Tutorial com 90 minutos sobre modelagem 3d para design

O conhecimento de técnicas para modelagem 3d é essencial para qualquer pessoa que tenha um mínimo de interesse em trabalhar com computação gráfica 3d. Essas técnicas de modelagem estão basicamente divididas em duas grandes categorias que são a modelagem orgânica e a geométrica. Na área da modelagem geométrica existe um tipo chamado de hard surface modeling, que poderia ser traduzida para modelagem de objetos com superfícies sólidas. A modelagem desse tipo de objeto oferece desafios e problemas bem diferentes para os artistas, que os oferecidos pela modelagem orgânica.

Entre as diferenças está a organização da topologia dos modelos 3d que deve ser criada de maneira a facilitar a criação de áreas vazadas, ou com bordas suavizadas nos modelos 3d. Ainda existem algumas pessoas acreditando que o uso de modificadores ou ferramentas de suavização são suficientes para esse tipo de projeto, mas é na organização da malha como um todo que reside o segredo para criar modelos eficientes.

Quer um exemplo de hard surface modeling? A imagem abaixo mostra um projeto usando Maya e ZBrush que já apareceu aqui no blog, criado pelo artista russo chamado Vadim:

tutorial-modelagem-3d-arestas-design-1.jpg

Repare nas bordas e arestas do modelo 3d que aparecem na imagem. Existem edge loops posicionados de maneira estratégica em todo o modelo 3d.

Caso você tenha interesse em aprender mais sobre esse tipo de modelagem 3d, um artista especializado nesse tipo de criação, chamado Grant Warwick publicou um tutorial em vídeo com aproximadamente 90 minutos de duração mostrando como trabalhar esse tipo de modelagem.

tutorial-modelagem-3d-arestas-design.jpg

Boa parte do tutorial é destinada a manipulação de extrusões e criação de arestas suavizadas em modelos 3d, basicamente usando Edge Modeling. No método usado pelo autor do tutorial, o artista basicamente aproveita apenas as ferramentas de extrusão e adição de arestas nas bordas, para ter maior controle sobre a suavização das superfícies.

O vídeo está hospedado no Vimeo, e o artista liberou o arquivo fonte para download. Se você é usuário registrado lá, pode copiar o arquivo de vídeo com quase 800 MB de tamanho, ficando mais fácil acompanhar o tutorial. Apesar da narração em inglês, podemos acompanhar as dicas do tutorial de maneira bem simples, pois quase tudo é ao mesmo tempo descrito no áudio é exemplificado na prática.

Exercícios de modelagem 3d para dominar edge modeling

O processo de aprendizagem das técnicas necessárias para conseguir criar bons modelos 3d, envolve muita prática e dedicação no domínio da ferramenta 3d usada para o estudo, mas também das soluções necessárias para criar bons modelos 3d, usando como base estruturas que tenham apenas faces triangulares e quadradas. Nas minhas aulas em que o assunto é modelagem 3d, sempre tento passar esquemas de modelagem abstratos que sirvam de base para uma prática mais elaborada na resolução desses problemas. Por exemplo, ao passar uma malha 3d com a topologia totalmente bagunçada e pedir para que o artista reconstrua aquela malha, usando apenas quadrados e triângulos, ajuda a desenvolver o olho clínico dos artistas para problemas de topologia.

É claro que a maioria das pessoas não gosta desse tipo de exercício, principalmente depois que percebem a quantidade de ferramentas e pequenos ajustes necessários na malha com uso de snap e transformações. Com o tempo a vantagem em realizar esse tipo de tarefa acaba aparecendo de maneira natural. Se você quiser ter uma boa idéia de como esses exercícios podem ser desenvolvidos usando esquemas abstratos, encontrei uma ótima referência para quem quiser tentar desenvolver as mesmas habilidades.

Um artista 3d publicou uma série de imagens contendo esquemas de modelagem 3d, para resolução de topologia que podem ser aproveitados por qualquer pessoa interessada.

exercicios-modelagem-3d-abstrata-edge-modeling.jpg

O exercício é bem simples, e consiste na criação de uma malha 3d perfeita e regular, que deve ser adaptada e editada para apresentar as mesmas divisões e ligações existentes nas imagens mostradas. Assim que você prestar mais atenção nos esquemas de modelagem, vai perceber que os diagramas mostram pequenos desenhos feitos na malha 3d.

Pode até parecer algo menos desafiador que tentar criar o seu próprio personagem virtual, mas garanto que o processo é bem mais trabalhoso do que parece, principalmente para os usuários com menos experiências. Se você ainda está dando os primeiros passos na modelagem 3d, recomendo tentar fazer os exercícios. Os artistas que dispõe de softwares que permitem trabalhar com N-Gons, as famosas faces com mais de quatro lados em softwares 3d, devem resistir ao máximo antes de recorrer ao recurso. O uso apenas de faces quadradas ou triângulos, adiciona um nível a mais de complexidade no exercício.

O segredo é usar apenas ferramentas de corte, subdivisão, Merge ou Weld de vértices. Essas ferramentas somadas as opções de transformação (mover, rotacionar e escalonar) devem ser mais que suficientes para realizar todos os exercícios.

Autodesk Maya: Tutorial básico de modelagem de edifícios em 3D

As técnicas e opções disponíveis para conseguir criar modelos 3d são bem variadas e oferecem tipos e níveis diferentes de controle. Entre as mais famosas e utilizadas entre artistas 3d estão as variações da chamada modelagem por subdivisão, que consiste na deformação de primitivas geométricas que são transformadas em objetos e elementos mais complexos. Entre as derivações desse tipo de técnica encontramos a chamada edge modeling que consiste na manipulação apenas das arestas dos objetos 3d, com extrudes e cortes para criar geometria. Essa é a técnica que sempre uso para construir elementos para maquetes eletrônicas e mobiliário em 3d para meus projetos, pois com o uso de arestas é possível ter excelente controle sobre os detalhes do projeto.

O controle sobre os detalhes no projeto pode ser bom para criar modelos realistas, mas por outro lado é um pouco difícil e trabalhoso para usuários iniciantes, pois requer muito uso de ferramentas como o Snap e atalhos para alinhar os objetos. Sempre que mostro essa técnica nas minhas aulas de modelagem, o resultado é uma tendência dos alunos a escolher a derivação conhecida como Box Modeling, pois o seu resultado é derivado de um cubo deformado. Com isso a modelagem fica mais rápida, porém o resultado sempre acaba sendo um modelo 3d mais simples.

Por outro lado, o exercício é excelente para usuários menos experientes, pois a prática do Box Modeling é fundamental para que o mesmo domine e passe a trabalhar com o Edge Modeling.

Como funciona essa técnica? Se você é usuário iniciante e gostaria de conhecer a técnica do Box Modeling aplicado a modelagem de prédios, encontrei três vídeos que ajudam muito no entendimento da técnica. O material foi todo gravado no Autodesk Maya, que não é muito usado para visualização de projetos, mas ilustra bem a técnica do Box modeling. Os vídeos estão organizados como uma lista de reprodução.

O processo é bem simples de seguir e consiste apenas na manipulação de um cubo, em que o artista adiciona várias divisões para depois seletivamente deformar e transformar algumas faces. As transformações dessas faces, que podem ser de translação ou escala acabam resultando na criação da geometria do cubo. Com um pouco de extrude também é possível trabalhar com diversas variações.

Para usuários mais experientes o tutorial é bem básico, mas os com menos experiência e prática com modelagem 3d devem achar o mesmo exercício, uma excelente oportunidade de praticar.

Esse é o tipo de exercício que uso nas minhas aulas de modelagem 3d.

Tutoriais de modelagem 3D para arquitetura usando Modo 3D

A modelagem 3d direcionada para projetos arquitetônicos apresenta algumas particularidades em relação ao que fazemos na modelagem orgânica, sendo que uma delas é a necessidade de usar de maneira freqüente as opções de snapping do software 3d usado para o projeto. Essas ferramentas de snapping são fundamentais para que o modelo 3d criado use o máximo possível em termos de precisão. As medidas não precisam ser necessariamente as mesmas, mas a proporção em que o modelo 3d é criado precisa seguir a mesma orientação. Um software que está ganhando muitos adeptos na área de modelagem para arquitetura é o Modo 3D, que recentemente foi atualizado para a versão 401.

O Modo 3D é muito conhecido entre artistas 3d mais experientes, pelas suas ferramentas de modelagem e funcionamento diferentes do que conhecemos na maioria dos softwares existentes hoje. Caso você queira aprender algumas técnicas de modelagem 3d para arquitetura usando o Modo 3D, um artista chamado Ernesto Pacheco disponibilizou três tutoriais em vídeo muito interessantes, mostrando partes fundamentais da modelagem para arquitetura.

O objetivo desses vídeos é divulgar um treinamento sobre o mesmo tema que o artista está organizando. Esse futuro treinamento será comercializado, mas os três vídeos indicados nesse artigo podem ser assistidos de maneira totalmente gratuita.

Para assistir aos tutoriais sobre Modelagem 3D para arquitetura, visite esse link.

tutorial-modelagem-3d-arquitetura-modo-3d.jpg

O primeiro vídeo aborda o uso do Modo 3D, com uma introdução a sua interface e o funcionamento do software como um todo. Esse vídeo é excelente para quem não tem nenhum conhecimento sobre o software e gostaria de aprender um pouco mais sobre ele. Já no segundo vídeo, podemos acompanhar o autor comentando sobre o uso de técnicas de modelagem 3d para arquitetura, com ênfase nas ferramentas de edge Modeling para deformar arestas e operações Booleanas.

No último vídeo é possível acompanhar as técnicas e ferramentas necessárias para organizar e manipular arquivos oriundos de projetos em CAD, mais precisamente arquivos no formato DWG. Cada software apresenta facilidades e dificuldades na manipulação desse tipo de arquivo. O autor do tutorial mostra o que é necessário para aproveitar e extrair informações de arquivos de CAD para usar em projetos de modelagem para arquitetura no Modo 3D.

O tempo médio de cada vídeo é de aproximadamente 20 minutos, o que resulta em mais de uma hora de treinamento em vídeo. Se você quiser aprender um pouco mais sobre modelagem 3d para arquitetura ou o Modo 3D, recomendo assistir aos vídeos. Mesmo que a sua ferramenta 3d seja outra, algumas das dicas e assuntos abordados se aplicam a todos os softwares 3D.

Estudo de modelagem 3d: Comparação entre 3ds Max e Silo 3D

As comparações e diferenças entre as diversas ferramentas 3d existentes no mercado são tema freqüente em qualquer curso ou projeto que envolva treinamentos, principalmente com pessoas que ainda estão começando a ter contato com softwares 3d. Essa é uma das perguntas que mais recebo pelo formulário de contato aqui do blog também. Qual a resposta? Na verdade essa é uma pergunta que só pode ser respondida dentro de um contexto bem específico, em que vários aspectos como o escopo do projeto, recursos financeiros e tecnologias usadas devem entrar na fórmula. Em termos de recursos para modelagem, a grande maioria dos softwares está bem nivelada e os resultados não ficam muito diferentes para o usuário final. O que pode acontecer é apenas um ganho de desempenho em algumas ferramentas.

Para avaliar e comparar esse tipo de recurso entre duas ferramentas 3d bem diferentes, um artista 3d está desenvolvendo a modelagem de uma Ferrari Enzo usando o 3ds Max e o Silo 3D. O 3ds Max você já deve conhecer, mas o Silo 3D não é uma ferramenta muito famosa, em comparação com o 3ds Max. Ele é um software de modelagem por subdivisão dedicado apenas a tarefa de modelagem e configuração de texturas e materiais. O Silo 3D não apresenta nenhum tipo de recurso direcionado para animação.

O estudo comparativo entre as duas ferramentas ainda está em andamento, mas já resultou na criação de um vídeo que coloca a modelagem das primeiras partes do carro lado a lado. O vídeo abaixo mostra o Silo 3D na esquerda e o 3ds Max na direita.

A técnica de modelagem usada para criar as primeiras partes do carro é o Edge Modeling, em que os objetos são criados com base na transformação de arestas. Repare que o processo de modelagem em ambas as ferramentas 3d é bem parecido, sendo que a velocidade com que as transformações são aplicadas é um pouco mais eficiente no Silo 3D que no 3ds Max.

Qual a conclusão inicial? A princípio, apenas que ambos os softwares conseguem criar objetos complexos usando processos e ferramentas bem semelhantes. Se fossem adicionadas outras ferramentas 3d ao estudo, muito provavelmente o tempo de modelagem para cada uma das ferramentas seriam bem semelhante. Sem mencionar a seqüência de modelagem que também usaria os mesmos princípios e técnicas para gerar o modelo 3D.