Tutorial básico sobre animação com fluidos no RealFlow

A criação de animações envolvendo fluidos é uma tarefa que exige muito do artista 3d, e também do equipamento envolvido na simulação, pois esse tipo de animação requer uma boa dose de pré-processamento para gerar a malha 3d que representa o fluido, para depois conseguir trabalhar na configuração de materiais e outros detalhes do fluido. Nesse campo de animação, o mercado é bem diversificado em termos de opções de softwares especializados em criar fluidos. Até pouco tempo atrás, as suítes 3d tinham poucas opções para trabalhar com animações de fluidos, e apareceram softwares que trabalham em paralelo as suítes 3d que se especializaram na simulação de fluidos.

Um desses softwares é o RealFlow, que é responsável por muitas das animações de fluidos que encontramos no mercado publicitário e também em efeitos para o cinema.

Como é que o RealFlow funciona?

Caso você queira conhecer o funcionamento do RealFlow, o vídeo abaixo é um excelente início para artistas interessados no software, pois mostra os passos necessários para gerar uma animação com fluidos simples.

No vídeo podemos acompanhar os já tradicionais elementos existentes nesse tipo de simulação, que são:

  • Objeto que funciona como obstáculo para a simulação
  • Objeto que é o emissor dos fluidos
  • Campo de força do tipo gravidade

Todos esses elementos reunidos na simulação permitem gerar os fluidos baseados em algo muito parecido com polígonos. Como a base é semelhante aos polígonos, podemos melhorar a resolução dos fluidos usando um seletor de resolução. No próprio vídeo o autor do tutorial melhora a suavização do fluido usando esse tipo de parâmetro para melhorar os fluidos.

O desafio desse tipo de animação é a parte do pré-processamento do fluido que é necessário para conseguir o resultado desejado em animação.

Esse tipo de software não é barato, e com o RealFlow a coisa não é muito diferente. Para quem quiser testar o RealFlow é possível fazer o download de uma versão de testes no site oficial do software, que funciona por 30 dias com algumas restrições. E para os que realmente estão pensando em comprar o software, existe uma versão educacional que é paga e funciona por um ano. Pode parecer caro a princípio, mas em algumas situações o investimento pode valer a pena.

Tutorial Maya: Simulação de fluidos com o Pond e Wake

Já mencionei aqui no blog várias vezes que um dos pontos mais interessantes para mim em relação ao Maya é a sua parte de dinâmica que é bem completa. As opções existentes para criar animações baseadas em física são muito boas e estáveis, e oferecem uma gama de opções que outros softwares só pode ser igualada com o uso de plugins externos. Uma dessas áreas que oferece uma grande gama de possibilidades para edição é a criação de fluidos, usando o que é chamado de Pond e Wake. Esses dois elementos funcionam como complementos para um animador que esteja interessado em trabalhar com a simulação de superfícies de líquidos, e precisa gerar perturbações nesse líquido.

Para mostrar como funciona essa ferramenta aos usuários interessados em se aventurar pelo Maya, gravei um tutorial em vídeo que mostra a interação entre esses dois elementos. Os nomes não são muito intuitivos, e na primeira vez que fui utilizar a ferramenta para simular fluidos, acabei ficando um pouco confuso para descobrir a relação que ambos os objetos tinham. Espero que o vídeo ajude os artistas interessados nesse tipo de animação.

O processo é bem simples e consiste na escolha do shelf Dynamics do Maya para que as opções relacionadas ao uso de fluidos fiquem disponíveis, e no menu Fluid Effects, devemos escolher as opções de criação do Pond e do Wake. O Pond é a superfície que representa o líquido e sua forma é quadrada e limitada apenas a região em que o objeto foi criado, funcionando como se fosse o domínio da simulação.

Essa superfície do Pond pode ser perturbada pelo objeto Wake que é um tipo de campo de força que está por padrão habilitado para realizar colisões com o Pond. O segredo para gerar animações usando o Wake para gerar ondulações no líquido, é adicionar os Keyframes de maneira a deslocar o Wake sobre a superfície do Pond.

O resultado é que são geradas ondulações que correspondem a velocidade e deslocamentos do Wake sobre a superfície.

Ainda é possível fazer diversos ajustes nas características do Pond para conseguir efeitos diferentes para animação, resultando em outros tipos de ondulação. Sem mencionar as diversas opções disponíveis para fazer objetos boiando sobre o Pond e muito mais! Mas, isso é assunto para outro tutorial.