GIMP 2.8 com janelas unificadas e no Mac OS X

O GIMP é sem sombra de dúvida o melhor software de edição de imagens e pintura em ambientes de software livre, sendo muito recomendado que você o utilize junto com o Blender para editar texturas, finalizar imagens e manipular de forma geral o resultado do seu projeto de modelagem. E mesmo para as pessoas que não trabalham diretamente com modelagem 3d e render, o fato de ter a disposição um software como o GIMP é excelente para editar fotografias, criar imagens para web, otimizar o tamanho de imagens.

Nas diversas vezes em que tive a oportunidade de ministrar cursos sobre o GIMP, os usuários se queixavam de alguns aspectos relacionados ao funcionamento e design do software. O ponto mais polêmico eram as chamadas janelas flutuantes. Esse modo de funcionamento do GIMP fazia com que os menus e janelas do software não ficassem agrupados dentro de uma estrutura única, mas segmentados e espalhados pelo desktop. Para algumas pessoas isso era apenas um pequeno detalhe, mas em outros casos era algo bastante incômodo, pois para realizar determinada tarefa o usuário precisava “caçar” a janela no desktop para acessar um menu ou ferramenta.

Outro grupo de usuários que se queixavam bastante eram os do Mac OS X, que precisam instalar o X11 para poder usar o GIMP no seu computador.

Hoje a coisa está bem diferente, e já existe um modo de janela única no GIMP que pode ser acionado no menu Janela -> Modo janela única e como resultado teremos uma interface totalmente organizada em apenas uma janela, como mostra a imagem abaixo:

GIMP janelas únicas

E para os usuários do Mac OS X a melhor notícia é a existência de um instalador nativo do GIMP! Sim! Agora você pode fazer o download de um arquivo dmg e adicionar o GIMP diretamente a pasta de aplicações do seu Mac OS X. Acabei de testar em um computador com o Snow Leopard e está funcionando perfeitamente.

Essas características do GIMP não são recentes, como o exemplo das janelas unificadas, mas acredito que é de interesse dos leitores do blog, que gostariam de utilizar uma alternativa ao Photoshop em ambientes de produção.

GIMP 2.8: Lista com algumas das novidades

Entre as diversas opções que temos para trabalhar com editoração de imagens em um mundo dominado pelo Photoshop, temos o GIMP que oferece ferramentas e opções mais que suficientes para a grande maioria das pessoas. Até mesmo em casos como a pintura de texturas e criação de mapas UV para modelagem 3d, o GIMP substitui perfeitamente o Photoshop. Se você acompanha o blog já deve conhecer também as diversas ferramentas equivalentes a recursos aclamados do Photoshop CS5, casos do Content-aware Fill e outros. Sim, esses recursos estão presentes no GIMP já faz um bom tempo.

Uma nova versão do GIMP está sendo preparada para lançamento em 2011 e já podemos conferir várias das novidades nessa pequena lista, com 24 itens novos para a versão 2.8. Está previsto para dezembro a disponibilização de uma versão Release Candidate, indicando que pouco tempo depois poderemos aproveitar a versão estável.

gimp-280-texto.jpg

Quais são essas novidades? Bem, não vou comentar todas, mas as que considero importantes para o fluxo de trabalho de usuários antigos do GIMP e também dos mais recentes.

Entre as tarefas que mais realizo no GIMP está a criação de diagramas e anotações em imagens, seja em fotografias ou mesmo em imagens renderizadas. Se você já usou o GIMP, deve saber que a edição de texto é feita em janelas separadas. Agora será possível adicionar, editar e formatar o texto diretamente na moldura da imagem. Isso será extremamente útil e deve acelerar bastante o processo de criação.

Quando trabalhamos em projetos envolvendo diversas camadas com imagens e textos, o processo de edição acaba sendo dificultado pela quantidade de informações. Agora poderemos organizar as camadas em grupos!

Pequenas mudanças podem fazer a diferença também, como é o caso da adição de contornos nos pinceis usados para trabalhar com pintura. Nos casos em que é necessário editar mapas de texturas no GIMP, isso ajudará a visualizar a área de efeito do pincel.

Essas mudanças facilitam bastante a vida de quem já usa a ferramenta e terá impacto positivo no uso da ferramenta por usuários mais novos, pois a edição e manipulação de imagens no GIMP fica cada vez mais simplificada.