Guia de ilustração com Adobe Illustrator usando curvas

O mundo não gira em torno apenas de ferramentas e softwares para animação 3d e modelagem, e sempre acaba surgindo a oportunidade de usar ferramentas de ilustração 2d, mesmo que seja para planejar alguma coisa que acontecerá em ferramentas 3d como um cenário. Nas últimas semanas tenho usado bastante o Illustrator nas minhas aulas devido a novos conteúdos que estou abordando nesse semestre, e como gosto de passar links com referências para meus alunos, resolvi compartilhar um pequeno guia sobre ilustração que encontrei já faz alguns dias. O guia descreve em detalhes o funcionamento da ferramenta conhecida como Pen tool do Adobe Illustrator.

Essa ferramenta é uma das mais importantes do Illustrator, pois é com ela que iniciamos a grande maioria das curvas bézier. As chamadas curvas bézier são a base de qualquer software que utilize vetores para ilustração, pois é com essas curvas formadas por pontos e alças de controle que podemos moldar praticamente qualquer forma.

O guia mostra o diversos aspectos do funcionamento dessa ferramenta no Illustrator, desde o significado dos ícones que aparecem quando pressionamos determinadas teclas do teclado até mesmo opções como a parte de seleção e ajustes, quando a curva já está criada.

guia-illustrator-curvas.jpg

Outro ponto interessante é a manipulação e composição de curvas usando linhas já existentes. Por exemplo, podemos acompanhar os procedimentos para aparar as linhas e curvas usando o mouse, e também a finalização de segmentos de curvas usando retas ou arcos.

As dicas são complementadas na parte inferior do artigo por um pequeno exercício que propõe o desenho da palavra VECTOR usando apenas a Pen Tool. O mais interessante, é que você encontra orientações precisas sobre os pontos que devem ser acionados, para conseguir elaborar a tarefa.

No final, uma pequena lista com quatro dicas valiosas que podem ajudar a todos que precisam realizar ilustrações em ferramentas como o Illustrator. Se você precisa trabalhar com ilustração 2d no Illustrator, recomendo ler com cuidado esse guia, pois você pode aprender alguma coisa nova e melhorar o seu processo de criação.

Como disse no início do artigo, o mundo não gira apenas em torno de ferramentas 3d sofisticadas, mas também acaba exigindo conhecimentos em ferramentas 2d como o Illustrator, Corel Draw e outras. Se você não conhece bem o funcionamento da Pen Tool, recomendo ler esse guia que ensina muito bem o seu funcionamento.

Composição e modelagem com curvas no Blender 2.5

Uma boa composição de imagens em 3d não precisa necessariamente ser gerado usando apenas polígonos e objetos complexos. Um bom artista acaba criando com luz e sombra, aliados a posição da câmera imagens interessantes e que passam profundidade tanto na percepção como mensagem. Esse foi o caso do artista polonês Peter que criou uma imagem chamada Spy Silhoulette, e que mostra bem como podemos produzir imagens usando apenas o posicionamento dos objetos e as suas sombras para gerar algo interessante. A imagem pode ser visualizada no quadro do vídeo abaixo, que ao mesmo tempo já demonstra o que você irá aprender a fazer se decidir assistir ao tutorial que tem aproximadamente 40 minutos.

O artista gentilmente produziu um tutorial que mostra todo o procedimento que levou a criação dessa imagem, desde a seleção do material de referência, até mesmo a composição da iluminação.

Making of the spy silhoulette in blender 2.5 from Peter on Vimeo.

No tutorial, boa parte da criação é focada no uso de curvas bezier para gerar as formas, principalmente do personagens simulando um espião. Esse tipo de material é de grande importâncias, pois a quantidade de guias e tutoriais em que ensinam a criar modelos com base em curvas é bem menor. Os modelos que dependem de curvas para sua criação são realmente bem menos freqüentes que as formas sólidas representadas com polígonos.

Para ajudar no desenho do personagem o autor adiciona ilustrações baseadas em bitmaps para ajudar a posicionar as curvas e gerar o personagem.

Depois que o personagem está pronto, o autor passa o seu foco na iluminação que aproveita recursos do Blender para simular a sombra na parte posterior do personagem, deixando muitos dos seus detalhes ocultos pela sombra. Isso dá a impressão que os detalhes estão ali, mas ocultos dentro da sombra da luz. Nesse caso foi usada uma luz do tipo Area.

As letras a esquerda da cena usam fontes personalizadas e importadas para dentro do Blender, adicionando a manipulação de fontes ao conjunto de habilidades que você pode aprender nesse tutorial.

De maneira geral, recomendo que você reserve um tempo para apreciar todos os conteúdos abordados nesse vídeo que apesar de ser longo, vale a pena ser assistido e estudado por todos interessados em desenvolver mais as suas habilidades com o Blender 2.5.

Tutorial de modelagem 3d com NURBS: Criando superfícies 3d usando curvas

A técnica de modelagem 3d mais comentada aqui no blog é sem sombra de dúvida a subdivisão, que é em termos de facilidade a mais acessível para os artistas 3d iniciantes, por usar princípios e ferramentas simples, disponíveis na maioria dos softwares 3d. Mas, para alguns tipos de objetos o uso da modelagem por subdivisão não é a melhor opção, pois as curvas e superfícies precisam de altos níveis de precisão ou sofisticação na topologia. Esse tipo de precisão em objetos curvos é difícil de conseguir usando subdivisão. Para esses casos o mais indicado é usar NURBS, pois esse método é baseado no controle e criação de curvas para gerar modelos 3d.

Os artistas 3d não gostam muito de controlar curvas, pela dificuldade em conseguir manipular de maneira satisfatória e precisa a posição dos pontos de controle e ajustar um objeto 2d no espaço 3d. Mas, para algumas situações é inevitável usar a técnica. A maioria dos softwares 3d pode usar NURBS, sendo que alguns desses softwares apresentam ferramentas mais ou menos robustas para trabalhar com esse tipo de técnica. Dentre os mais famosos, o Maya é sem sombra de dúvida o que apresenta algumas das melhores opções para trabalhar com NURBS.

O Blender 3D está recebendo melhorias significativas no controle de curvas para modelar com NURBS. Até mesmo softwares caros e famosos foram por muito tempo, considerados um verdadeiro fracasso no uso de NURBS, como o 3ds Max que apenas nas suas últimas versões teve melhorias nessa área.

A escolha dos designers e artistas 3d para trabalhar com modelagem NURBS, geralmente recai sobre o Rhino 3D, pela sua versatilidade e facilidade em criar modelos 3d complexos de maneira rápida. O funcionamento do Rhino é deveras semelhante ao AutoCAD, inclusive com o uso de uma linha para comandos de texto.

Quer ver um exemplo de como é fácil criar modelos 3d complexos no Rhino? O tutorial abaixo mostra a modelagem de uma cadeira relativamente complexa de modelar, pois é basicamente formada por superfícies curvas.

Repare que a base para o modelo 3d é criada usando apenas curvas que delimitam o formato da cadeira. Com as curvas marcando de maneira satisfatória a cadeira, o artista precisa apenas acionar a ferramenta que cria superfícies interligando as curvas, para criar a cadeira em 3d.

Esse tipo de modelo seria muito difícil de criar usando qualquer outra técnica, pela sua topologia complexa e curva. Nesses casos o NURBS mostra a sua importância.

Tutorial Indesign e Illustrator: Entendendo as curvas Bézier

Se existe uma coisa sobre a qual todos que trabalham com computação gráfica deveria saber são as curvas. Principalmente as chamadas curvas Bézier, desenvolvidas por um matemático Frances com nome homônimo. Mesmo as pessoas que trabalham com 3d, precisam aprender a utilizar esse tipo de curva para criar alguns tipos de modelos 3d, mas os profissionais que lidam com ilustração tem obrigação em dominar esse tipo de ferramenta. As curvas Bézier são a base da ilustração 2D. Para ilustrar bem o funcionamento dessas curvas em várias ferramentas, desde as de ilustração até a edição de vídeo, encontrei esse ótimo tutorial em vídeo que na verdade é um episódio de um videocast.

No vídeo o autor promete continuar o tutorial, com uma segunda parte, mas aparentemente ele se esqueceu de produzir a continuação. Mesmo assim o vídeo é muito interessante!

[fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][youtube]http://www.youtube.com/watch?v=umoK473vTAY

No começo do tutorial o autor exemplifica as ferramentas que podem usar curvas Bézier, ele cita apenas softwares da Adobe, mas praticamente todos usam. Desde o Corel Draw, Blender 3D, Inkscape, Gimp e outros. Em resumo, qualquer software que lide com curvas acaba usado esse mesmo sistema.

O autor começa explicando a maneira mais simples de criar esse tipo de curva, que funciona de maneira semelhante em todas as ferramentas. Você aciona a ferramenta de desenho e clica uma vez com o mouse, arrasta o mesmo até uma nova posição e clica mais uma vez para criar uma linha reta. Usando essa mesma técnica é possível pressionar a tecla CTRL, para que as linhas fiquem restritas a ângulos múltiplos de 45 graus. Assim as retas ficam mais ortogonais.

Outro método para criar essas curvas, consiste em clicar e deixar o botão do mouse pressionado. Arrastando o mouse, uma curva é criada. A forma da curva criada é mais complexa, possibilitando uma gama maior de formas.

Mas mesmo quem cria as linhas retas, pode depois deformar as mesmas para ter como resultado as curvas. Em alguns softwares essas curvas recebem nomes especiais, como no Corel Draw os pontos de controle das curvas são chamados de cúspede, simétrico e suave.

Assista ao tutorial para aprender mais sobre o comportamento desse tipo de ferramenta em softwares da Adobe. Caso você nunca tenha prestado muita atenção nas curvas, pelo fato de ser uma ferramenta tão simples, quem sabe falta descobrir alguma coisa que o autor do vídeo pode ensinar?

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]