Tutorial Photoshop: Retocando uma fotografia para publicidade

A arte de editar e retocar fotografias requer não apenas o conhecimento técnico da pessoa envolvida na tarefa braçal de trabalhar a imagem, como um olho clínico para encontrar detalhes e partes da imagem que precisam ser melhoradas. Nas minhas aulas sobre Photoshop reparo que a maioria dos alunos acaba se focando apenas nas ferramentas do software, deixando de lado a parte artística do processo e com isso ficam limitados em conhecer o funcionamento de camadas, máscaras e dos variados tipos de pincéis. Esse é o tipo de conhecimento que se adquire de maneira relativamente fácil com livros e assistindo tutoriais. Mas, existe outro tipo de conhecimento que dificilmente acaba se adquirindo com esse tipo de material técnico, que é o senso crítico para avaliar imagens.

Nesse tipo de processo, independente se o software usado no projeto é o Photoshop ou uma ferramenta 3d, a experiência e análise do artista acaba fazendo a diferença. O vídeo que vou mostrar nesse artigo é um exemplo de como a edição de uma imagem para o mercado publicitário, pode muito bem demandar muito desse tipo de conhecimento dos artistas digitais. No vídeo, o autor pega a fotografia de uma modelo e vai retocar a imagem de maneira a melhorar a sua apresentação, e remover as imperfeições.

Aos olhos de qualquer pessoa com menos experiência, a imagem não precisaria de muitos ajustes. Mas, esse processo que veremos em forma acelerada é o resumo de uma hora e meia de trabalho.

Model Transformation: Photoshop Time-lapse from Kert Gartner on Vimeo.

Para as pessoas que nunca tiveram oportunidade de acompanhar uma edição de fotografia como essa, o vídeo é uma excelente oportunidade de visualizar todo o processo de edição e trabalho necessário para ajustar a fotografia. Repare que o artista precisa cuidar de diversos detalhes como a remoção de fios de cabelo que destoam do conjunto no rosto da modelo, até mesmo a adição de pequenas colorações nas maçãs do rosto e inclusive o batom da modelo.

Se você pretende trabalhar com edição de fotografia, esse tipo de vídeo ensina apenas a aplicação prática das ferramentas do Photoshop no ajuste da imagem, mas as decisões sobre o que e onde editar são inteiramente do artista. Para adquirir esse tipo de conhecimento é necessária muita observação e comparação para desenvolver o senso crítico, fundamental para projetos desse tipo.

Tutorial Photoshop: Como trabalhar com Levels?

Nos softwares de ilustração vetorial até os mais inexperientes artistas e pessoas que não tem vivência com desenho podem fazer pequenas ilustrações. Basta ter um pouco de paciência para aprender a trabalhar com curvas Bézier e ajustar a posição dos pontos para criar uma ilustração vetorial simples em ferramentas como o Adobe Illustrator ou Corel Draw. Mas, quando o software usado é especializado na edição de bitmaps ou fotos como é o caso do Photoshop, GIMP ou Pixelmator a coisa muda muito de figura. Claro que é possível fazer pequenos ajustes nas fotos, mas a pós-produção mesmo com ajustes de cores é trabalho para artistas com olho clínico.

Entre as diversas ferramentas que esses softwares oferecem para fazer ajustes nas fotografias está o Histograma que é editado pela ferramenta Levels. O que é um histograma? Essa é uma representação gráfica das partes mais escuras da imagem no lado esquerdo e das áreas claras, chamadas de highlights na direita. Como na maioria das vezes trabalhamos com a escala de cor RGB, os valores da escala correspondem ao 0 para preto e 255 para o branco. A escala está representada exatamente dessa maneira no histograma.

Com a ferramenta Levels é possível intensificar ou suavizar esses tons nas imagens.

O tutorial abaixo mostra como a ferramenta Levels do Photoshop funciona, permitindo que ajustes nas cores de uma fotografia sejam feitas de maneira individual na imagem.

Apesar de o vídeo estar em inglês, recomendo o tutorial para as pessoas que não conhecem esse tipo de ferramenta que pode salvar uma iluminação deficiente em fotos, e até mesmo melhorar renderizações em 3d sem a necessidade de renderizar novamente.

Entre as tarefas que mais exigem conhecimento sobre fotografia e composição no Photoshop, ou softwares semelhantes, é a manipulação de cores usando opções como o Levels ou as curvas. Ainda existem opções para fazer ajustes automáticos, que inclusive são mencionados no final do vídeo, mas ainda acredito que a melhor opção é trabalhar em cada canal de cor de maneira individual.

Qual a melhor maneira de aprender esse tipo de recurso? Minha sugestão é fazer diversos experimentos e observar bastante o resultado da sua composição, até encontrar o ponto certo.

Tutorial Photoshop CS4: Correção de perspectivas 3D

O processo de pós-produção de imagens renderizadas na maioria das vezes tem como objetivo realizar pequenas melhorias nas imagens seja na parte de cores ou até mesmo problemas relacionados com as texturas dos objetos. Como os testes de renderização acabam sendo feitos em baixas resoluções, apenas quando as imagens são geradas com resoluções próprias para impressão é que podemos visualizar problemas e falhas. Nas últimas versões do Photoshop, principalmente na CS3 e CS4, foi introduzido um recurso fantástico para fazer esse tipo de ajuste em imagens que é o controle de planos em perspectiva chamado de Vanishing Point.

Com esse filtro do Photoshop é possível marcar um plano alinhado com qualquer objeto na imagem, para que o artista realize ajustes nas texturas sem a necessidade de adaptar uma imagem ortogonal aos planos inclinados das perspectivas.

Quer ver um exemplo desse recurso em ação? No vídeo abaixo podemos acompanhar uma tarefa que seria demasiadamente complexa executar em softwares sem o recurso do Vanishing Point, que é a multiplicação dos pavimentos de uma edificação e até mesmo a substituição dos planos por texturas.

Esse tipo de operação só é possível graças ao desenho da perspectiva que usa apenas dois pontos de fuga na sua composição. O mesmo tipo de operação com os planos seria muito complicado com perspectivas usando três pontos de fuga. Na verdade, o que importa aqui é que as linhas verticais da ilustração sejam ortogonais.

No tutorial é possível acompanhar o processo de alinhamento dos planos na perspectiva, que nada mais é que um filtro. Para usar o recurso no Photoshop, primeiro acionamos o filtro específico do Vanishing Point e marcamos os planos que formam a perspectiva. Basicamente é isso que precisamos fazer para ajustar a ferramenta. Depois é só aplicar as técnicas e opções comuns do Photoshop aplicadas ao plano alinhado com a perspectiva para que seja possível trabalhar na perspectiva.

O autor do vídeo usa opções simples para clonar as áreas da imagem e duplicar os andares do edifício e também aplicar texturas nesses novos andares. Esse tipo de ferramenta é de extrema utilidade para qualquer pessoa que trabalhe com a criação de imagens em 3d, pois com ela o trabalho de pós-produção em imagens 3d fica bem mais simplificado.

Como integrar o Maya com o Photoshop usando modelos 3d?

As duas últimas versões do Adobe Photoshop apresentaram avanços significativos na área de criação e gerenciamento 3d no photoshop, marcando a transição de um “simples” editor de imagens e fotografias, para um software capaz de editar e manipular objetos 3d. No Photoshop CS4 tivemos a introdução da estereoscopia, como recurso para criar imagens próprias para sistemas em 3D, que atribuem profundidade a imagens em 2D. Todos esses recursos hoje são usados por artistas que possuem o Photoshop. Mas, você já deve ter se perguntado: como é que acontece essa integração? O Photoshop é capaz de editar e manipular elementos em 3d, mas em momento algum o software se propõe a criar os objetos em 3D.

Portanto, para que o ciclo de criação seja iniciado é preciso usar uma ferramenta como o Maya, 3ds Max ou outra qualquer que crie modelos 3d. No tutorial que indico nesse artigo, um artista mostra de maneira bem simples como é possível trabalhar a integração entre o Maya e o Photoshop CS3, com a simples tarefa de criar um modelo 3d e exportar esse material para o Photoshop, assim esse objeto poderá receber texturas e receber uma aparência mais realista.

Apesar do vídeo não estar em alta resolução, podemos perceber e acompanhar de maneira clara o procedimento completo de transição do objeto no Maya até o Photoshop.

A primeira parte do tutorial mostra o artista configurando e ajustando de maneira preliminar as texturas e mapas para o modelo 3d, que é um pouco mórbido, mas serve perfeitamente de exemplo. Se você não percebeu, o modelo 3d em questão é uma lápide. Com o modelo 3d pronto, na verdade, pouca coisa é feita no Maya e logo em seguida o tutorial passa a trabalhar com o Photoshop.

No Photoshop, precisamos trabalhar com a criação de um layer especial, próprio para receber objetos em 3d. Logo após a criação desse layer, podemos selecionar o arquivo que representa o objeto em 3d. Se o objeto já possuir algum tipo de textura ou material associado a ele no arquivo fonte, essa textura já será representada de maneira automática no próprio Photoshop.

Com o modelo 3d no Photoshop, podemos acompanhar o artista trabalhar com a edição e ajustes da textura diretamente na interface do Photoshop. Essa foi uma ótima idéia da Adobe, pois antes do suporte a objetos em 3d no Photoshop, a maioria dos artistas já usava o software para manipular texturas. Mas, todas as alterações eram salvas em arquivo, e depois no software 3d precisávamos atualizar o link para o arquivo de imagem para visualizar as alterações. Assim, tudo é feito em apenas um único lugar.

Adobe Photoshop CS4: Plugin para criar layouts em Grade

O Photoshop é usado para vários fins que vão desde a pós-produção de fotografias e material produzido em softwares 3d como a criação de layouts, para web sites e campanhas publicitárias. Para as pessoas que estão aprendendo ou precisam aprender a usar o Photoshop, para criar peças e arte para publicidade ou web sites, uma das maneiras mais usadas e eficientes de criar material consiste na aplicação de estruturas em Grid. Um grid é aquela estrutura organizada em linhas e colunas, que vemos com freqüência como plano de fundo em softwares 3d e até mesmo no Photoshop. Saber usar de maneira satisfatória os grids é fundamental para qualquer pessoa interessada em trabalhar com design gráfico.

Para ajudar nessa tarefa, um artista e desenvolvedor criou um plugin para o Photoshop CS4 que automatiza a criação de estruturas em colunas, usando as linhas guia do Photoshop. O processo de criação desses plugins agora está bem mais fácil, pois é possível usar o Flash para elaborar os plugins.

gridmaker-photoshop-cs4

O download do plugin para o Photoshop CS4 pode ser feito nesse endereço, siga as instruções na página para instalar o plugin. Basta copiar o material na pasta de plugins do Photoshop CS4 e acessar a ferramenta da pasta de extensões.

Mesmo sendo assunto para pessoas que trabalham com design de interfaces ou material voltado ao mercado publicitário, como peças e material 2D, é importante conhecer esse tipo de material. Os artistas 3D devem agregar conhecimentos de várias áreas do conhecimento, para conseguir aprimorar as suas imagens e trabalhos. Ainda lembro de uma coisa que aprendi na faculdade, mesmo as peças gráficas mais técnicas como desenhos gerados no AutoCAD, podem parecer melhores mais agradáveis ou feios visualmente se não forem bem organizados.

A mesma coisa se aplica a criação de objetos 3d, pois no final os trabalhos desenvolvidos em softwares 3d precisam ser apresentados em interfaces 2D. Seja em web sites ou como parte de uma revista, tudo precisa ser organizado visualmente. Caso você queira aprender mais sobre o assunto, e nunca tenha parado para refletir sobre as vantagens da organização de layouts em Grid, recomendo a leitura desse artigo (em inglês), sobre as vantagens de usar Grids para criar layouts 2D.