Demonstração de Render por GPU com iRay no 3ds max

O quanto uma renderização pode ser acelerada se usarmos uma placa de vídeo dedicada para jogos em softwares como o iRay no 3ds max? O uso desse tipo de tecnologia está claramente dominando os softwares especializados em renderização, pois é possível se desprender das limitações impostas pela quantidade de núcleos da CPU e jogar o trabalho de render, que não é simples, para as dezenas e as vezes centenas de núcleos da GPU. Esse é o caso da placa GeForce GTX 570 da NVidia que apesar do foco em jogos, pode ajudar bastante quando o assunto é renderização. A placa possui nada mais que 480 núcleos CUDA que podem ser aproveitados para renderização.

O vídeo abaixo é uma demonstração simples do uso dessa tecnologia em softwares como o iRay rodando no 3ds max, que é uma versão do mental ray híbrida que pode aproveitar os núcleos de uma GPU para acelerar consideravelmente o render.

O modelo 3d usado para a demonstração é uma moto Ducati com boa quantidade de detalhes e também texturas e materiais com configurações avançadas, apresentando reflexões e efeitos óticos avançados.

Uma das coisas que podemos perceber com o vídeo é que o processo inicial pode demorar apenas alguns segundos para que uma imagem seja exibida, mas depois que ela aparece o refinamento progressivo consegue exibir a imagem do render em poucos minutos. O processo dá muita carga na placa de video, aumentando consideravelmente a temperatura do dispositivo, fato comum em placas dedicadas a jogos.

Será que vale a pena usar uma placa dedicada para jogos em aplicações profissionais? A única coisa que justifica o uso desse tipo de dispositivo em softwares profissionais é o custo, que é inegavelmente menor que uma placa profissional. Se você ainda não teve a oportunidade, recomendo que leia a entrevista sobre hardware para computação gráfica, em que um especialista em equipamentos para render e 3d, comenta sobre o uso de placas de vídeo para jogos em softwares 3d profissionais.

A tendência desse tipo de aplicação em softwares 3d irá fazer com que todos precisem de placas com múltiplos núcleos no futuro, fazendo com que até equipamentos mais simples demandem de centenas de núcleos para renderizar projetos. E você, já trocou a sua placa de vídeo?

Análise do V-Ray RT para visualização de projetos arquitetônicos na 3D World

A empresa responsável pela criação do V-Ray está trabalhando duro para divulgar o seu V-Ray RT e convencer artistas e usuários do V-Ray que a versão destinada ao render em tempo real, vale o esforço feito na compra de mais uma licença do V-Ray. Para isso, eles estão divulgando uma pequena análise feita pelo diretor de arte e gerente de um grande estúdio de visulalização arquitetônica no Reino Unido chamado Neoscape. O artista se chama Gustavo Capote e o artigo com a análise do V-Ray RT está disponível no web site do Chaos Group com uma imagem que parece ter sido tirada diretamente da revista impressa com um scanner.

damn, vray rt doesn't seem to work over rdc

A versão analisada no artigo é a baseada no uso de CPU e não aquela que foi exibida na última Siggraph e usa a GPU do computador.

Segundo a análise a ferramenta se mostra uma importante opção para profissionais interessados em acelerar o desenvolvimento de projetos, pois permite adicionar recursos e ajustes semelhantes aos usados no V-Ray tradicional com visualização em tempo real. Um aspecto importante dessa versão é que o seu objetivo não é substituir o V-Ray tradicional, mas sim trabalhar em conjunto com a ferramenta para proporcionar maior rapidez no desenvolvimento de projetos. Para que o V-Ray RT funcione é necessário possuir uma versão tradicional do V-Ray, caso contrário não é possível aproveitar a ferramenta.

Em termos de integração com o 3ds Max a opção do RT é bem satisfatória segundo o artigo e permite usar os recursos do software substituindo o ActiveShade.

Existe um ponto negativo muito importante a considerar na compra dessa versão do V-Ray, que é o aproveitamento dessa ferramenta como opção de apresentação dos projetos. Como é possível usar o V-Ray RT apenas junto com o 3ds Max, essa é uma opção destinada ao ambiente dos estúdios e não algo que possa ajudar na apresentação de projetos.

Alguns colegas arquitetos me perguntaram se essa versão do V-Ray faria o mesmo que o Blender 3D já consegue, que é exportar um aplicativo que pode ser entregue aos clientes como uma animação interativa, em que as pessoas podem caminhar por dentro dos projetos. Talvez a versão otimizada para uso da GPU faça isso, mas por enquanto essa só pode auxiliar no design da maquete eletrônica.