Render no 3ds Max e V-Ray RT com 8 placas de vídeo GeForce GTX 580

A escolha de um computador para fins de renderização deve ser bem pensada, e sempre levar em consideração a tecnologia que será usada para gerar as imagens. Hoje, ter uma boa GPU é muito mais importante em algumas situações do que investir pesado em memória RAM ou processador. Claro que o conjunto todo ajuda, mas as GPUs estão assumindo muito do processo de cálculo que antes ficava inteiramente sob responsabilidade do processador. Algumas empresas conseguem inclusive montar computadores que são verdadeiras renderfarms, baseadas apenas em placas de vídeo poderosas.

Esse é o caso de uma empresa chamada de RenderStream que demonstrou no vídeo abaixo a performance do seu sistema VDACTr8 que usa nada menos do que 8 placas GeForce GTX 580 para gerar imagens com o V-Ray RT. Se fizermos uma conta simples que é pegar os 512 núcleos de uma placa isolada e multiplicar por 8, teremos a incrível marca de 4096 núcleos para renderização! Será que isso é rápido?

Renderizando com o V-Ray RT no 3ds Max usando GPU

O vídeo abaixo mostra não apenas o desempenho superior desse sistema, mas ajuda também a mostrar as vantagens do render por GPU sobre o sistema tradicional. Em vários momentos durante a apresentação, são feitas comparações de performance com a tela dividida, em que o V-Ray RT mostra o potencial do render por GPU.

A parte mais impressionante do vídeo é na criação de animações, em que o movimento da câmera é reproduzido quase que em tempo real mesmo, enquanto o processador apanha para conseguir avançar com boa velocidade.

Esse tipo de configuração acaba sendo uma opção interessante e de custo reduzido, pois as placas destinadas para o mercado de jogos, são mais baratas do que as Quadro ou Tesla, mais indicadas para o mercado profissional. Como colocar 8 placas Tesla no sistema, iria resultar em um aumento significativo do preço desse sistema.

Se você ainda não migrou o seu sistema de trabalho para o render por GPU, espero que esse vídeo seja mais um incentivo para que você comece a planejar a próxima atualização do seu hardware, considerando uma boa placa de vídeo.

Exemplos de render por GPU no V-Ray RT e Octane Render

Um dos assuntos mais comentados hoje entre os artistas que trabalham com computação gráfica 3d é o uso de GPUs para acelerar a renderização, e as constantes dúvidas que isso acaba gerando na escolha da tecnologia para completar um projeto. Isso já está até virando fator decisivo para a aquisição de softwares, pois muitas empresas investem em soluções 100% baseadas em GPU e outras já partem para sistema híbridos que usam ao mesmo tempo CPU e GPU. O assunto é tão polêmico que a NVidia já foi capaz até mesmo de chamar os Mythbusters para explicar as vantagens em usar GPUs para renderização alguns anos atrás, que apesar de ser uma grande jogada de marketing foi uma oportunidade para tirar as dúvidas de muita gente.

O vídeo abaixo é mais um exemplo de rendeirzação por GPU usando o VRay RT no 3ds Max, em que um artista trabalha na visualização do modelo 3d de um carro antigo, e o VRay RT é capaz de gerar a imagem praticamente de maneira instantânea.

Para esse vídeo em particular o artista utilizou um setup bemn agressivo que é composto por processador Xeon E5520 e sete placas GeForce GTX 480. Sim, é possível utilizar várias placas de vídeo no mesmo computador com a tecnologia SLi da NVidia. Quantos núcleos essa composição possui? A placa isolada tem 480 núcleos, que multiplicados pela quantidade de placas resulta em incríveis 3360 núcleos CUDA.

Com essa quantidade de núcleos ficaria muito complicado não conseguir renderizar projetos praticamente em tempo real.

Outro exemplo de render por meio de GPU é com o Octane render que é uma excelente solução para gerar imagens, pois o software consegue aproveitar muito bem os núcleos CUDA. No exemplo abaixo podemos ver inclusive a diferença de performance entre as placas profissionais da NVidia chamada Quadro FX. No vídeo são usadas a Quadro FX 1800 e a FX 3800.

Se você for investir em GPUs para render profissional, recomendo escolher as placas próprias para isso, devido a maior oferta de memória dessas placas que ajuda muito na manipulação de cenas complexas. É importante lembrar que a cena renderizada precisa ser armazenada na memória da placa para manipulação, e quando mais memória o dispositivo tiver, maiores são as cenas que a mesma consegue manipular.

Comparando o V-Ray com V-Ray RT

O uso de renderizadores baseados em GPU é uma das tecnologias que prometem reduzir o tempo de render significativamente, e pelo que já pude comprovar pelo uso desse tipo de software a promessa tem fundamento. O uso de GPUs já está sendo inclusive aplicado em softwares especializados em compactação e processamento de vídeo. Basta imaginar o uso de centenas de núcleos de processador manipulando um arquivo de vídeo, fazendo a conversão de formatos de vídeo em poucos minutos, sendo que a mesma usa do apenas a CPU levaria no mínimo o mesmo tempo de duração do vídeo.

Entre os renderizadores disponíveis no mercado que podem fazer uso de GPU, o mais famoso para o 3ds max é o V-Ray RT. Quem nunca teve a oprtunidade de usar esse tipo de software deve se perguntar se ele é realmente rápido, e como seria o mesmo render realizado com o método tradicional em CPU e depois em GPU. Qual é mais rápido?

Para ajudar a responder esse tipo de pergunta, encontrei um vídeo muito interessante que se propõe exatamente a fazer esse tipo de comparação. O autor do vídeo seleciona um projeto e faz o estudo de velocidade usando o V-Ray no modo tradicional e depois na GPU. O vídeo é interessante também para hem tem o V-Ray RT e não faz a menor idéia de como habilitar o render usando GPU.

O vídeo não tem áudio, portanto só podemos acompanhar visualmente o que o autor do material realiza durante o teste de render.

A cena é formada por algumas figuras geométricas que recebem materiais próprios do V-Ray e depois uma câmera real do V-Ray, baseada na física de câmeras mesmo, e depois o processo de render começa. Para quem não conhece aquela pequena janela que abre no meio do vídeo, o autor do material faz uso de um script muito interessante para usuários do V-Ray chamado de Solid Rock. Nesse vídeo o autor está usando o SR 0.98, que é um tipo de script que otimiza ao máximo os ajustes do V-Ray. Ele é indicado para quem não quiser ter trabalho com os ajustes de cena e outros detalhes que podem deixar o processo de configuração do render mais demorado.

Na primeira metade do vídeo acompanhamos a preparação da cena, encerrada pela colocação de um mapa HDRI como plano de fundo e também fonte de luz da cena. Nesse ponto o vídeo começa a fazer os testes entre o render com a versão RT e a baseada em GPU. Para trocar entre as duas opções, precisamos apenas habilitar o modo ActiveShade do 3ds Max para mudar para o V-Ray RT, e depois teremos o render da cena usando GPU.

Qual você achou mais rápido?

Demonstração do iray: Mental Ray para render em tempo real

O uso de softwares e ferramentas destinadas a fazer renderização em tempo real está cada vez mais comum em projetos que envolvem a visualização em tempo real. Já existem soluções baseadas tanto no uso de CPU como o V-Ray RT que funciona dentro do 3ds Max, assim como processos baseados em GPU como o FryRender RT. Existem diferentes métodos de tratar os renderizadores em tempo real, como é o caso do FryRender RT que precisa pré-computar a visualização da iluminação para permitir interação entre os objetos. Um desses renderizadores que foi apresentado na última Siggraph é o iray, software desenvolvido pela mesma empresa que elaborou o Mental Ray.

Na Siggraph 2009 o software foi apresentado apenas na área da feira, sem divulgação de vídeos ou mais material na internet. Essa semana, o pessoal da Mental Images divulgou um vídeo de demonstração em que apresenta um pouco mais do iray com cenas de arquitetura e design voltado para produtos.

render-tempo-real-mental-ray-iray-demo.jpg

Em termos de qualidade e recursos, o iray é semelhante ao V-Ray RT em que a maior carga do processamento é baseada em CPU, mas de acordo com a apresentação é possível usar a GPU para melhorar um pouco o desempenho da simulação. Como não é necessário fazer nenhum tipo de processamento prévio como no FryRender RT a alteração e velocidade da interação dependem unicamente da qualidade do hardware. Por outro lado, basta assistir ao vídeo para comprovar que existe um pequeno atraso na atualização das telas e movimento da câmera.

Uma ferramenta muito interessante do iray é um pincel interativo que faz o acabamento de partes da visualização, permitindo que o artista faça a visualização com mais detalhes de partes do projeto. Isso pode ajudar muito em apresentações de projetos, para esclarecer eventuais dúvidas das pessoas que acompanham a visualização.

Se você ainda não conferiu nenhum dos vídeo ou demonstrações do V-Ray RT, existem alguns vídeo muito interessantes sobre o renderizador, disponíveis no recém inaugurado canal da Chaos Group no Youtube, com demos do V-Ray RT. Com o avanço dos processadores em velocidade e quantidade de núcleos, cada vez mais usaremos esse tipo de tecnologia para quem sabe projetar diretamente em ambientes já renderizados.

Análise do V-Ray RT para visualização de projetos arquitetônicos na 3D World

A empresa responsável pela criação do V-Ray está trabalhando duro para divulgar o seu V-Ray RT e convencer artistas e usuários do V-Ray que a versão destinada ao render em tempo real, vale o esforço feito na compra de mais uma licença do V-Ray. Para isso, eles estão divulgando uma pequena análise feita pelo diretor de arte e gerente de um grande estúdio de visulalização arquitetônica no Reino Unido chamado Neoscape. O artista se chama Gustavo Capote e o artigo com a análise do V-Ray RT está disponível no web site do Chaos Group com uma imagem que parece ter sido tirada diretamente da revista impressa com um scanner.

damn, vray rt doesn't seem to work over rdc

A versão analisada no artigo é a baseada no uso de CPU e não aquela que foi exibida na última Siggraph e usa a GPU do computador.

Segundo a análise a ferramenta se mostra uma importante opção para profissionais interessados em acelerar o desenvolvimento de projetos, pois permite adicionar recursos e ajustes semelhantes aos usados no V-Ray tradicional com visualização em tempo real. Um aspecto importante dessa versão é que o seu objetivo não é substituir o V-Ray tradicional, mas sim trabalhar em conjunto com a ferramenta para proporcionar maior rapidez no desenvolvimento de projetos. Para que o V-Ray RT funcione é necessário possuir uma versão tradicional do V-Ray, caso contrário não é possível aproveitar a ferramenta.

Em termos de integração com o 3ds Max a opção do RT é bem satisfatória segundo o artigo e permite usar os recursos do software substituindo o ActiveShade.

Existe um ponto negativo muito importante a considerar na compra dessa versão do V-Ray, que é o aproveitamento dessa ferramenta como opção de apresentação dos projetos. Como é possível usar o V-Ray RT apenas junto com o 3ds Max, essa é uma opção destinada ao ambiente dos estúdios e não algo que possa ajudar na apresentação de projetos.

Alguns colegas arquitetos me perguntaram se essa versão do V-Ray faria o mesmo que o Blender 3D já consegue, que é exportar um aplicativo que pode ser entregue aos clientes como uma animação interativa, em que as pessoas podem caminhar por dentro dos projetos. Talvez a versão otimizada para uso da GPU faça isso, mas por enquanto essa só pode auxiliar no design da maquete eletrônica.