam dois modos nessa versão, que eram o Edit e o Object Mode. Para alterar o modo, o artista precisava usar o botão indicado na imagem abaixo. Ao lado também está disponível o Vertex Paint, que pode ser acionado em conjunto com o Edit Mode.

Blender 1.6 - Header

A Game Engine também não está presente.

Quer usar Zoom? No Header existem dois botões próprios para usar Zoom, um para aproximar e afastar e outro para usar o Pan.

Blender 1.6 - Botões

Para selecionar vários dos elementos na interface, precisamos pressionar o botão do mouse e arrastar, como na seleção das janelas. Ainda não estava implementado o seletor, com todas aquelas opções que conhecemos hoje.

O que a análise dessa versão do Blender nos mostra? Depois de usar o Blender por alguns anos, e tentar voltar a encarar essa versão mais antiga, podemos concluir que a evolução do Blender 3D foi realmente fantástica. O que será que o futuro reserva ao Blender 2.50? Melhorias! Qualquer tipo de mudança é positiva e pelo que podemos perceber com a análise dessa versão, as modificações e ajustes foram extremamente benéficas.