Script permite criar nuvens e fumaça no Blender 2.50

A criação de efeitos atmosféricos sempre foi um problema para a maioria dos softwares 3d, tanto é que apenas nos últimos anos é que essas ferramentas ganharam capacidades e alternativas sofisticadas para simular efeitos atmosféricos. Em produções ou projetos de maior porte, a opção preferida é sempre recorrer as ferramentas especializadas nesse tipo de tarefa como o Vue ou até mesmo o Terragen. Ele tem opções e ferramentas para criar efeitos como nuvens, neblina e muitos outros de maneira rápida e com grande nível de realismo. Em pouco tempo outro software deve começar a chamar a atenção para as suas opções de simulação. Estou falando do Blender 2.50 que recebeu um script que aproveita as opções de simulação física para simular nuvens com grande nível de realismo.

O scritpt para criar nuvens com o Blender 2.50 pode ser copiado nesse endereço, em que também podemos encontrar as instruções para instalação do mesmo.

O autor do script criou um vídeo que demonstra muito bem como a ferramenta funciona:

Cloud Generation Script Tutorial from Nick Keeline on Vimeo.

O funcionamento do script é bem simples, e consiste na seleção de diversos cubos que devem ser organizados para formar o volume da área que será convertida em nuvens. Assim que todos os cubos estiverem criados, podemos acionar o script. Caso o arquivo do script seja copiado para a pasta addons do Blender 2.50, como orienta o texto no vídeo, teremos a opção de acionar o script na janela de preferências.

Depois, um botão chamado Generate Cloud deve aparecer no Toolbar na esquerda da 3D View. Com os cubos selecionados, basta acionar esse botão e o resultado será uma simulação realista de nuvens. A imagem abaixo é um exemplo exibido na página do Script e que mostra muito bem o nível de detalhamento do script para gerar esse tipo de efeito atmosférico.

script-nuvens-blender-atmosfera-250.jpg

Até pouco tempo atrás a única opção que tínhamos para criar esse tipo de elemento no Blender, era com a mistura de partículas e materiais do tipo Halo. Existe até um exemplo bem detalhado desse tipo de simulação no Blender 3D – Guia do Usuário. Com esse novo script do Blender 2.50 as simulações atmosféricas devem ficar muito mais simples e fáceis de criar.

Dicas sobre como configurar uma renderização realista

O que é necessário para conseguir elaborar uma cena realista em 3D? Essa não é uma pergunta simples de responder e pode depender de vários fatores e pequenos ajustes realizados pelo artista, dependendo do contexto em que a cena 3d precisa ser renderizada. Mas, mesmo com todos esses fatores influenciando o realismo da cena, ainda é possível identificar alguns itens que podemos fazer a diferença no render. Uma das coisas que sempre falo para meus alunos, e repito sempre que possível aqui no blog, é que o estudo de fotografia pode ser determinante para a qualidade de uma renderização.

Quando estudamos fotografia, os assuntos abordados envolvem a escolha da iluminação, lentes e técnicas de difusão da luz em estúdio, que é um ambiente muito parecido com uma cena em 3d. A cena em 3d, assim como o estúdio, é um ambiente desprovido de iluminação e que precisa de fontes de luz para conseguir mostrar de maneira satisfatória, uma pessoa ou objeto na cena.

Quais são essas técnicas e ajustes que podemos fazer em ambientes e softwares 3d, para conseguir o desejado realismo? Para responder a essa pergunta, recomendo que você visite essa página com dicas sobre renderização realista que está publicada nos fóruns da CG Society. Na verdade, o link leva para uma página em que um artista perguntou exatamente isso nos fóruns, e para completar a discussão e ajudar na resolução do problema, vários artistas estão adicionando listas de itens que devem ser considerados para que seja possível renderizar uma cena em 3d com realismo.

Blender 3D and YafaRay

A melhor parte da discussão é que não está sendo abordado nenhum software em especial, apenas as dicas gerais de como é possível trabalhar com iluminação, materiais e câmeras.

Entre as mais diversas dicas que foram apresentadas na discussão, podemos destacar:

  • Usar sempre tipos de luzes que correspondam fisicamente ao que será usado na cena real
  • Escolher um renderizador do tipo Unbiased, como o Maxwell Render, Fryrender ou Indigo Render
  • Use sempre câmeras físicas com os valores corretos de lente e abertura
  • Sempre considere fatores como a exposição da câmera
  • Nos objetos que precisam de texturas, sempre considere o uso de mapeamento do tipo UV
  • Use sempre as cores corretas para os diversos tipos de luzes. As cores são correspondentes as temperaturas na escala Kelvin.
  • Sempre que possível adicione as distorções características de uma câmera fotográfica, para que a imagem fique o mais fiel a realidade

Como faço para aprender mais sobre fotografia? O melhor documento que já encontrei sobre o uso da fotografia misturado com conceitos de computação gráfica, é o guia publicado pela Random Control para o renderizador Fryrender. Você pode encontrar o guia sobre fotografia para artistas 3d nesse link, basta procurar pelo artigo chamado Introduction to Photography, o arquivo está no formato PDF.

Seja qual for o software que você use para trabalhar, as dicas podem ser aplicadas no Blender 3D, 3ds Max, Maya, Cinema 4D, LightWave e Softimage sem maiores problemas.

Apresentação das novidades e palestra sobre o Vue 7 para cenários virtuais

Todas as vezes que é necessário trabalhar com uma área em especial na produção de um vídeo, ou animação, os grandes estúdios com bons recursos financeiros, acabam escolhendo a melhor ferramenta para a tarefa. Por isso é que não é certo afirmar que uma ferramenta em especial foi usada para produzir um filme ou propaganda completamente, quando na maioria dos casos é um conjunto em que podem participar 3ds Max, Maya, Softimage e vários outros. Quando o assunto é cenários virtuais, principalmente paisagens a escolha dessas produtoras geralmente recai sobre o Vue. Se você nunca ouviu falar do Vue, ele é uma suíte 3d, mas com o foco direcionado para a criação de paisagens.

Quer ter uma idéia do que ele é capaz de fazer? Esse é o vídeo com a demonstração de alguns trabalhos realizados no Vue, como forma de divulgar a versão 7 do software.

Tudo que foi apresentado no vídeo é criado com o Vue, ou seja, é virtual. Fica evidente então o motivo que faz as produtoras procurarem o Vue para esse tipo de projeto. Caso você tenha assistido aos últimos filmes da séria Piratas do Caribe, boa parte dos cenários e paisagens do filme foi produzida usando o Vue.

Mas como ele funciona? Já publiquei um tutorial básico sobre o Vue aqui no blog, com o uso da versão Personal Learning Edition do Vue que é gratuita, mas e a parte avançada?

Caso você queira saber um pouco mais sobre o processo de criação com o Vue, já mostrando alguns dos recursos da versão 7, um tutorial muito bom foi lançado durante a Siggraph 2008.

No tutorial, o autor mostra vários dos recursos do software, para elaborar uma imagem com a representação de um monumento histórico. Um dos aspectos em que o Vue é incrivelmente flexível é na manipulação de vegetação virtual, como é possível perceber também no tutorial, em que o autor do vídeo posiciona árvores e vegetação, alterando as configurações e propriedades dos modelos 3d de maneira bem rápida.

Mas no vídeo parece à interface do 3ds Max? Sim, o objetivo do tutorial é mostrar a integração do Vue com o Max, como maneira de acelerar a produção de cenários, em que o Vue se encaixa n processo de produção apenas para esse tipo de tarefa.

Se você quiser testar o Vue 6, uma versão gratuita de testes pode ser copiada aqui. Ainda não há previsão para que o Vue 7 – PLE esteja disponível.

Tutorial Houdini 9.5: Partículas, Fluidos e efeitos atmosféricos

Uma coisa que eu não me canso de assistir, são os tutoriais sobre o Houdini, principalmente os que abordam o uso e criação das suas já famosas ferramentas, para simular fluidos e partículas. Como esse é um tipo de animação, das mais difíceis de executar, qualquer ferramenta que ofereça recursos para facilitar o processo já se torna um sucesso imediato, e o pessoal da SideFX investe pesado na divulgação desse tipo de ferramenta. Essa semana eles publicaram um vídeo, com uma apresentação sobre as novas ferramentas de partículas, fluidos e efeitos do Houdini 9.5.

O vídeo pode ser copiado de maneira gratuita nesse endereço, diretamente do web site da SideFX.

O que podemos aprender com a apresentação? Bem, se você é curioso como eu, deve ter feito o download gratuito do Houdini 9.5 Beta. Eu estou fazendo vários testes nele e o vídeo mostrou como usar, ou pelo menos, a localização de algumas ferramentas.

A primeira simulação que aparece no tutorial é de fluidos. Essa simulação me fez lembrar um dos melhores efeitos de água, que já vi em animação, no longa metragem Surf`s Up (Tá Dando Onda).

Na animação o autor apresenta um pequeno bloco de água, que faz uma colisão com algo semelhante a uma pedra. Para simular de maneira realista o impacto, é necessário trabalhar com várias camadas de animação, com as partículas do spray de água resultante do impacto e do fluido que continua se movendo. No vídeo é possível perceber de maneira bem claro, como é complexo simular esse tipo de efeito.

Depois, o tutorial mostra mais ferramentas de simulação para fluidos, em que é possível até mesmo criar ondas e deformações em objetos que simulem fluidos. Por exemplo, o autor do vídeo adiciona um objeto chamado “Waveform”, que deforma a simulação dos fluidos e tem até direção de movimento!

Por último, ele aborda a criação de fogo com partículas. O nível de realismo do movimento das chamas é impressionante e tudo regulado de maneira fácil. As chamas emitem fumaça e o artista tem total controle sobre a cor das chamas também.

O vídeo não tem perfil educacional, seria algo mais próximo de uma demonstração. Mesmo assim vale pela experiência de conhecer mais uma ferramenta, e o potencial que ela tem na área de efeitos e animação.

Tutorial Adobe After Effects: Efeitos visuais e tracking avançado

Que tal aprender como fazer efeitos visuais com o Adobe After Effects? Esse é um assunto muito interessante e que pode ser útil, para todos que trabalham com animação, modelagem 3d e computação gráfica de maneira geral. Um dos efeitos visuais mais trabalhosos, por exigir várias pequenas tarefas e não por ser complexo, consiste na substituição de um elemento disponível em algum tipo de vídeo. Por exemplo, quando temos um “poste” gravado em um vídeo, podemos remover o mesmo de uma seqüência em vídeo, de maneira semelhante ao que faríamos no photoshop ou gimp.

Quando o objeto é estático no vídeo, o processo até que é simples. Mas e quando ele está em movimento? Nesse caso, o artista precisa usar um apanhado de técnicas para remover com sucesso esse objeto. As técnicas envolvem rotoscopia e motion tracking.

Se você nem imagina como esse tipo de edição pode ser realizada no After Effects, encontrei um tutorial muito bom e completo, que mostra todo o processo. Ele é de um artista chamado DJRoto, que precisou realizar a edição para substituir um pequeno detalhe em um vídeo.

After Effects - Tutorial Tracking

O processo foi o seguinte, ele tinha um vídeo em que um DJ, ele próprio, estava conduzindo uma festa. O disco de vinil que ele estava usando no vídeo apresentava a logomarca da casa noturna em que ele estava. Como ele precisava usar o mesmo vídeo, para outro propósito que exigia que a logomarca não estivesse ali, ele resolveu editar o vídeo para substituir a marca. Mas, no vídeo o disco se move constantemente. Então a edição com o After Effects se faz necessária.

Ficou interessado no vídeo? Visite esse endereço para assistir o material. Já vou avisando, o vídeo tem quase 70MB, mas por outro lado o tempo do tutorial é de mais de 30 minutos.

Para quem já conhece o After, o processo será fácil de entender. Mas se você não conhece o processo, está ai mais uma ótima razão para reservar um tempinho e assistir o tutorial. Tenha certeza que saber um pouco mais não fará mal algum. Pelo menos você poderá dizer que conhece a famosa interface e timeline do After Effects.