Tutorial 138 – Grade isométrica no Illustrator

A representação de objetos e cenas com base em visualização isométrica já foi exclusividade de projetos envolvendo engenharia ou arquitetura, mas hoje esse tipo de ilustração é muito comum na área de jogos e até mesmo no motion design. É por isso que sempre acho interessante passar conhecimentos sobre representação em isometria) com base em softwares de ilustração vetorial como o Illustrator, para que designers e outros artistas tenham condições de criar volumes isométricos antes mesmo de passar para softwares 3d. Como nem todos os artistas tem a disposição um software 3d e algumas vezes é necessário possuir os objetos em forma vetorial mesmo, o uso desse software é mais do que justificado.

A melhor maneira de começar a representar objetos em perspectiva isométrica é criando uma grade isométrica, que servirá de guia para que seja necessário apenas contornar as formas desejadas. O tutorial de hoje é exatamente sobre a criação de uma malha isométrica no Adobe Illustrator CC.

Gostou do vídeo? O que acha de avaliar ou comentar? Ainda não é assinante do meu canal no Youtube? Assine aqui para receber antes que todos as atualizações.

O processo é relativamente fácil de seguir e requer apenas alguns pequenos ajustes no Illustrator para gerar as linhas:

  • Os segmentos de linha criados no Illustrator devem ser configurados para ter um comprimento mínimo necessário para compor a folha de desenho, e também a sua inclinação em relação à linha do horizonte;
  • Em perspectivas isométricas o mais comum é que as linhas fiquem inclinadas em 30 graus, mas existem tipos diferentes de representação em que as linhas podem assumir 45 ou 60 graus;

Com esse ajuste simples na linha podemos fazer o primeiro segmento de reta usado para criar a grade. O próximo passo é copiar esses segmentos algumas vezes. Nos softwares da Adobe em geral, ao deslocar um objeto com o mouse ou teclado mantendo a tecla ALT pressionada, acionamos a ferramenta que duplica objetos.

Para manter a regularidade da grade, precisamos apenas ajustar a distância em que essas cópias são criadas no painel de preferências do Illustrator. Depois disso é só criar as cópias dos objetos, e posteriormente inverter o ângulo das linhas para 150 graus, e gerar a malha de retas que forma o lado oposto da grade.

As guias inteligentes do Illustrator ajudam depois a gerar as ilustrações dos objetos com base nas interseções das linhas, e caso você tenha seguido as recomendações do vídeo, é só ligar e desligar a camada destinada a armazenar a grade para eventualmente finalizar a representação do seu objeto em perspectiva.

Livro gratuito sobre design de modelos de papel com Blender

A criação de modelos físicos de papel é um grande desafio devido ao design do objeto que precisa prever as partes do objeto de devem ser recortadas ou dobradas. Esse é um trabalho que tem relação direta com a modelagem 3d, pois envolve conhecimentos muito semelhantes aos usados no processo de mapeamento UV. Quando temos um modelo 3d que precisa ser mapeado com precisão, o processo envolve “recortar” a malha 3d do objeto para depois abrir o modelo e com a estrutura planificada, ajustar a textura da maneira como acharmos melhor. Até mesmo a construção de modelos físicos, como maquetes reais envolve um tipo de planejamento muito semelhante.

Para quem nunca tentou criar esse tipo de modelo de papel, saiba que um software 3d como o Blender pode ajudar significativamente no processo. E se o que faltava era orientação sobre o assunto, um artista e usuário do Blender chamado David Guzmán resolveu esse problema. Ele disponibilizou um livro gratuito que aborda o uso do Blender como base para o planejamento e design de modelos de papel.

Tudo é feito com base em um script Python que acompanha o download do livro, e ajuda no processo de planificação dos modelos 3d. O livro se chama Fundamentals of Paper Model Design e pode ser copiado no endereço indicado no link.

livro-gratuito-pdf-blender-modelo-papel.jpg

O livro é bem extenso e conta com mais de 200 páginas de tutoriais e dicas sobre como criar um modelo 3d simples no Blender, e depois tratar a malha do objeto 3d aberta e gerar um arquivo vetorial que possa ser impresso e depois recortado. É o tipo de tarefa para a qual não se imaginaria o uso de ferramentas sofisticadas como o Blender, ou mesmo outros softwares 3d, mas que ajudam aos que precisam trabalhar com esses modelos de papel.

Antes de pensar que qualquer modelo 3d pode passar por esse tipo de transformação, é importante tomar cuidado com a topologia e quantidade de faces dos objetos trabalhados. Lembre que todas as faces dos modelos 3d devem ser representadas fisicamente na impressão, portanto quando mais suavizada for uma superfície, mais dobras são necessárias no papel.

Isso mostra o quanto o Blender pode ser versátil, até mesmo como forma de ensinar e aprimorar o raciocínio geométrico e a visão espacial. Com esse tipo de aplicativo usado em escolas, o ensino de disciplinar relacionadas e geometria fica muito mais simples e atrativa.

Scripts e ferramentas úteis para o Adobe Illustrator CS3

O uso de scripts e ferramentas personalizadas não se restringe apenas aos softwares 3d, sendo possível elaborar alguns scripts e opções úteis até mesmo para softwares que tem como objetivo proporcionar interfaces apenas para desenho vetorial. Esse é o caso do Adobe Illustrator, que assim como todos os softwares que trabalham com computação gráfica, poderiam se aproveitar de pequenos scripts para suprir algumas deficiencias em detalhes do desenho 2d. Se você trabalha com o Illustrator CS3 e gostaria de soluções para alguns pequenos problemas de design em linhas e organização de objetos, um usuário chamado Sato Hiroyuki montou uma lista com os scripts mais úteis para o Adobe Illustrator.

Apesar do nome do responsável pela lista estar em japonês, a lista pode ser consultada em inglês. Mesmo que você tenha dificuldades em entender a função de cada um dos scripts, cada um dos links é acompanhado por uma imagem que ilustra a função da ferramenta.

scripts-adobe-illustrator-download-gratuito.gif

Essa é uma lista com os scripts e uma descrição rápida do funcionamento dos principais scripts da lista:

  • Ajustar tracejado (distribuição): Essa opção é para os usuários que precisam criar formas usando a linha tracejada, e gostariam de mais opções para alinhar e organizar o posicionamento dos traços nos cantos dos objetos.
  • Ajustar tracejado: Algumas vezes as curvas que usam linhas tracejadas deixam transparecer o começo e o fim da forma. Com esse script é possível ajustar o comprimento do tracejado para que isso não fique mais evidente para os usuários.
  • Dividir curvas por comprimento: Com esse script é possível fazer divisões em curvas já existentes com base no comprimento dos segmentos, função muito semelhante ao que existe em softwares de CAD.
  • Criação por metaballs: A união de várias formas pode resultar na criação de um objeto mais complexo, função parecida com as metaballs em softwares 3D.
  • Remover pontos de controle: Esse script consegue remover pontos de controle de curvas, adaptando as formas restantes de maneira automática.
  • Tangentes de uma curva: Com essa ferramenta é possível ligar os pontos tangenciais de qualquer curva a um determinado ponto.
  • Gerador de árvores: O último script da lista consegue gerar a forma 2d de árvores.

Ao visitar o link indicado no início do artigo você vai perceber que a lista de ferramentas disponíveis é bem maior, sendo esses apenas os que julguei serem os mais úteis. As opções para controlar linhas tracejadas são as que considero mais importantes. O download é mais que recomendado para os usuários do Adobe Illustrator, só lembrando que o autor testou os scrips apenas na versão CS3.

Sumopaint: Ferramenta gratuita de pintura online

Um termo que sempre é mencionado quando o assunto é o futuro da tecnologia é o chamado cloud computing, em que um dia todos os nossos processos e sistemas devem ser executados na internet, sem que seja necessário armazenar dados nos nossos computadores. Apesar dos recentes avanços nesse sentido para ferramentas como o Office, a área de computação gráfica ainda está muito longe de fazer parte dessa revolução. Mas, ainda assim algumas vezes nos surpreendemos com a qualidade das ferramentas online que estão sendo lançadas.

O Sumopaint é um desses ótimos exemplos de ferramenta gratuita que funciona na web. A sua função é reproduzir um ambiente de pintura digital, no melhor estilo Photoshop ou Corel Painter. Mesmo sendo gratuito e funcionar totalmente na web, a lista de recursos do Sumopaint é impressionante:

  • Pinturas organizadas em camadas
  • Camadas com suporte a efeitos de mistura
  • Efeitos de layer
  • Pincéis, formas geométricas e de desenho a mão livre
  • Ferramentas de desenho vetorial
  • Ferramentas de seleção (varinha, lasso e stamp)

Só por essa pequena lista de recursos, qualquer usuário mais experiente do Photoshop já ficaria impressionado, mas depois que você começa a usar a ferramenta é que as coisas ficam mais claras. Além de todas essas vantagens o sistema é extremamente rápido e flexível.

Esse é um vídeo de demonstração publicado pela empresa responsável pelo Sumo:

Algumas dúvidas e pontos interessantes que podem surgir em relação ao uso da ferramenta:

  • Pelo que pude perceber não há restrições no tamanho da pintura. Em um teste rápido consegui criar e trabalhar sem maiores problemas em imagens com 1920 x 1080 pixels (FullHD)
  • Depois que a ilustração estiver pronta, você pode salvar o arquivo no próprio Sumo ou fazer o download da imagem para seu computador em JPEG ou PNG
  • As imagens salvas na sua conta do Sumopaint mantêm as camadas e efeitos

A quantidade de recursos existentes na ferramenta é semelhante ao que encontrávamos em versões mais antigas do Photoshop. Para ilustrações simples e trabalhos que não exijam grandes quantidades de memória, o Sumopaint é mais que suficiente. O maior benefício será para estudantes e entusiastas de arte digital, pois com essa ferramenta é possível praticar pintura em qualquer sistema sem nenhum custo.

Talvez no futuro a empresa responsável pelo Sumopaint torne o serviço parcialmente pago, pois lá já está em uso um sistema de créditos. Você ganha créditos ao divulgar suas ilustrações entre outros usuários da comunidade, em que outras pessoas podem atribuir notas para a qualidade do trabalho. Quanto mais trabalhos de qualidade, mais créditos você ganha. Todos os usuários já começam com 1000 créditos, em que na medida em que o sistema é usado esse número vai caindo. Mesmo assim, deve demorar muito para que você os créditos de um artista acabem, cada imagem nova consome em média 5 pontos.

Eu já estou usando!

Desenho técnico e edição de arquivos CDR com o Inkscape 0.46

Você não leu o título do artigo de maneira errada não, o Inkscape 0.46 agora pode importar arquivos no formato CDR do Corel Draw! Tenho que confessar, nessas ultimas semanas acabei deixando um pouco de lado o lançamento do Inkscape 0.46 por absoluta falta de tempo, mas agora que estou com um pouco mais de “folga”, pelo menos de alguns prazos mais apertados, posso voltar a colocar os e-mails em dia e conferir alguns lançamentos que passaram em branco aqui no Blog.

Antes de mais nada agradeço ao Yorik e o Elias por me alertarem para esse incrível novo recurso do Inkscape.

Mas como funciona isso? Tudo funciona com base em outra ferramenta que converte o arquivo CDR para o formato do Inkscape, chamada de Uniconvertor. Agora vem uma parte interessante, essa conversão é automática para quem usa Linux, basta instalar o Uniconvertor que está tudo funcionando, direto do Inkscape. Mas para quem usa Windows a coisa já é mais complicada, será necessário instalar vários aplicativos extras, como o Python e a Python Image Library. Se você usa Windows e quiser testar, aqui é possível encontrar informações detalhadas de como proceder.

Para fazer o download do Uniconvertor, visite esse endereço. Lá é possível encontrar versões para vários sistemas operacionais.

Como os usuários do Windows estão reclamando dessa dificuldade, algumas pessoas já estão fazendo previsões de uma versão 0.46.1 em que esse recurso de edição dos arquivos CDR já estaria incorporado. Isso pode ser comprovado na Wiki do Inkscape (Release Notes), que também apresenta a lista completa de novidades para essa versão.

Deixando agora de lado as novidades sobre o Inkscape 0.46, outra notícia sobre essa fantáscica ferramenta de ilustração vetorial me chamou a atenção. Assim como o Blender 3D o Inkscape teve projetos aprovados para o SoC 2008. Sendo que em um deles o objetivo é melhorar as capacidades do Inkscape como ferramenta de desenho técnico. Quem trabalha com CAD no Linux deve acompanhar de perto esse projeto, que pretende implementar um sistema de Snap avançado no Inkscape.

Se esse projeto for concluído o sistema de Snap do Inkscape irá sofrer uma melhoria semelhante ao que aconteceu na atualização do Corel Draw 11 para o 12.

Para saber mais sobre essa iniciativa, visite esse endereço com a descrição do mesmo e algumas imagens com explicações do autor. Esse é mais um projeto para torcer e incentivar!