O projeto gooseberry precisa da sua ajuda!

O Instituto Blender está divulgando e promovendo já faz algumas semanas o seu novo projeto de nome código Gooseberry, e esse promete ser um dos mais ambiciosos projetos abertos organizados com o Blender. Mas, antes de continuar falando sobre o projeto e descrevendo os benefícios que os usuários do software podem ter caso esse projeto seja um sucesso, já devo adiantar que o projeto gooseberry precisa da sua ajuda! Mas, como é possível ajudar o projeto? Você pode ajudar o projeto com algo fundamental para qualquer empreitada envolvendo produção e animação ou cinema: financiamento. Até o último projeto desenvolvido pelo instituto Blender, que resultou no curta Tears of Steel o modelo de financiamento era muito simples:

  • Você realizava a pré-compra do material em DVD do projeto (geralmente o custo é de aproximadamente 50 dólares)
  • Assim que o projeto fosse finalizado você recebia um box com diversos DVDs e todo o material usado na produção
  • Seu nome aparecia nos créditos como parte das pessoas que financiou o projeto

Se você tem dúvidas sobre isso, pode procurar pelo menu nome nos créditos dos projetos desenvolvidos pelo instituto, pois adquiri o DVD em todos os projetos!

O modelo de financiamento pela pré-venda dos DVDs funcionou muito bem para todos esses projetos, e todos eles conseguiram os recursos financeiros necessários para que as animações fossem concluídas. Todos esses projetos envolviam a produção de animações ou vídeos com no máximo 15 minutos de duração, e o custo aproximado dessas produções girava em torno dos 150.000 Euros. Estou usando o valor que o Ton Roosendaal divulgou em uma entrevista sobre o Big Buck Bunny.

Qual a diferença para o projeto gooseberry? A principal diferença nesse caso é que o objetivo do gooseberry é criar um longa metragem! Nesse caso a coisa muda completamente de figura, escala e complexidade. Nos projetos anteriores o tempo médio de produção era de 6 a 8 meses, e a previsão agora é de 18 meses. Tudo no projeto gooseberry é extremamente complexo e grande em escala, e por isso a campanha de financiamento do projeto precisou mudar para se adaptar ao novo desafio.

O objetivo da campanha de financiamento do projeto gooseberry agora é angariar 500.000 Euros para o início do projeto, e com um novo serviço oferecido pela fundação Blender chamado de Blender Cloud que funciona com base em assinaturas, se espera conseguir algo próximo de 1.9 milhões de Euros em 18 meses. Será que eles precisam de tanto dinheiro assim? Claro que sim! Veja que esse orçamento é praticamente nada quando comparamos aos custos envolvidos em projetos de animação para cinema de grandes estúdios que giram em torno dos centenas de milhares de dólares.

Um dos maiores benefícios para os usuários do Blender que apoiam esses projetos é ter a certeza de que muitas novas ferramentas são desenvolvidas e adicionadas ao longo da produção, especificamente para esses projetos. Várias opções existentes hoje no Blender surgiram graças a esses projetos com o sistema de Tracking, Cycles e muitos outros.

Como ajudar o projeto gooseberry?

Como ajudar? As opções para financiar o projeto e se inscrever na Blender Cloud estão disponíveis nesse endereço, e são várias opções com valores iniciando em 25.60 dólares. É praticamente o preço que pagamos em uma sessão de filme 3D no final de semana, considerando a pipoca e refrigerante. Para as pessoas que usam o Blender diariamente seja para diversão, estudos ou trabalho o momento de ajudar no desenvolvimento do software é agora.

A opção que realmente ajuda é a assinatura do Blender Cloud, que é um serviço de assinatura que custa 12.80 dólares por mês. Visite o link e leia a descrição de cada modalidade de financiamento para ter todos os detalhes.

Essa é a hora de trocar aquele ovo de páscoa tamanho 96 pela ajuda ao projeto gooseberry!

Projeto Gooseberry: Longa metragem produzido com Blender?

Os projetos abertos organizados pelo Instituto Blender são um dos grandes destaques e impulsionadores do desenvolvimento do software, usando sempre recursos e colaborações oriundas da comunidade de usuários do software. Já faz um bom tempo desde que o primeiro projeto do tipo foi organizado e até hoje todos eles foram um grande sucesso, mesmo considerando o problemático Yo Frankie! que acabou distanciando as iniciativas voltadas para desenvolver a Game Engine do Blender. O assunto voltou a ser de interesse da comunidade de usuários do Blender, pois o instituto anunciou o próximo projeto para esse ano que tem nome código de Gooseberry.

gooseberry-logo.jpg

É tradição nos projetos do instituto Blender organizar os projetos com nomes código referentes a frutas ou vegetais, e com o próximo grande projeto não poderia ser diferente.

Qual será o objetivo desse projeto? A coisa agora irá tomar proporções muito maiores que os projetos anteriores, pois o objetivo agora é produzir uma Animation Feature Film. Mas, o que é isso? Nada mais é do que um longa metragem de animação! Quem acompanha as animações resultantes dos projetos abertos do instituto Blender, sabe que geralmente essas animações são de curta metragem, resultando sempre em tempos inferiores à 20 minutos. O objetivo agora é criar algo muito maior, envolvendo não só pessoas trabalhando localmente no próprio instituto Blender mas também em estúdios ao redor do mundo.

Isso vai envolver desafios de produção nunca antes enfrentados pelo instituto, e claro a necessidade de angariar muito mais recursos financeiros do que nos outros projetos. É interessante ter noção do custo desses projetos até para saber como animações simples podem demandar somas grandes de investimento. Por exemple, em uma entrevista sobre o projeto que resultou na animação Big Buck Bunny, foi explicitado que o custo total de produção foi de aproximadamente 150.000 Euros. A animação tem aproximadamente 15 minutos de duração. Sim, criar animações com qualidade exige muito investimento.

Por enquanto não existem datas e detalhes sobre o projeto Gooseberry, mas assim que mais informações forem divulgadas no web site oficial, publico aqui no blog. Por enquanto, podemos somente aguardar e torcer para que muitas melhorias sejam implementadas no Blender devido a essa nova iniciativa do instituto.

Retrospectiva do Tears of Steel: Projeto Mango

É amanhã o esperado dia em que o projeto Mango será lançado para a comunidade de usuários do Blender e o público em geral. Depois de aguardar vários meses e acompanhar o desenvolvimento das ferramentas criadas especialmente para resolver os desafios propostos para esse projeto, é chegado o momento de conferir o resultado final. O dia 26 de setembro marca o lançamento para o público do Tears or Steel em diversos canais e formatos, permitindo que todos possam assistir ao curta metragem da melhor maneira possível. Claro que a maneira mais fácil de assistir, é pelo canal do Youtube da Fundação Blender ou do projeto Mango que devem ser os hubs centrais de visualização do projeto.

Para celebrar a data, resolvi escrever esse artigo que lista um pouco da história e objetivos do projeto, pois nem sempre todos os usuários e artistas que usam o Blender conhecem a história e motivações que levam a equipe da Fundação Blender a trabalhar nesses projetos, que são incívelmente complexos de realizar, principalmente com orçamentos limitados.

Antes de continuar, esse é o trailer do Tears of Steel que dá uma excelenge idéia do que aguardar para amanhã:

O projeto com nome código de Mango é a quinta iniciativa de produção aberta do Instituto Blender, que é o braço da Fundação dedicado a trabalhar nesse tipo de produção. Podemos resumir os objetivos desse tipo de projeto em:

  • Promover a criação de material profissional com o Blender
  • Desenvolver ferramentas para o Blender que ajudem a resolver problemas pontuais de produção
  • Promover o Blender como ferramenta viável para ambientes de produção

Em cada um dos projetos abertos o Blender acaba dando saltos consideráveis em algumas áreas, como já aconteceu em projetos passados na área de animação, modelagem e produção de jogos. Isso acontece devido ao trabalho da equipe que fica dedicada a produção, e para ajudar aos artistas acaba desenvolvendo novas ferramentas ou melhorando outras opções que já existem dentro do Blender. Nesse projeto em particular o foco eram efeitos especiais e a criação de ferramentas para mesclar vídeo gravado com material 3d. Dessa iniciativa surgiram as ferramentas de Tracking de câmera que são um dos assuntos mais desejados pelos usuários do Blender.

Mas, como todo esse processo é financiado? O Blender não é gratuito?

Existe uma boa quantidade de usuários do Blender que não consegue entender como um software gratuito pode conseguir os recursos financeiros para criar projetos desse tipo. Só para termos uma idéia de como é caro esse tipo de projeto, podemos usar uma declaração feita pelo Ton Roosendaal em um artigo em que o custo do Big Buck Bunny é estimado em 150.000,00 Euros! Essa é uma declaração rara de encontrar, mas que mostra como os custos de produção são altos.

Esse valor alto é angariado por meio de doações e patrocínio de empresas, e da pré-venda dos DVDs com o projeto. Sim, é perfeitamente possível conseguir chegar nesse valor com a pré-venda dos DVDs. Antes mesmo que o projeto tenha início, a Fundação começa a venda dos DVDs. As pessoas que adquirem o DVD na pré-venda ainda possuem o incentivo de ter os nomes inclusos nos créditos do projeto como colaborador na pré-venda. Mas, não é só isso! Os DVDs são entregues com o conteúdo produzido pelo projeto, além dos arquivos fontes e todo o material usado na produção. E junto ainda podemos conferir tutoriais e material produzido pela equipe. É um material muito rico para quem está interessado em aprender como fazer algo semelhante.

Os valores angariados com as vendas dos DVDs e patrocínios, é usado para cobrir os custos com equipamentos e salários dos artistas e desenvolvedores que ficam no Instituto Blender durante o período da produção.

Então, amanhã você vai assistir ao resultado desse projeto que depois de vários meses em desenvolvimento e do esforço coletivo, tanto da equipe como dos usuários que financiaram o projeto, em um case fantástico de crowdfunding resultará tanto no Tears of Steel como no Blender 2.64!

Próximos projetos do Instituto Blender: Mango e Gooseberry

O Blender é um software que melhora a cada dia com o auxílio de uma comunidade de artistas e desenvolvedores dedicados a compartilhar seus conhecimentos, e também fornecer ferramentas e software para que outras pessoas possam trabalhar. Apesar de termos essa comunidade de usuários ativa, ainda existem as iniciativas do Instituto Blender que tem como objetivo aplicar na prática o software em projetos de grande porte, para demonstrar a capacidade do software em projetos complexos como a produção de uma animação. Dessa iniciativa já surgiram as animações Elephants Dream, Big Buck Bunny e recentemente Sintel. Todo o material dessas animações é distribuído de maneira gratuita usando uma licença Creative Commons, que faz com que muitas empresas aproveitem os vídeos para demonstrar produtos relacionados com mídia. É bem comum encontrar os vídeos do instituto em TVs, Plugins e outras demonstrações relacionadas com vídeo.

Hoje foi anunciado por ninguém menos que Ton Roosendaal que o próximo projeto do Instituto terá o codinome de Mango, e será seguido por outro ainda maior chamado de Gooseberry. O modelo de desenvolvimento do Mango, que segue a tradição de receber nomes de frutas antes de ter um título, está ainda em fase embrionária e deve realmente ser iniciado com a captação de fundos em setembro desse ano.

Blender-Institute.jpg

Agora, o que chamou minha atenção é o projeto Gooseberry (também uma fruta), que segundo o comentário no Twitter será um projeto ainda mais colaborativo. O modelo que temos hoje é baseado no recrutamento de artistas ao redor do mundo, que passam alguns meses se divertindo trabalhando no Instituto, usando os fundos arrecadados na pré-venda do DVD de cada projeto. Esse modelo funcionou muito bem até Sintel e deve ser o mesmo adotado para Mango.

Mas, o Gooseberry deve expandir ainda mais o processo e segundo o Ton Roosendaal, o escopo será ainda maior! O objetivo será fazer uma animação muito mais longa que as que estamos acostumados, passando facilmente de 20 minutos. Como o Ton colocou como objetivo a criação de um Feature Film, e esse tipo de projeto tem no mínimo 40 minutos de duração, você pode imaginar a quantidade de trabalho que será necessária para concluir o projeto.

Como ele pretende resolver esse problema? A solução será usar estúdios de animação ao redor do mundo, e não apenas a equipe concentrada no Instituto Blender. Interessante, não é? Ainda é cedo para dizer quando será o início, mas o projeto está previsto para começar e terminar entre 2012 e 2014.

Análise sobre o DVD de Sintel

A espera foi bem longa, mas depois de ficar várias semanas aguardando a chegada do DVD de Sintel, a minha cópia do material chegou na última sexta. Sim, parece que a entrega de material vindo de fora do país sofre algum tipo de atraso, principalmente quando é encaminhado para a região nordeste. Posso afirmar isso, sabendo que vários conhecidos que moram na região sudeste já contam com o DVD já faz um bom tempo. De posse do DVD pude passar o final de semana assistindo a todo o material disponível e posso dizer com toda a certeza que é um dos melhores já produzidos pelo Instituto Blender. A qualidade das informações é somado ao fato de termos uma versão nova do Blender, que a própria equipe confessou ser um dos desafios para a produção.

No documentário que acompanha o DVD, os integrantes da equipe comentam sobre a dificuldade inicial em trabalhar com uma versão Alpha do Blender, e acompanhar a evolução do software junto com a produção da animação.

Se você ainda não assistiu a animação, pode conferir o material completo no vídeo abaixo:

dvd-sintel.jpg

Quando você compra o DVD da animação, recebe um conjunto com quatro discos que contém não só a animação, mas os arquivos usados na produção e também vários tutoriais.

Os tutoriais fazem o conteúdo do DVD valer a pena apenas pela riqueza do material e as informações úteis sobre ferramentas do Blender 2.5, direto de um ambiente de produção.

Entre os títulos presentes no DVD, encontramos tutoriais sobre:

  • Animação de personagens
  • Animação facial
  • Configurando animações complexas
  • Layout para animação
  • Uso de proxys
  • Escultura de personagens
  • Criando seqüências de animação
  • Animação com Shape Keys
  • Ciclos avançados no Blender
  • Usando o Addon Scatter
  • Texturas e materiais com o Blender
  • Usando os Meta-rigs do Blender 2.5
  • Animando uma cena completa de Sintel

A minha única crítica em relação aos tutoriais é a falta de padrão na distribuição dos vídeos, pois temos tutoriais em variados containers de vídeo como MOV, MP4, OGV e AVI. Isso faz com que alguns vídeos abram no navegador e outros precisem de um player específico.

O disco que agrega os arquivos da produção é um caso aparte, pois mostra a animação vista com toda a plenitude técnica, em que podemos analisar a posição dos keyframes e texturas usadas pela equipe de produção para gerar a animação. Essa parte do DVD ainda deve consumir várias semanas de observação e estudo para que seja possível absorver todo o conteúdo.

O veredicto final sobre o DVD? Em minha opinião esse é o tipo de material que todo usuário e artista que usa do Blender deveria ter, para estudar e também ajudar o Instituto Blender. Se você ainda não tem o DVD, recomendo muito a compra. É importante lembrar que essa é uma das maneiras de financiar projetos desenvolvimentos pelo Instituto Blender. O material pode ser compartilhado com outras pessoas sem nenhuma restrição, pois a licença é Creative Commons, mas para quem puder é importante adquirir o conjunto de discos. Vale cada centavo.