Guia básico sobre modelagem para arquitetura com Blender 2.55

A modelagem 3d apresenta diversas particularidades e variações que se mostram presentes quando abordamos objetos com morfologia diferente. Por exemplo, a mesma técnica de modelagem usada para criar um personagem com características orgânicas, pode não ser a mais indicada para elaborar objetos com perfil mais geométrico. A técnica conhecida como modelagem poligonal, pode resolver a maioria dos problemas e morfologias, com a vantagem de dispor de mais controles para gerar formas geométricas. Esse é o caso da modelagem para arquitetura que usa muito a técnica da criação com base em polígonos.

Se você quiser um guia muito bom e completo para modelagem desse tipo de objeto já usando o Blender 2.55, encontrei essa semana um texto interessante que pode ser útil para arquitetos e estudantes. O material foi criado por um artista chamado Rafael, e publicado em um fórum destinado a ferramentas de código aberto para arquitetura em espanhol. Como você pode imaginar, o guia está em espanhol, mas nada que o Google não possa resolver.

guia-arquitetura-modelagem-blender.jpg

Como é esse guia?

O material é bem completo, inclusive apresentando uma introdução ao uso do Blender com os principais atalhos de teclado e opções da interface.

Nesse guia o autor usa como base para explicar o processo de modelagem para arquitetura com uma pequena planta que é importada para o Blender, usando o formato DXF que é comum para esse tipo de ambiente. Depois de importar o arquivo DXF com a base para a modelagem do ambiente, o autor passa para partes mais específicas da criação de uma maquete eletrônica como a modelagem das paredes e até mesmo escadas. No final temos até um pequeno guia de render que resulta na renderização de imagens mostrando o interior do ambiente.

Durante o processo o autor explica o funcionamento de opções simples, mas fundamentais para esse tipo de modelagem, como é o caso do extrude.

Por mais incrível que pareça, o guia mostra que usando as ferramentas mais simples e básicas do Blender como o extrude e opções de snap bem aplicadas, podemos trabalhar a modelagem de elementos que são tidos como complexos para usuários iniciantes, mas que na verdade tem apenas volume. Com um pouco de repetição e modificações bem aplicadas, podemos criar objetos para arquitetura.

Só faltou abordar a renderização avançada. Mas, como ponto de partida, o guia é excelente!

Exercícios de modelagem 3d para dominar edge modeling

O processo de aprendizagem das técnicas necessárias para conseguir criar bons modelos 3d, envolve muita prática e dedicação no domínio da ferramenta 3d usada para o estudo, mas também das soluções necessárias para criar bons modelos 3d, usando como base estruturas que tenham apenas faces triangulares e quadradas. Nas minhas aulas em que o assunto é modelagem 3d, sempre tento passar esquemas de modelagem abstratos que sirvam de base para uma prática mais elaborada na resolução desses problemas. Por exemplo, ao passar uma malha 3d com a topologia totalmente bagunçada e pedir para que o artista reconstrua aquela malha, usando apenas quadrados e triângulos, ajuda a desenvolver o olho clínico dos artistas para problemas de topologia.

É claro que a maioria das pessoas não gosta desse tipo de exercício, principalmente depois que percebem a quantidade de ferramentas e pequenos ajustes necessários na malha com uso de snap e transformações. Com o tempo a vantagem em realizar esse tipo de tarefa acaba aparecendo de maneira natural. Se você quiser ter uma boa idéia de como esses exercícios podem ser desenvolvidos usando esquemas abstratos, encontrei uma ótima referência para quem quiser tentar desenvolver as mesmas habilidades.

Um artista 3d publicou uma série de imagens contendo esquemas de modelagem 3d, para resolução de topologia que podem ser aproveitados por qualquer pessoa interessada.

exercicios-modelagem-3d-abstrata-edge-modeling.jpg

O exercício é bem simples, e consiste na criação de uma malha 3d perfeita e regular, que deve ser adaptada e editada para apresentar as mesmas divisões e ligações existentes nas imagens mostradas. Assim que você prestar mais atenção nos esquemas de modelagem, vai perceber que os diagramas mostram pequenos desenhos feitos na malha 3d.

Pode até parecer algo menos desafiador que tentar criar o seu próprio personagem virtual, mas garanto que o processo é bem mais trabalhoso do que parece, principalmente para os usuários com menos experiências. Se você ainda está dando os primeiros passos na modelagem 3d, recomendo tentar fazer os exercícios. Os artistas que dispõe de softwares que permitem trabalhar com N-Gons, as famosas faces com mais de quatro lados em softwares 3d, devem resistir ao máximo antes de recorrer ao recurso. O uso apenas de faces quadradas ou triângulos, adiciona um nível a mais de complexidade no exercício.

O segredo é usar apenas ferramentas de corte, subdivisão, Merge ou Weld de vértices. Essas ferramentas somadas as opções de transformação (mover, rotacionar e escalonar) devem ser mais que suficientes para realizar todos os exercícios.