Render avançado: Guia de materiais para o Blender Cycles

O Blender está para receber uma grande adição ao seu sistema de renderização que é o chamado Cycles, que é um renderizador que deve apresentar diversas melhorias e métodos de render sofisticados para o software, como o uso de aceleração por GPU. Mas, assim como todas as novidades envolvendo softwares 3d, um novo renderizador acaba sendo acompanhado de dúvidas e ferramentas inéditas. Já comentei aqui no blog algumas dessas novas ferramentas, mas ainda não falei sobre o uso de materiais no Cycles. Todo o renderizador acaba incorporando um série de novos materiais ao software em que ele está sendo usado, e isso não é relacionado exclusivamente ao Cycles. Quem já usou ferramentas como o YafaRay, LuxRender ou Indigo sabe que todos eles possuem conjuntos de materiais próprios.

Caso você queira aprender mais sobre o funcionamento do Cycles no que diz respeito aos seus materiais, existe um tutorial muito interessante que descreve e mostra várias opções dos materiais existentes no Cycles. Quais materiais são esses?

Assim que acionamos o Cycles, fica habilitado uma seletor de materiais diferente no painel de materiais do Blender, que mostra as seguintes opções:

  • Diffuse
  • Glass
  • Glossy
  • Translucent
  • Transparent
  • Velvet
  • Emission
  • Mix Closure
  • Add Closure
  • Background, Volume, and Displacement

A escolha de cada um desses materiais é que vai determinar como o material aplicado ao seu objeto irá se comportar. A parte interessante do tutorial que indiquei no início desse artigo é que o autor do texto, teve o trabalho de gerar uma imagem representando o resultado final de cada um dos tipos de material, ajudando muito na escolha de cada um deles. Portanto, você pode economizar bastante tempo na escolha dos materiais se for usar o Cycles para renderização.

Ainda não sabe usar o Cycles? Confira no vídeo abaixo como fazer para usar essa nova ferramenta de renderízação:

Antes de partir com todas as suas energias para usar o Cycles, lembre que o projeto ainda é experimental e deve aparecer nas versões estáveis nos próximos meses. O melhor lugar para conseguir é no graphical.org e você deve usar o render apenas em projetos que tenham cópias de segurança, e nem preciso comentar sobre os riscos de usar esse tipo de software em ambientes de produção. Por enquanto, fique com os renders externos do Blender mesmo para produção como LuxRender, Indigo, Octane ou YafaRay.

Lançado o Indigo Renderer 3.0 com suporte ao Blender 2.5

Um dos primeiros renderizadores que utilizei no Blender depois do antigo YafRay foi o Indigo, que tinha uma qualidade de renderização que deixava muita gente experiente impressionada, mesmo com os elevados tempos de render devido a sua natureza Unbiased. Esse tipo de renderizador é baseado em física real, e simula com muita competência o comportamento real da luz, gerando imagens extremamente realistas. Mas, por outro lado o seu método de render baseado em refinamento progressivo, faz com que a imagem apareça para o artista com muita granulação, e aos poucos vá refinando essa “sujeira” até o ponto em que temos um render limpo. O processo é o mesmo para outros renderizadores que utilizam técnicas semelhantes como o LuxRender, Maxwell Render e FryRender.

Já faz um bom tempo que o Indigo deixou de ser um freeware quando chegou na sua versão 2.0 e depois de uma longa espera, semana passada foi anunciado o Indigo Renderer 3.0 com novidades muito interessantes. O Blender foi citado no início do artigo por ser um software que funcionava muito bem com o Indigo, mas o renderizador tem suporte para outras ferramentas 3d como o SketchUp, 3ds Max e Cinema 4D.

O vídeo abaixo é uma amostra do que o Indigo pode fazer, e foi lançado poucas semanas atrás como uma pré-visualização do que veríamos no software.

Entre as novidades dessa versão 3.0 do Indigo está uma excelente notícia para os usuários do Blender 2.5, que é a existência de um Add-on que exporta projetos criados no Blender 2.5 para o Indigo! Desde que a versão 2.5 foi lançada, ainda não existia uma boa opção para usuários exportarem projetos do Blender para o Indigo, e agora essa possibilidade retornou!

Mas, e os recursos?

Fora a lista de melhorias que todo o renderizador apresenta como parte das suas novidades, que compõe mais velocidade e render com mais realismo em menos tempo, o Indigo adiciona opções interessantes e diferentes do que encontramos em outros softwares. A aceleração do render por GPU é um dos destaques, e promete acelerar o tempo de render em até três vezes. A tecnologia usada na aceleração pode ser tanto CUDA como OpenCL. Além da aceleração em si, existe outro software que é derivado do Indigo chamado de Indigo RT, e como o próprio nome mesmo denuncia, o software é uma versão de render em tempo real para o Indigo.

A lista completa com as novidades do Indigo 3.0 pode ser conferida nesse endereço.

Artistas 3D que usam o Blender profissionalmente: Entrevista com Teisson Fróes

Uma das principais dúvidas que os artistas 3d iniciantes têm ao escolher o Blender 3D como seu software de produção 3d é; será que ele é realmente bom? Quais trabalhos profissionais usam Blender? A resposta é sempre a mesma para essas pessoas, que a diferença está no talento do artistas e não na qualidade ou poder do software. Alguns projetos como o Big Buck Bunny ou o Yo Frankie! mostram bem o poder que o Blender tem nas mão de artistas talentosos, mas o que realmente impressiona é que você pode estar assistindo comerciais de TV produzidos no Blender e nem sabia.

Aqui no Brasil é cada vez mais fácil encontrar artistas talentosos que usam o Blender 3D para produzir material publicitário de alta qualidade para TV. Hoje vou falar sobre mais um desses artistas chamado de Teisson Fróes, que tem um portfólio de trabalhos bem impressionante e produzido quase que na sua totalidade no Blender 3D. Quer conhecer mais sobre o trabalho do Teisson? Nesse link é possível fazer o download do Demo Reel dele (Arquivo MOV – 80MB), em que é possível conferir algumas imagens do próprio artista manipulando e produzindo algumas das suas cenas no Blender.

Dentre os seus trabalhos, podemos destacar o projeto que envolveu a modelagem e renderização de um Boeing da VARIG, posicionado no interior de um hangar. A modelagem foi realizada no Blender 3D com a iluminação feita no YafRay usando HDRI na iluminação. Se você não fez o download do Demo Reel do Teisson, essas são algumas imagens do projeto envolvendo a VARIG.

teisson-blender3d-01.jpg

teisson-blender3d-02.jpg

teisson-blender3d-03.jpg

teisson-blender3d-04.jpg

Para conferir mais trabalhos do Teisson, assim como vídeos dos Making of`s dos seus trabalhos, em que é possível visualizar em algumas cenas o Blender sendo usado na produção, seja na modelagem ou animação de objetos, recomendo visitar os seguintes links:

  • Vídeo de produção para o comercial da VARIG
  • Vídeo de produção para o comercial da NET Digital
  • Páginas com links para vídeos e imagens dos trabalhos realizados pelo artista

Depois de assistir a todos os vídeos e materiais produzidos pelo Teisson, entrei em contato com ele e perguntei se o mesmo concordaria em participar de uma pequena entrevista. Assim que consegui organizar as perguntas para o artigo, enviei para ele e as respostas podem ser conferidas logo abaixo. Antes de terminar essa parte do artigo, gostaria de agradecer ao Teisson pela entrevista e materiais cedidos para a mesma, assim como o leitor Bruno Mendes que me deu a dica sobre os trabalhos dele, pelo formulário de contato.

Para falar com o artista e conferir mais dos seus trabalhos, esse é o link para a sua página oficial.

Agora a entrevista, intercalada com algumas fotos do próprio Teisson no seu ambiente de trabalho, editando o comercial para a NET Digital no Blender. Ainda é possível conhecer uma “pequena” render farm utilizada pelo artista, adaptada para a produção de trabalhos no Blender, YafRay e Indigo:

Allan Brito: Antes de começar a primeira pergunta, gostaria de parabenizá-lo pelo fantástivo portfólio. Hoje em dia, qual a sua principal atividade na área de computação gráfica? Composição? Modelagem? Artista de finalização?

Teisson Fróes: Minha principal atividade na computação gráfica está direcionada a viabilização de produções cinematográficas que possuam restrições específicas, ou seja, tornar “realizável” uma produção que tenha um tempo limitado ou uma verba limitada. E em alguns casos até inviabilidades geográficas, usando como principal ferramenta a pós-produção. Atualmente faço supervisão e opero o equipamento em todas as etapas da pós-produção, e em alguns casos que exija uma modelagem orgânica ou animação mais avançada, conto com uma equipe de frelancers.

teisson-blender3d-06.jpg

Allan Brito: Como você começou a trabalhar nessa área? Foi necessário algum curso ou formação especial para ingressar nessa carreira?

Teisson Fróes: Na realidade sou técnico em eletro-eletrônica e fiz um ano de engenharia da computação e um ano de bacharelado em cinema, participei de projetos do SEBRAE de incubadoras de empresas e de centros de pesquisas de aplicação de sistemas microcontrolados. A minha entrada na área audiovisual aconteceu quando fui convidado por um amigo, pelo meu interesse pelo setor e o fato de operar bem um computador, para auxiliar na finalização de uma produtora de efeitos especiais em Minas (Romsoft) e com passar do tempo a habilidade em manipular a imagem foi se desenvolvendo num processo autodidático.

Allan Brito: Como o Blender 3D está inserido no seu processo de trabalho?

Teisson Fróes: O Blender3D surgiu como uma solução para meu sistema de trabalho. Como já tenho familiaridade com linguagens de programação, ter um sistema aberto e customizável como Blender3D me deu a possibilidade de criar meu próprio workflow.

Allan Brito: O mercado brasileiro de publicidade discrimina artistas que conhecam apenas o Blender 3D? Ou é necessário conhecer softwares como o 3ds Max e Maya para trabalhar?

Teisson Fróes: Comparado a outros softwares o Blender3D é muito novo. Por este fato profissionais e produtoras que estão a mais tempo no mercado logicamente não o utilizam. De fato, existe um certo espanto quando digo que utilizo o Blender3D, ou uma insegurança quando digo que vou fazer algum trabalho no Blender3D. Mas o que eu tenho tentado mostrar, através do meu trabalho, em todos os lugares, é que existem, como o Blender3D, ferramentas poderosíssimas e muito flexíveis no universo freeware. Com relação a saber operar outros softwares, é fundamental, toda estrutura baseada numa única ferramenta é vulnerável e possívelmente limitada. Invista no Blender3D mas saiba utilizar outras plataformas.

teisson-blender3d-07.jpg

Allan Brito: Dentre os trabalhos expostos no seu portfólio, o que mais chama a atenção é o da VARIG. O que você pode nos dizes em relação à produção daquele comercial? Quais os desafios? Como o Blender 3D foi usado?

Teisson Fróes: Como já citei antes, meu trabalho é, viabilizar produções cinematográficas através da computação gráfica. A nova marca da Varig foi lançada na TV paralelamente com a atualização da nova programação visual, ou seja, ainda não havia nenhuma aeronave com a nova marca. Tínhamos a opção de trazer os aviões ou ir ao Texas para aplicar a nova arte e filma-los, por questões de cumprimento de prazos foi dispensada. Então pesquisei a possibilidade de construir um modelo 3D do 767 e aplicar em cenários e substituir as artes dos outros aviões via computação gráfica 3D + composição. Foi um trabalho super tranquilo com o Blender3D + Yafray em 10 dias.

Allan Brito: Pelo que podemos perceber nos vídeos do making of, foi usado um mapa HDRI para iluminação. Essa é geralmente a técnica que você usa para seus trabalhos?

Teisson Fróes: Na maioria dos casos de aplicação de objetos sintéticos em cenas reais utilizo o mapa de iluminação HDRI. Pois reproduz quase que perfeitamente a luz do ambiente em que o objeto será aplicado, poupa bastante tempo na criação da cena em 3D e na composição final.

teisson-blender3d-08.jpg

Allan Brito: Quais dicas você daria para artistas 3d que estão começando seus estudos agora? Qual é o melhor caminho a seguir? Modelagem? Animação?

Teisson Fróes: Para quem pretende trabalhar comercialmente com computação gráfica 3D, é interessante conhecer o software como um todo, porém pode-se ter um diferencial competitivo ao focar em uma função específica, como modelagem, animação, texturização e etc, ou talvez mais específicamente, como, se especializar em modelagem de carros, cenários, ou animação de personagens. No mais, o de sempre: dedicação, paciência, perseverança, insistência e profissionalismo.

Tutorial de configuração de cenas com o SketchUp e Indigo

O SketchUp é uma excelente opção para qualquer pessoa interessada em aprender modelagem 3d de maneira fácil, sem a necessidade de se preocupar com a resolução de topologias, ou outros aspectos avançados de modelagem. Mas, com isso você perde alguns recursos nativos, com o a criação de superfícies complexas. Isso é possível, mas exige algumas alterações no software a adição de scripts personalizados. Outra parte em que o SketchUp perde para a maiorias dos outros softwares 3d é na renderização com foto realismo, que só é possível graças a plugins e renders externos.

Dentre os softwares comerciais, a melhor opção é o Maxwell Render, mas se você não estiver disposto a investir 1000 dólares em uma licença do Maxwell, recomendo usar o Indigo. Ele usa os mesmos princípios do Maxwell, mas é totalmente gratuito.

Para aprender o processo de instalação do Indigo e do seu plugin de exportação para o Sketchup, recomendo visitar link.

Mas, como é que esse plugin funciona? Depois que você instala o Indigo e o plugin chamado SkIndigo, você poderá usar algumas ferramentas de configuração dentro do próprio SketchUp para acionar a renderização.

Quer ver um exemplo? O vídeo abaixo mostra o processo de criação de um objeto que deve emitir luz própria, substituindo totalmente a iluminação gerada pelo Indigo.

No vídeo, podemos perceber o quanto é simples de configurar esse tipo de objeto com as ferramentas do SkIndigo. O artista pode realizar a sua modelagem 3d no SketchUp da maneira como está habituado, sem a necessidade de fazer nenhum tipo de configuração especial. Assim que tudo estiver pronto, o gerenciador de materiais do SkIndigo pode ser acionado, e vários materiais prontos ficam disponíveis para que o melhor para a cena seja escolhido. O mais interessante é que o preview do material dá uma ótima idéia de como ficará a superfície.

Quem usa o SkIndigo tem uma vantagem em relação aos usuários do Blender e Blendigo, pois o plugin também já está se integrando com o sistema de camadas de renderização do Indigo. Os usuários do Blender precisam editar o código da cena para usar o recurso.

Depois que tudo está pronto, ainda é possível trabalhar nos ajustes do material, fazendo pequenas alterações para que a sua cena seja representada da melhor maneira para o contexto em que foi criada.

Pronto, agora é só acionar o render do Indigo e esperar. O tutorial é curso, mas serve de introdução e excelente amostra do que é possível fazer com o uso combinado dessas duas ferramentas gratuitas, permitindo que artistas 3d possam fazer uso de opções avançadas de render, com custo reduzido.

Renderizando imagens no Linux com LuxRender e Indigo

Sempre que converso com algum artista interessado em usar o Blender 3D para modelagem e animação, o mesmo fica curioso sobre o uso do Blender em ambientes Linux. Será que funciona mesmo? Essa é uma dúvida comum, e a grande maioria dos artistas 3d iniciantes são oriundos de uma cultura que usa apenas Windows e não conseguem se imaginar usando outra ferramenta. Como não existem versões para Linux de renderizadores famosos como o V-Ray e Mental Ray, a maioria acha que é necessário usar Windows para trabalhar. Isso não é verdade e para provar que é possível trabalhar muito bem produzir imagens foto realísticas com Linux, resolvi escrever esse artigo.

Na verdade é uma visão geral de como instalar e usar o LuxRender e o Indigo no Linux. Hoje ambas as ferramentas tem versões nativas para Linux. Com o LuxRender é mais simples, ele é de código aberto, então precisamos apenas fazer o download do código fonte do software e compilar a versão mais recente.

Sei que para muita gente isso é grego, mas é apenas um exemplo do que se pode fazer. Se você já usou alguma vez o prompt de comando do Windows, consegue fazer o mesmo no Linux. Tudo que é necessário para isso é uma seqüência de comandos que podem ser encontrados aqui. Você nem precisa entender o que cada um faz, é só copiar e colar.

Depois da compilação concluída, você terá uma versão otimizada do LuxRender para o seu sistema. Agora é só instalar o LuxBlender na pasta de plugins do Blender e renderizar.

Para esse teste, criei uma cena bem simples, para testar a iluminação com o Physical Sky do LuxRender e Indigo. O Linux usado é o Ubuntu 8.04.

Depois que o modelo está pronto, agora é só acionar o LuxRender e esperar pelo resultado final.

E o Indigo? Para usar o Indigo no Linux, temos duas opções. Esperamos que o Nicholas Chapman, o desenvolvedor do Indigo publique versões nativas para o Linux, ou precisaremos usar o Wine, que é um software que emula o ambiente Windows no Linux. Emula como? Com ele podemos “simular” o ambiente do Windows dentro do Linux, para usar softwares que não estariam disponíveis de maneira nativa no Linux.

Por exemplo, podemos instalar o SketchUp no Ubuntu com o Wine.

O Indigo tem uma versão nativa para Linux, a 1.0.9 que não é a versão mais recente. Como o Indigo não é de código aberto, não podemos fazer o download do código fonte como no LuxRender.

Mas, podemos fazer uma instalação no Wine. Veja como funciona.

Quando você instala o Wine, ele cria um ambiente semelhante ao Windows em uma pasta especial dele. Veja na imagem que temos um diretório chamado “Arquivos de programas” e “Windows”. Você deve extrair o Indigo para uma pasta dentro do Wine para que ele possa funcionar.

Pronto? Agora é só usar o Blendigo, certo? Ainda precisamos fazer uma pequena alteração para que o Blendigo possa funcionar. O truque é bem simples, você precisa copiar ou criar um arquivo de texto chamado “IndigoWrapper.conf”, que deve apresentar o caminho para o executável do Indigo. Nesse caso eu configurei o meu arquivo para a pasta do Wine que contém o Indigo. Esse arquivo deve ser posicionado na pasta “bpydata” no diretório de Scripts do Blender 3D.

Pronto! Agora é só abrir o Blender 3D e usar o Blendigo normalmente. Veja a imagem abaixo em que o Indigo foi acionado de maneira automática com o uso do Blendigo.

Qual o meu objetivo com esse artigo? Mostrar que é possível sim trabalhar com Linux e produzir imagens realistas. Não vou dizer para você sair correndo e formatar o seu computador, mas deixar você curioso para tentar usar em um futuro próximo o Blender 3D em ambiente Linux. Quer ler o depoimento de um artista que antes só usava o Blender 3D no Windows e está impressionado com o ganho de performance no Linux? Leia esse artigo, em que Roland Hess comenta as agradáveis surpresas em migrar para Linux.

Ainda não tive tempo, mas em breve pretendo testar o Maxwell Render no Linux também, eles tem uma versão nativa para Linux.