Seagulls fly fecha as portas

A semana que passou foi muito triste para o mercado brasileiro de computação gráfica, pois um dos maiores estúdios nacionais anunciou no seu web site que estaria fechando as portas. Para quem não conhece a Seagulls fly é, ou era, uma das mais renomadas empresas especializadas em produção de material baseado em computação gráfica para as mais variadas mídias seja o mercado publicitário, jogos digitais e cinema. O portfólio deles era um dos mais legais e impressionantes em termos de quantidade e qualidade em território nacional, mas tudo isso não foi suficiente para manter a empresa, e por motivos que não foram divulgados a empresa não conseguiu se manter com uma combinação que muitos tentando conseguir que é a do portfólio com os recursos humanos!

Restaurant's "Sorry we're Closed" sign

Os motivos que fazem uma empresa como essas fecharem são os mais diversos e levantam questões sobre como devemos lidar com situações semelhantes, para não ver nossos projetos indo no mesmo rumo. Assim como existem empresas que não conseguem se manter por 1 ou 2 anos, é fácil encontrar exemplos de empresas que perduram por 10, 20 ou 30 anos. A área de tecnologia é cruel com corporações, pois as mudanças no mercado são rápidas o suficiente para deixar qualquer diretor de empresa de cabelos em pé! Se a empresa não for rápida o suficiente para adaptar o seu meio de produção e ambiente as realidades e mudanças no mercado, é muito fácil perder o rumo.

Para iniciativas no Brasil as coisas são um pouco mais complicadas, pois o nosso sistema tributário que coloca o governo como sócio de absolutamente tudo e os altos encargos trabalhistas, deixam a gestão financeira dessas empresas um verdadeiro malabarismo. A minha especialidade não é em contabilidade ou gastos trabalhistas, mas em algumas situações esses encargos passam de 50% do valor pago ao funcionário!

A variação cambial é outro fator determinante, pois muito do que é adquirido e contratado nesse tipo de mercado está ligado ao dólar, e uma dívida adquirida em dólar na época em que o mesmo estava próximo de 1,50 deve ter explodido as finanças da empresa com a subida para a faixa dos 2,00 Reais.

Isso é apenas parte dos desafios de manter uma produtora ou estúdio, e nenhuma delas se aplica ao caso da Seagulls fly, até pelo simples motivo de não terem sido divulgados os motivos pelos quais a empresa anunciou o seu fechamento.

É inevitável pensar nesse tipo de dificuldade, quando você encontra situações como essa, e fica como alerta para as pessoas interessadas em trilhar esse caminho. Os benefícios são muitos, mas é preciso ter cuidado ao longo do trajeto.

Nem só de efeitos e foto realismo vive um bom estúdio de animação

A grande maioria dos artistas 3d que trabalham ou gostariam de viver apenas do que produzem em softwares como 3ds Max, Blender 3D e Maya gostaria de um dia abrir o seu próprio estúdio de animação. Falo isso pelas experiências que tive cm meus alunos, eles sempre se reportam aos seus objetivos como que o máximo que poderiam chegar nas suas carreiras seria com a abertura do seu próprio estúdio. Essa não é uma má idéia, mas o foco e objetivos do estúdio precisam ser bem trabalhados e principalmente o mercado para a sua região deve ser investigado também. Um dos erros mais comuns na concepção de um estúdio é achar que o único produto da animação, são efeitos especiais para TV ou simulações como hiper realismo.

Veja o exemplo desse estúdio que trabalha com o Maya, para elaborar apenas pré-visualização para filmes e programas de TV. O estúdio se chama thirdFloor e foi tema de um pequeno documentário produzido pela própria Autodesk para promover o uso do Maya nesse tipo de projeto. O vídeo está disponível em HD:

No vídeo um dos artistas do estúdio mostra um pouco do trabalho desenvolvido na thirdFloor com o Maya, abordando as diversas opções e o desenvolvimento de uma cena em particular. Essa cena será gravada depois com atores reais e deve receber efeitos especiais. Antes de partir para a produção em si, os responsáveis pela produção encomendam um produto de pré-visualização com animações simples apenas para ter uma idéia da cena.

A liberdade para a escolha da posição das câmeras e performance dos atores é total nessa fase, e permite que a equipe faça ajustes e encontre problemas sem a necessidade de contratar a equipe. Um ponto positivo em relação ao mercado de pré-visualização são os requisitos mais simples no hardware, pois como é possível perceber no vídeo os modelos 3d são simples e não apresentam iluminação complexa. Repare nas explosões simuladas na cena, que são apenas planos com texturas aplicadas na face frontal.

Além da animação para a cena, o estúdio também planeja o posicionamento de todos os elementos no estúdio de gravação, como é possível perceber no final do vídeo. Com o trabalho deles é possível até mesmo mensurar o tamanho do painel de chroma key necessário para aquela cena em particular.

Mesmo não sendo um tutorial completo sobre o Maya, esse vídeo mostra um tipo de produto dos estúdios de animação para o qual não prestamos muita atenção. Sempre procuramos as melhores e impressionantes imagens, com renderizações simulando o mundo real nos mais pequenos detalhes, e esse tipo de projeto foca apenas em enquadramento e animação em si. O mercado de pré-visualização não é tão forte como em países com mais volume de produções para o cinema, mas com o tempo isso tende a mudar. Quem sabe essa não seja uma boa área para investir o potencial do seu estúdio?