GIMP 2.10 com novos recursos e interface

O GIMP é a melhor alternativa para editar e manipular imagens entre as opções de código aberto. O software possui um longo histórico de atualizações e melhorias nesses últimos anos, principalmente no que se refere à interface e também usabilidade. Essas são as duas áreas que geravam mais críticas ao GIMP.

Na nova versão do software você encontra temas para a interface com quatro opções:

  • Escura (Default)
  • Cinza
  • Light
  • Sistema

A interface recebeu melhorias estéticas também.

Agora existem conjuntos de ícones padrão que são consistentes, mesmo que você troque o tema os ícones permanecem.

Outro ponto de destate é a preparação da interface para resoluções HiDPI. O que é isso?

Quando você adquire um monitor para editar suas imagens em formatos 4K ou 5K, que provavelmente são os monitores que os leitores do allanbrito.com possuem, agora você pode ajustar o tamanho dos ícones.

Ao abrir o software nesse tipo de resolução os botões ficam minúsculos. Agora é possível alterar a sua escala.

Agora, uma das novidades mais aguardadas é o esperado novo motor gráfico GEGL image processing library. Que adiciona diversos recursos ao GIMP. Esse motor gráfico já está sendo implementado desde a versão 2.6.

Entre os benefícios estão o uso de multiprocessamento, suporte para aceleração por GPU e diversos outros recursos.

Se você é usuário do GIMP a atualização é mais do que recomendada.

Como fazer para usar essa nova versão do GIMP? Você pode visitar a página oficial do GIMP para fazer o download, que é totalmente gratuito assim como o Blender.

Aprenda a usar o GIMP

Quer aprender a usar o GIMP para editar e manipular imagens? No EAD – Allan Brito você encontra um curso básico gratuito e outro mais avançado, ensinando como aproveitar os recursos do software para trabalhar com as mais diferentes formas de imagem:

GIMP 2.8 com janelas unificadas e no Mac OS X

O GIMP é sem sombra de dúvida o melhor software de edição de imagens e pintura em ambientes de software livre, sendo muito recomendado que você o utilize junto com o Blender para editar texturas, finalizar imagens e manipular de forma geral o resultado do seu projeto de modelagem. E mesmo para as pessoas que não trabalham diretamente com modelagem 3d e render, o fato de ter a disposição um software como o GIMP é excelente para editar fotografias, criar imagens para web, otimizar o tamanho de imagens.

Nas diversas vezes em que tive a oportunidade de ministrar cursos sobre o GIMP, os usuários se queixavam de alguns aspectos relacionados ao funcionamento e design do software. O ponto mais polêmico eram as chamadas janelas flutuantes. Esse modo de funcionamento do GIMP fazia com que os menus e janelas do software não ficassem agrupados dentro de uma estrutura única, mas segmentados e espalhados pelo desktop. Para algumas pessoas isso era apenas um pequeno detalhe, mas em outros casos era algo bastante incômodo, pois para realizar determinada tarefa o usuário precisava “caçar” a janela no desktop para acessar um menu ou ferramenta.

Outro grupo de usuários que se queixavam bastante eram os do Mac OS X, que precisam instalar o X11 para poder usar o GIMP no seu computador.

Hoje a coisa está bem diferente, e já existe um modo de janela única no GIMP que pode ser acionado no menu Janela -> Modo janela única e como resultado teremos uma interface totalmente organizada em apenas uma janela, como mostra a imagem abaixo:

GIMP janelas únicas

E para os usuários do Mac OS X a melhor notícia é a existência de um instalador nativo do GIMP! Sim! Agora você pode fazer o download de um arquivo dmg e adicionar o GIMP diretamente a pasta de aplicações do seu Mac OS X. Acabei de testar em um computador com o Snow Leopard e está funcionando perfeitamente.

Essas características do GIMP não são recentes, como o exemplo das janelas unificadas, mas acredito que é de interesse dos leitores do blog, que gostariam de utilizar uma alternativa ao Photoshop em ambientes de produção.