V-Ray usado para efeitos especiais de Tron Legacy

O mercado de efeitos visuais para filmes e comerciais era sempre envolto em mito e dúvidas pela maioria dos artistas 3d, principalmente no que era relacionado com softwares ou ferramentas usadas nas produções. Já conheci inúmeros alunos que acreditavam na influência decisiva do software como único fator para a qualidade e escala dos projetos. É evidente que o software ajuda, mas o que realmente abre o leque na parte de criação é o conjunto de hardware poderoso e artistas habilidosos. Mesmo assim, ainda existiam softwares que atendiam a demanda dessas produções com mais frequência, como é o caso do “casal” Maya e mental ray. Na maioria das vezes a escolha se dava pelo fato da disponibilidade do software para ser executado em ambiente Unix.

Já faz algum tempo que esses computadores eram baseados em Irix e mais recentemente no Linux. É assim que funcionam empresas como a ILM. Mas, essa indústria está começando a apostar em outras ferramentas como sendo a base para a produção dos seus efeitos visuais. Nos últimos meses temos presenciado vários projetos de grande porte na área de jogos e filmes usando o V-Ray.

Nas últimas semanas a Digital Domain divulgou um vídeo com o Making of do filme Tron Legacy, em que foi usado o V-Ray no processo de criação para gerar as imagens digitais, que não são poucas, e que contextualizam o universo fantasioso do filme.

O vídeo mostra vários trechos do filme em sua forma bruta e testes de render realizados durante a produção. A Dogital Domain usou em muitas dessas cenas o V-Ray, principalmente para os personagens virtuais. Isso tem gerado discussões entre usuários e artistas, sobre a entrada definitiva do V-Ray na área de efeitos para cinema. Esse é apenas um dos trabalhos que fizeram uso do V-Ray como parte dos efeitos especiais. Outro caso foi um vídeo produzido pelo estúdio Blur para o trailer de um jogo, em que o software foi usado para criar os efeitos e o render final desse vídeo para o jogo FireFall.

A discussão é pertinente devido a fama que o V-Ray tem na área de visualização para arquitetura, e participação tímida no contexto dos efeitos especiais para cinema.

Essa discussão e a adoção do software em grande produções são sinais de que a industria está aberta a mudanças e sempre deve ganhar a atenção e holofotes na parte de produção, quem conseguir criar um software que tenham um bom custo benefício e que atenda as demandas dessas empresas no que se refere a ferramentas e velocidade para cumprir prazos.

V-Ray 2.0 para 3dsmax

A briga para saber quem é o renderizador mais rápido e que permite criar em menor tempo imagens com grande nível de realismo é acirrada, principalmente em softwares comerciais como é o caso do 3dsmax. Hoje, um desses concorrentes ganhou uma atualização que promete somar ainda mais pontos ao já aclamado V-Ray. Na atualização o Chaos Group anunciou o V-Ray 2.0 para o 3dsmax com uma gama de novidades em termos de ferramentas e recursos, sem mencionar a melhoria na velocidade no render. Na eterna disputa entre a solução da Autodesk que já acompanha o 3dsmax (mental ray) e o V-Ray, os usuários acabam escolhendo o V-Ray devido a velocidade e facilidade em configurar o software.

Essa comparação é sempre polemica, pois em termos técnicos é possível conseguir os mesmos resultados com ambos os softwares, basta saber configurar os parâmetros dos softwares.

v-ray-2-3dsmax.jpg

Mas, voltando ao V-Ray 2.0, quais são as novidades dessa versão? Entre os recursos adicionados no V-Ray 2.0 podemos encontrar:

  • VRayStereoRig: Ferramenta que permite trabalhar de maneira mais simples com a renderização de imagens com estereoscipia.
  • V-Ray Light Select: Opção que facilita a extração de informações dos pontos de luz em projetos com V-Ray. Assim é possível controlar a contribuição de cada luz na cena.
  • EXR: Uso de texturas em formato OpenEXR já com tiling usando VRayHDRI.
  • V-Ray Lens Effect: Efeito de render que adiciona opções como Glow e Glare com suporte a oclusão por obstáculos.
  • Dispersion: Essa opção permite trabalhar com a criação de dispersão de luz, semelhante ao que temos em caustics.
  • V-Ray Multi Sub Texture: Agora podemos atribuir texturas em objetos com base em diferentes números de ID.
  • V-Ray Distance Tex: Podemos criar efeitos com texturas baseados na distância em entre pontos.
  • Car Paint Material: Shader com simulação realista dos reflexos e aparência de superfícies metálicas.
  • Lens Analysis utility help: Opção para gerar padrões de distorção para a câmera física do V-Ray 2.0.

Cada um dos links aponta para vídeos de demonstração individuais correspondentes ao recurso.

Quer ver uma apresentação geral sobre o V-Ray 2.0? O material abaixo é a introdução geral do V-Ray 2.0 para o 3dsmax em que são apresentadas as diferenças entre versões anteriores, focando nas pessoas já com experiência no software.

Para quem está disposto a pagar pela licença do software, a atualização deve trazer ainda mais opções para usuários do 3dsmax. Quando sair a versão stand-alone do V-Ray 2.0, poderemos até mesmo usar essas opções avançadas com o Addon para o Blender 2.5.