Animação no Blender 2.50: Alterando parâmetros de modificadores

Um dos recursos que deve fazer mais sucesso no Blender 3d, entre os usuários mais antigos e que gostariam de animar propriedades dos objetos de maneira rápida, é a possibilidade de animar praticamente qualquer parâmetro no novo Blender. Por exemplo, caso seja necessário você pode alterar o valor da influência ou raio de um determinado modificador ao longo do tempo. Esse é apenas um exemplo do que está vindo no novo Blender. Para demonstrar o funcionamento, ainda em fase experimental do novo Blender 3D, alguns vídeos sobre o uso dessa nova ferramenta foram elaborados para mostrar um pouco do novo sistema. O autor dos vídeos é o Michael Fox, que já tinha publicado um vídeo sobre a interface do novo Blender.

No total são dois vídeos, um deles mostra a animação de um modificador Wave e o outro do Bevel. O autor altera os valores dos parâmetros dos modificadores ao longo do tempo, gerando um efeito que hoje é um pouco complicado de conseguir no Blender.

O que faz esses recursos serem tão esperados? Como é hoje esse tipo de animação no Blender?

Para trabalhar com animações como essas no Blender, é necessário usar uma série de recursos e pequenos truques baseados na animação de Shape Keys para deformar os objetos ao longo do tempo. O resultado final da animação é o mesmo, mas o caminho para chegar até o movimento final é um pouco mais trabalhoso.

Outros softwares já contam com esse tipo de recurso, como no caso do 3ds Max que permite que praticamente todos os parâmetros nas barras de ferramentas sejam animados. Se você é usuário do 3ds Max, basta acionar o botão Autokey e depois mover a timeline e alterar os valores em posições diferentes do tempo para que o objeto receba a animação.

Nos vídeo apresentados, podemos conferir também o novo editor de curvas do Blender, o antigo IPO Curve Editor e também o novo outliner que pode selecionar e navegar por mais objetos. Como ainda é cedo para adotar essas ferramentas, pois até mesmo as versões de teste são escassas e instáveis, só nos resta esperar pelo lançamento do software que deve acontecer no segundo semestre desse ano.

Palestra e análise sobre usabilidade da interface do Blender 3D

Na conferência Blender 2008, a palestra que foi apresentada logo depois da abertura foi a do William Reynish, sobre interface do Blender em comparação com outros softwares 3d e os principais conceitos de usabilidade de softwares. A interface do Blender é um assunto extremamente controverso, mais ou menos da mesma maneira que a interface do Gimp. Para algumas pessoas ela é perfeita, mas para outros é confusa e atrapalha o início dos trabalhos para usuários menos experientes.

A palestra começa fazendo uma análise sobre as vantagens e compara a interface do Blender com ferramentas comerciais como o Modo 302, Apple Motion e o Photoshop CS4. Sim, até o pessoal da Adobe se inspirou em alguns conceitos usados na interface do Blender para reformular a maneira com que o Photoshop trabalha. Não acredito que a inspiração da Adobe tenha sido o Blender, mas o conceito usado na interface foi o mesmo.

Ainda na primeira parte da palestra, um ponto importante é levantado sobre o Blender; ele foi criado para ser a ferramenta de animação da NaN, por isso os conceitos de usabilidade e facilidade de uso não se aplicam a ele. Seria mais ou menos, como se a Pixar disponibilizasse para o público o seu Marionette. A ferramenta é feita para servir aos propósitos da empresa e não aos usuários de maneira geral.

Depois disso aparecem as vantagens do Blender:

  • Interface modulada, livre de janelas
  • Alto nível de personalização

Esses conceitos foram “copiados” pelas ferramentas comerciais citadas no início do artigo.

Agora, a parte que deve interessar a maioria dos usuários é a sugestão feita para a interface do Blender 2.50. Sim, é apenas uma sugestão, mas já nos deixa animados em ver uma concepção artística do que pode vir a ser o Blender 2.50.

A proposta se baseia na correção de alguns dos problemas da interface atual do Blender, que é a falta de organização e posicionamento de alguns elementos na interface. Por exemplo, as propriedades e os controles para algumas ferramentas estão espalhados por vários menus e muitas vezes, isso pode atrapalhar usuários com menos experiência.

Uma das propostas é fazer desaparecer o painel de botões, sendo que ele será substituído por um painel de propriedades, semelhante ao que é exibido na imagem que ilustra esse artigo. Esse novo painel reuniria as principais propriedades dos objetos selecionados, para facilitar o processo de edição.

Caso você tenha interessem em estudar o design de interfaces de softwares 3d, recomendo o download essa palestras, principalmente para as pessoas que estão escrevendo trabalhos acadêmicos sobre usabilidade de software ou computação gráfica, a interface do Blender pode ser um ótimo tema para sua monografia ou artigo. Para fazer o download dos vídeos, visite esse endereço.

Esse artigo é parte da cobertura sobre a conferência, amanhã continuo falando sobre mais apresentações.