Animação de câmera com 3dsmax: Criando o bullet-time

O domínio do movimento realizado pela câmera em qualquer animação 3d é de fundamental importância, e pode muito bem ser fator determinante para a execução de uma seqüência no projeto. No final dos anos 90 tivemos a criação literal do efeito chamado de bullet-time, introduzido no filme Matrix em que o movimento é congelado no tempo, e a câmera faz um movimento em orbita ao redor do objeto ou personagem foco da ação. Depois do filme o recurso foi amplamente usado em comerciais e vídeos musicais para incrementar a ação. Nos softwares 3d esse tipo de efeito é relativamente simples de reproduzir, pois como temos o controle total sobre os quadros da animação, é perfeitamente possível ajustar os tempos para gerar a pausa no movimento.

Caso você nunca tenha realizado esse tipo de efeito em seus projetos, encontrei um vídeo que mostra de maneira simples o processo necessário para criar o bullet-time usando o 3dsmax como referência. Na verdade, o processo não faz uso de nenhum recurso especial do 3dsmax, apenas o posicionamento dos quadros-chave da animação e o movimento da câmera para os objetos.

O vídeo é esse:


3Ds Max Animacion avanzada

A animação do projeto envolve uma colisão entre dois carros em movimento, e quando um dos veículos está começando a capotar devido ao impacto, o animador congela o movimento e faz a câmera se mover ao redor dos elementos. Para esse tipo de animação o artista responsável deve ter o cuidado de posicionar a câmera em pontos estratégicos ao longo da cena, para conseguir o efeito de uma órbita ao redor da cena. Isso dará o efeito do bullet-time.

Assim como aconteceu com o tutorial de modelagem que publiquei aqui no blog ontem, esse mesmo vídeo pode ser aproveitado em diferentes ferramentas 3d. O processo de ajuste de quadros-chave é bem semelhante em todos os softwares, o que facilita a adaptação da técnica.

Repare como a pausa na dinâmica da cena e o movimento da câmera, acabam potencializando a mensagem dramática de uma simples colisão. No caso do filme Matrix, o bullet-time não congelava o movimento, mas fazia com que as coisas fossem executadas em câmera lenta.

Tutorial sobre o V-Ray Proxy: Renderize objetos complexos de maneira fácil!

Você sabe o que faz o V-Ray Proxy? Bem, ele tem como função facilitar a manipulação e renderização de modelos complexos no 3ds Max, para que seja possível utilizar modelos extremamente detalhados nas suas cenas. No começo de janeiro, comentei sobre um seminário gratuito promovido pelo VizMasters, em que um dos temas era exatamente a utilização do V-Ray Proxy. Depois de um bom tempo esperando, o pessoal disponibilizou o vídeo do seminário, com todo o conteúdo do treinamento sobre V-Ray Proxy.

V-Ray Proxy

Na verdade, podemos considerar esse vídeo como sendo uma introdução a ferramenta, mesmo com mais de uma hora de vídeo, seriam necessárias mais algumas horas para abordar em detalhes o conteúdo. Um detalhe interessante em relação ao vídeo, ele está em FULL HD! Isso mesmo, esse é o primeiro tutorial em vídeo que vejo preparado para TV`s que suportem 1080p. Então, se você tem uma TV LCD Full HD, pode assistir em qualidade máxima ao tutorial.

Por outro lado, a qualidade do áudio deixa muito a desejar, parece que realmente o autor do tutorial fez a gravação remotamente via Skype ou outra tecnologia de VoIP.

No vídeo o autor demonstra no início os benefícios e a redução significativa de recursos, gerado pelo uso do V-Ray Proxy. Para exemplificar isso ele mostra a janela de desempenho do Windows, em que o consumo de memória é exibido em tempo real. Se você nunca prestou atenção a esse detalhe, pode ser interessante conhecer o que acontece quando manipulamos grandes quantidades de vértices em modelos 3D. No Blender isso não acontece, a ferramenta por só própria já ajuda com um código mais “enxuto”.

Depois de mostrar o desempenho da memória, o autor começa a trabalhar com exemplos de modelos altamente complexos, como carros detalhados e vegetação. Pelo visto, usando essa ferramenta podemos até arriscar usar geometria mesmo para vegetação e não imagens ou texturas.

Para fazer o download do vídeo, com aproximadamente 140 MB, visite esse endereço. Mas antes, devo apertar sobre duas coisas:

  • Só consegui fazer o script que habilita o download começar no Internet Explorer. No Firefox fica uma página em branco e nada acontece.
  • Para assistir ao vídeo você precisará fazer o download de um codec especial, que pode ser copiado aqui.

No final de semana vou assistir ao vídeo do outro seminário, sobre modelagem de paredes para visualização arquitetônica. Na próxima semana publico os comentários! Se você quiser se adiantar, a lista completa de vídeos do seminário pode ser encontrada aqui.