Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

A renderização de objetos transparentes que precisam ao mesmo tempo oferecer superfícies translúcidas e também permitir a passagem de energia luminosa é um desafio, em qualquer renderizador. O problema nesse tipo de situação é que geralmente os objetos transparentes permitem observar objetos posicionados através da sua superfície, mas não são preparados para permitir que a luz passe pelo seu material. Quando é preciso gerar efeitos com ambient occlusion na parte posterior dessas superfícies, é necessário recorrer a truques ou artifícios que ajudem na passagem de luz por materiais transparentes. Os recursos necessários para gerar o efeito são os mais diversos, envolvendo o uso de render em “passes” e também a remoção dos materiais transparentes da lista de influência das fontes de luz, fazendo com que os mesmos fiquem invisíveis para a luz.

Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

Tudo isso pode ser realizado sem grandes dificuldades na maioria dos softwares e renderizadores, mas os usuários do V-Ray 2.0 e 3dsmax possuem algumas opções extras para resolver esse tipo de problema, como mostra um tutorial em texto publicado no MintViz. O tutorial mostra como renderizar a cena de um relógio, em que o efeito de ambient occlusion é necessário na parte logo abaixo do vidro do relógio que é totalmente transparente.

Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

O truque apresentado no tutorial consiste no uso de uma textura do tipo VRayDirt em conjunto com um VRayExtraTex, que apesar de prolongar um pouco o tempo de render da cena, pode realizar de maneira satisfatória o efeito de ambient occlusion e gerar sombras e iluminação por objetos transparentes.

O VRayExtraTex é um Render Element do V-Ray que deve ser adicionado no painel correspondente, e o VRayDirt é um tipo especial de material que altera as cores da superfície que possui esse material, gerando uma aparência “suja” por meio de sombras de contato. Como o efeito das sombras de contato é bem semelhante ao que acontece no ambient occlusion, podemos facilmente aproveitar o efeito como um substituto para esse tipo de situação.

O tutorial é bem ilustrado e pode ser seguido por usuários iniciantes sem grandes dificuldade, mas é necessário possuir o 3dsmax e o V-Ray 2.0 para que tudo funcione sem problemas.

Tutorial de renderização em camadas no Blender 3D

A renderização em camadas é um recurso extremamente poderoso para evitar a criação de imagens e renders devido a pequenos problemas, sempre relacionados com o ajuste de intensidade em materiais e na iluminação. Apesar do Blender 3D já possuir um poderoso editor de nós que permite trabalhar a composição de imagens renderizadas, usando estruturas em camada, muitos artistas ainda não dominam completamente a técnica. Uma das razões para esse tipo de deficiência no uso da renderização em camadas é o curto período de existência desse recurso, que faz com que muitos artistas simplesmente achem que ele não é necessário.

Caso você nunca tenha usado a renderização em camadas no Blender 3D, mas gostaria de aprender o básico dessa ferramenta para usar nos seus projetos, o vídeo abaixo é de grande ajuda. Nele, um artista cria uma cena simples que é separada em várias camadas, para depois os seus elementos e segmentados sejam compostos no editor do nós do Blender 3D.

Compositing Render Passes in Blender. from adrian2608 on Vimeo.

O vídeo não apresenta narração, portanto é necessário apenas acompanhar as ações realizadas no tutorial para entender melhor o processo. O segredo para que a ferramenta funcione é a separação dos diversos elementos da cena em camadas, procedimento que é feito pelo artista no começo do vídeo. Repare que existe um menu no painel de renderização chamado Render Layers, em que vários botões são acionados. Esses são os botões que habilitam a separação dos elementos da cena em várias camadas.

Assim que os elementos são acionados, a janela com o editor de nós é atualizada automaticamente, mostrando as separações no nó que mostra as camadas da imagem.

Depois que a imagem está renderizada, o processo de composição pode começar. Basicamente o artista usa o nó Mix, que serve para misturar duas camadas da imagem com a opção de escolher um método de mistura, semelhante ao que existe em editores de imagem como o Photoshop. Em algumas situações a opção escolhida é o Add ou Multiply. Isso permite misturar as camadas para gerar uma composição final exibida no nó Viewer.

Mas, para que isso serve? Repare que os nós permitem que elementos como o Ambient Occlusion e as sombras da cena possa ser reguladas com índices de intensidade, sem a necessidade de renderizar a imagem novamente. Para cenas simples isso não tem tanta importância, mas imagine se o tempo de render fosse de 30 ou 60 minutos? Com um simples ajuste nas camadas é possível salvar muito tempo de trabalho.