Estádios da copa da África em 3D no Google Earth

O assunto que domina os noticiários e a maioria das rodas de conversa é a copa do mundo da África que está se aproximando. Basta sintonizar qualquer cana de televisão para ver o assunto nos jornais e em material publicitário. Mas, será que os profissionais de computação gráfica ou mesmo de arquitetura, podem aproveitar essa onda de interesse pela copa para aprender? Caso você tenha achado que um dos maiores benefícios da copa do mundo é o praticamente feriado nos dias dos jogos do Brasil, talvez não venha a gostar da minha sugestão. Nessa época podemos conferir alguns modelos 3d dos projetos e edificações usados na copa, que nesse caso são os estádios construídos especialmente para o mundial.

É possível fazer um passeio virtual em 3d pelos estádios da copa 2010, usando o link que leva até a página do blog do Google Earth. Esses mesmos modelos 3d podem ser aproveitados para começar outros projetos. O vídeo abaixo mostra bem o que podemos encontrar no passeio virtual, e o nível de detalhamento dos projetos.

Mas, o que podemos aprender com esse tipo de projeto?

Bem, imagino que você deva ter uma boa experiência com modelagem 3d e animação, tendo inclusive já participado de alguns projetos ou exercícios para criar conteúdo 3d. Com essa experiência, você deve ter percebido o quanto é complicado e trabalhoso criar modelos 3d de edificações com boa quantidade de detalhe. O que dizer então de modelos 3d com esse nível de detalhe, como é o caso de estádios de futebol.

Esse é o tipo de projeto que não se faz todos os dias, devido a escala e os custos de produção. Mas, como a próxima copa do mundo será no Brasil em 2014, veremos uma verdadeira explosão de conteúdo na mídia, mostrando os estádios da copa, os nossos estádios, em vídeos e animações diversas. E nesse caso, alguém terá que trabalhar na criação desses modelos 3d.

Portanto, o que você acha em começar a tentar reproduzir esses modelos 3d como exercício para a copa de 2014 agora mesmo? Sim, aproveita os feriados extra que teremos nessa copa do mundo em alguns dias, e comemore os resultados aprendendo um pouco mais sobre modelagem 3d e animação.

Como importar arquivos do SketchUp para o Blender?

A criação de cenários virtuais para projetos que envolvem jogos ou animações 3d sempre são um problema de logística, pois demandam muito trabalho dos artistas 3d para coisas que devem ficar em segundo plano no projeto. Por exemplo, ao desenvolver uma animação em que os personagens ou objetos do plano principal desenvolvem seus movimentos e ações, mas o plano de fundo fica sem modelos ou objetos para composição Isso pode ser resolvido com o uso de scripts ou ferramentas para criar prédios e elementos vetoriais. Mas, nem sempre é possível criar os elementos que precisamos para um determinado projeto como prédios famosos e marcos geográficos existentes.

Nesse quesito os arquivos disponíveis no Google Earth e 3d Warehouse são uma fonte quase que inesgotável para adicionar blocos em 3d. Basta selecionar o objeto que você precisa para o seu projeto e adicionar os mesmos na cena. Para os usuários do Blender o desafio e conseguir manipular esse tipo de arquivo nas versões atuais da ferramenta, principalmente com o script que importa o formato COLLADA para o Blender. O projeto que pretende melhorar o suporte para esse formato ainda está em desenvolvimento, e só deve ser lançado junto com a versão estável do Blender 2.50.

Mas, se você tem um projeto e quer aproveitar agora os arquivos do Google Earth no formato KMZ, o tutorial abaixo mostra diversas dicas para manipular esse tipo de arquivo no Blender 2.49b.

As dicas já foram apresentadas aqui no blog em outros artigos, mas não custa nada relembrar o método.

A primeira coisa a fazer é extrair o modelo 3d do arquivo KMZ que é um formato compactado do modelo 3d salvo em COLLADA. Basta alterar a extensão do arquivo de KMZ para ZIP e extrair o arquivo DAE. Esse arquivo pode ser importado para o Blender com o script que manipula o formato COLLADA no 2.49b.

O maior desafio desse tipo de operação é ajustar a escala dos modelos 3d, pois o Blender trabalha com Blender Units que é uma escala abstrata de modelagem enquanto que os objetos do Google Earth e SketchUp usam escala real. No vídeo o autor apresenta diversas dicas para ajustar a escala dos modelos 3d no Blender, como o clipping da câmera e o uso do outliner para encontrar os modelos 3d que “desaparecem” logo depois da importação.

Se você quiser usar o Blender com arquivos do KMZ, o tutorial é um ótimo ponto de partida. Mas, alguns modelos 3d não são compatíveis com o Blender, pois a sua estrutura usa geometria não suportada no Blender como N-Gons. Isso só deve ser resolvido com o B-Mesh do 2.50 e o novo script para importar arquivos no formato COLLADA.