Tutorial de iluminação usando o render interno do Blender 3D

Uma das coisas que mostra o conhecimento de uma pessoa sobre iluminação de ambientes em 3D é a possibilidade de trabalhar com distribuição de pontos de luz, para conseguir iluminar uma cena sem o uso de técnicas de iluminação global. Essas técnicas de distribuição da iluminação geralmente envolvem a cópia e posicionamento de diversas luzes no cenário em pontos estratégicos, para conseguir bons efeitos e regularidade na iluminação. Hoje em dia esse tipo de técnica é sumariamente ignorada pela maioria das pessoas, devido ao poder e velocidade de alguns renderizadores com capacidade de usar iluminação global. Basta posicionar alguns poucos pontos de luz e configurar de maneira correta os parâmetros do render e uma imagem realista é gerada em pouco tempo.

Os usuários mais antigos de softwares 3d devem se recordar da época em que os renderizadores necessitavam de algumas horas, independente da tecnologia ou plataforma para gerar uma única imagem em boa resolução.

Ainda credito que essa é a melhor opção para gerar imagens para animação é com esse tipo de técnica, pois a velocidade do render para cada imagem é extremamente curto. Se você for usuário do Blender 3D e quiser aprender uma maneira bem simples de usar esse tipo de iluminação, um tutorial foi publicado no Blenderartists.org e pode ajudar você a usar essa técnica.

tutorial-blender3d-luzes.jpg

O procedimento é bem simples e envolve apenas a duplicação de uma luz do tipo Spot usando um modelo 3d bem subdividido e com o DupliVerts. É exatamente a mesma técnica já conhecida dos antigos manuais do Blender 3d, que mostram como se cria um domo de luz. A iluminação gerada com esse tipo de técnica não é tão realista como a que se pode conseguir com renderizadores como o YafaRay ou LuxRender, mas o objetivo aqui é velocidade de render e não qualidade máxima. Mesmo com imagens mais simples, uma animação que exige o render de 2000 frames ou mais, pode ser gerada de maneira bem rápida.

A técnica é conhecida como Fakeosity por alguns artistas e exige mais conhecimento artístico do que técnico para conseguir bons resultados. Como forma de estudar iluminação, é um excelente exercício.

Iluminação Global no Cinema 4D para visualização arquitetônica

As técnicas e ferramentas de iluminação global já foram usadas como diferencial competitivo em vários softwares 3d no passado, mas hoje é quase que uma ferramenta padrão de todos os softwares. A grande maioria das ferramentas apresenta algum tipo de opção nativa para usar iluminação global. O uso desse tipo de recurso está tão disseminado entre artistas 3d que a grande maioria, sequer estuda ou tenta desenvolver habilidades ou técnicas de iluminação tradicionais. Essa técnica é chamada de Fakeosity, uma alusão a radiosidade, em que o artista tenta por meio de luzes tradicionais, simular o efeito de um ambiente de iluminação global.

Nas minhas aulas sobre iluminação até tento passar alguns desses conceitos, mas depois que as ferramentas de iluminação global são abordadas na aula, dificilmente os alunos querem voltar a ter o trabalho de planejar o posicionamento e cor das luzes. A vantagem em não usar iluminação global é o tempo de render das cenas que é extremamente curto, mas por outro lado é necessário ter habilidade artística para conseguir bons resultados, pois cada cena exige uma solução única.

Se você é usuário do Cinema 4D, existe um tutorial muito interessante sobre iluminação global para ambientes internos nesse link.

tutorial-cinema-4d-iluminacao-global.jpg

Com o tutorial é possível aprender um pouco do funcionamento desse recurso no Cinema 4D, e também perceber como esse tipo de ferramenta é extremamente simples de usar. Na verdade, todo o processo e configuração é feito no painel de renderização, em que o artista deve selecionar a opção para considerar a iluminação global quando a imagem estiver sendo gerada.

Apenas com o ajuste do posicionamento da iluminação e algumas opções no painel de renderização, podemos conseguir ótimos resultados na renderização. Esse tipo de técnica é uma das mais simples em termos de qualidade e fidelidade da iluminação no que se refere ao Cinema 4D, mas é um excelente ponto de partida para quem está aprendendo a usar a ferramenta.

A parte de modelagem do tutorial é bem simples também, consistindo apenas de algumas primitivas geométricas com deformadores aplicados aos objetos de maneira a criar o ambiente para o tutorial. Esse tipo de modelo é muito bom para testes, em termos de semelhança ele remete ao formato do famoso Cornell Box.

Produzindo uma imagem realista com o Blender 3D

O Blender 3D até pouco tempo atrás, ficava de fora das relações de softwares usados para criar modelos e renderizações realistas. Pelo simples fato de não existirem muitos artistas, que usavam o software e submetiam suas criações para comunidades de usuários e artistas 3d como a CG Society ou Evermotion. Essa última comunidade, sempre foi dedicada à promoção do 3ds Max e do V-Ray como plataformas para renderização de cenas realistas para visualização arquitetônica. Mas, com o crescimento do Blender 3D como ferramenta, as coisas estão mudando rapidamente.

Para exemplificar como é possível encontrar trabalhos de qualidade como o Blender, sendo exibidos em várias comunidades de artistas 3d, visite esse endereço que leva até um making of para a imagem que ilustra esse artigo. A imagem foi totalmente produzida e renderizada com o Blender 3D, usando apenas o seu renderizador interno. Nenhum tipo de artifício ou render externo foi usado para ajudar na sensação de realismo.

blender3d-imagem-realista

A imagem se chama “15 minutos de glória”, em que o ratinho tenta aparecer sobre um palco para ter seus breves 15 minutos de fama.

O artigo que descreve o processo de criação dessa imagem não é muito detalhado, mas apresenta algumas dicas interessantes e mostra como o autor usou de maneira inteligente, as ferramentas certas do Blender para conseguir finalizar o projeto. A parte de modelagem foi praticamente toda realizada usando modelagem poligonal, tanto para o microfone como para o rato 3d.

Uma das partes mais detalhadas do artigo fala sobre a criação do material que simula os pêlos do rato. A mistura e composição do material que dá realismo ao personagem é uma mistura de textura com materiais procedurais.

Agora, o segredo mesmo para a sensação de realismo na imagem é o sistema de iluminação, em conjunto com a organização dos nós na página. Na última página do making of, podemos conferir o esquema completo de iluminação usado pelo artista, que trabalha com a velha e boa organização de luzes com base em cor e intensidade, conhecido por muitos como fakeosity. A habilidade artística para iluminar uma cena é fundamental nesses casos.

Depois ainda é possível conferir a configuração dos nós, usados para fazer a pós-produção da imagem. Mesmo não sendo um tutorial detalhado, só o fato do Blender 3D ser usado para criar esse tipo de imagem, já mostra uma evolução em termos de aceitação na comunidade de artistas 3d.

Quero agradecer ao leitor José Eduardo, pela dica enviada pelo formulário de contato.

LightRigger: Script para auxiliar na iluminação de cenas com o 3ds Max

Hoje em dia existem várias opções para as pessoas que não tem aptidão alguma para trabalhar com iluminação. Vejo isso constantemente em usuários iniciantes, eles sempre querem resolver a iluminação de uma cena com um clique de mouse! O principal do trabalho para eles ainda é a modelagem, ficando a iluminação para segundo plano ou então a cargo de sistemas como o Mental Ray, V-Ray, YafRay ou Indigo. Mas isso é hoje! Antigamente sistemas como esses tinham acesso mais restrito e custavam muito caro, no caso dos proprietários.

Ainda existem usuários que trabalham a iluminação com a chamada fakeosity, que consiste no posicionamento estratégico de várias luzes com cores e intensidades diferentes, no cenário, para simular um efeito de iluminação global. Pode até parecer trabalhoso, nesse ponto a técnica se mistura com arte, mas os benefícios são evidentes. Por um lado, temos uma demora na configuração do cenário, mas por outro lado a velocidade do render é impressionante. Com esse tipo de técnica evitamos aqueles cálculos, que em algumas situações podem demorar horas para viabilizar o render.

Pois bem, quem usa o 3ds Max pode fazer uso de um Script escrito em MaxScript, que tem como objetivo distribuir fontes de luz em uma cena para simular o efeito gerado por sistemas de iluminação global. A ferramenta se chama LightRigger.

LightRigger

O script é simples, mas com resultados impressionantes. Após alguns cliques de mouse podemos criar verdadeiras estruturas com pontos de luz, para distribuir a energia luminosa ao redor de um objeto. Agora vem a melhor parte desse script, o autor do mesmo que se chama John Swafford, disponibilizou o LightRigger de maneira gratuita para qualquer pessoa utilizar, inclusive para uso comercial. Então se você usa o 3ds Max e quer uma opção para o Mental Ray ou V-Ray, o LightRigger pode ser uma ótima ferramenta.

No web site do LightRigger você encontra exemplos de utilização e um fórum, em que os usuários do Script postam dicas e tutoriais sobre a ferramenta.

Ainda lembro-me da época em que usava o 3ds Max, sempre usava um sistema de distribuição de omnis em forma de anéis, ao redor das maquetes eletrônicas para gerar o efeito de iluminação global. No total eram três anéis, com cores e intensidades diferentes. A luz do sol era simulada por uma Direct Light com intensidade maior e as sombras habilitadas. Infelizmente não tenho como abrir nenhum arquivo mais antigo, para demonstrar como era o processo. Isso até me dá uma idéia, assim que tiver acesso a um computador com 3ds Max, tento abrir um dos meus arquivos mais antigos para escrever um tutorial sobre Fakeosity.

Já tentei usar a mesma técnica no Blender, mas não funcionou. Bem que alguém poderia escrever algo parecido em Python! Com um pouco de tempo, eu poderia até tentar montar. Mas esse seria mais um projeto para o futuro.