Modelagem de terrenos com o Blender 2.5

A modelagem de terrenos e cenários pode ser realizada de várias maneiras dependendo do software usado para o projeto. Uma das técnicas mais usadas é a modelagem baseada em superfícies, em que o artista criar diversas curvas de maneira semelhante as curvas de nível do terreno e depois faz a ligação entre essas curvas, gerando uma superfície que representa de maneira fiel a topografia do terreno. Apesar de ser relativamente eficiente, o trabalho com esse tipo de procedimento exige muita edição e ajuste nas curvas, e dependendo do software isso pode ser bem complicado. Por exemplo, ainda me recordo do trabalho que dava criar esse tipo de geometria no AutoCAD, usando o comando Ruled Surface e ajustando a forma das curvas para conseguir um bom resultado com o terreno.

Mas, já existem opções bem mais flexíveis e intuitivas para trabalhar com modelagem de terrenos. Um desses exemplos é o próprio Blender com a sua ferramenta chamada de Surface Sketch. Para quem não conhecem essa ferramenta do Blender, o seu funcionamento é muito semelhante a um sistema de desenho manual, em que vamos criando linhas. Com as linhas desenhadas é possível criar superfícies baseadas em polígonos, o que pode ser muito bem usado para criar terrenos.

No vídeo abaixo você pode acompanhar todo o processo de modelagem de um terreno no Blender, usando como referência uma imagem da área e as suas respectivas curvas de nível. O autor do vídeo faz uso de uma mesa digitalizadora para ajudar no desenho das linhas, o que facilita bastante e dá precisão ao traço.

T&T Blender for Architecture n°4 : landscape from contour lines from Viralata on Vimeo.

Um dos segredos para conseguir gerar esse tipo de linha é aproveitar o controle que temos sobre o cursor 3D. Se a opção Cursor do Surface Sketch estiver marcada, as linhas são geradas na mesma altura do cursor 3D. Como precisamos trabalhar com as curvas usando algum deslocamento vertical para representar a inclinação do terreno, o autor faz ajustes na altura do cursor antes de criar uma linha. O resultado é uma superfície que representa muito bem o terreno.

Como nem tudo é perfeito, a superfície gerada ainda é passível de pequenos ajustes para que a topografia siga de maneira mais fiel a forma representada pelas curvas.

No final do vídeo ainda somos apresentados a uma técnica alternativa, usando o Add-on Bridge do Blender para modelar um terreno.

O vídeo é muito bom para quem trabalha com topografia ou arquitetura, e precisa constantemente trabalhar com modelagem de terrenos.

Bridge e Loft para o Blender 2.5 ajudam na modelagem 3d

Essa semana publiquei um artigo que recomendava o script para o Blender 2.5 chamado de Loop Tools que tem como autor Bart Crouch. A ferramenta é de extrema utilidade para qualquer pessoa que dedique seu tempo de modelagem a edição de polígonos, e muitas pessoas que postam comentários sobre o Add-on em fóruns comentam que as opções dele deveriam ser incorporadas como ferramentas padrão do Blender. Depois de navegar um pouco pela lista de projetos que o Bart Crouch havia criado para o Blender 2.5 encontrei outro script que deve agradar a muitos usuários! Existe uma ferramenta desenvolvida por ele chamada de Bridge & Loft que salvará muitas pessoas em projetos de modelagem poligonal complexa.

Se você é usuário antigo do Blender, deve lembrar da opção Bridge/Edge Loops que existia na versão 2.49 mas que não apareceu ainda no Blender 2.5. Com essa ferramenta era possível selecionar dois objeto que estivessem em paralelo e depois conectar os mesmos usando o mesmo princípio do extrude. Por exemplo, ao selecionar duas faces teríamos um sólido composto que faria a ligação entre essas duas faces selecionadas. A seleção entre dois vértices ou arestas já pode ser conectada usando a tecla F, mas entre faces a tecla não funciona.

Com a primeira parte do script será possível adicionar esse tipo de ligação entre as faces dos objetos, permitindo que a modelagem de partes simétricas fique mais rápida e sem a necessidade de aplicar transformações de escala para fazer a ligação.

bridge.jpg

Já a segunda opção é chamada de Loft e usa o mesmo conceito da ferramenta de nome homônimo no 3ds max. Para usar o Loft é necessário adicionar uma série de formas definidas por polígonos, que podem ser conectadas usando uma superfície. Na verdade, tudo é realizado com base na criação de polígonos mesmo, mas o princípio é bem parecido com o usado na criação de superfícies NURBS.

loft.jpg

Ambas as ferramentas adicionam mais flexibilidade e novas alternativas para gerar modelos 3d baseados em polígonos. Para os que procuravam por maneiras de facilitar o processo de criação no Blender, recomendo muito copiar esses Add-ons junto com o Loop Tools para turbinar a sua gama de opções para moldar polígonos.