Tutorial sobre grupos de luzes no LuxRender e Blender 3D para maquetes eletrônicas

Nos últimos dias tenho falado bastante sobre técnicas de renderização usando o LuxRender e o Blender 3D, para produzir material de qualidade em projetos de visualização arquitetônica. Uma das maiores dificuldades que escuto dos meus alunos e pessoas que começam a trabalhar com o LuxRender, é relacionada ao controle de tonalidade e intensidade da iluminação. Até a versão 0.5 do LuxRender era um pouco complicado de trabalhar com esse tipo de recurso, o que afastava os artistas do software e fez com que muita gente fosse usar o Indigo. Com o surgimento do recurso chamado de grupos de luzes ou Light Groups a coisa mudou completamente, e o gerenciamento de cores e intensidade de luzes no LuxRender ficou muito mais dinâmico.

Para mostrar de maneira prática o seu funcionamento e configuração, gravei mais um tutorial com uma demonstração da sua aplicação e efeito em uma cena que representa o interior de uma residência. Caso você queira fazer o download do vídeo, pode acessar o mesmo tutorial sobre grupos de luzes no Vimeo.

O cenário é apenas composto por paredes e piso que formam um interior bem típico de apartamentos. Para usar os grupos de luzes é necessário definir os objetos que devem iluminar o ambiente. Nesse caso são três os grupos usados:

  • Luz do sol
  • Spots embutidos no forro
  • Spots embutidos na parede recuada

O primeiro grupo de luzes é configurado no painel Cam/Env, em que é possível fazer ajustes para o ambiente e também na câmera. Quando escolhemos a opção Sunsky como sendo o tipo de plano de fundo para a cena, podemos determinar um nome para o grupo de luz que representa o sol. É interessante configurar uma luz do tipo Sun na 3D View para determinar a direção do sol.

Para as outras fontes de luz a configuração é feita diretamente nos materiais, pois os objetos que emitem energia luminosa no LuxRender devem ter um material do tipo Light associado a eles. Na configuração desse tipo de material é possível configurar um grupo. Todos os objetos que possuem esse tipo de material aplicado fazem parte do grupo.

Se você está se perguntando: o que é possível fazer com os grupos de luz? Entre os principais controles e ajustes que podemos fazer com os grupos estão:

  • Determinar a intensidade e cor da luz
  • Ligar e desligar uma luz

Isso mesmo! Com os grupos de luz é possível até mesmo ligar e desligar uma luz. Com isso o artista pode simplesmente desligar a luz do sol e gerar uma imagem iluminada apenas com luzes artificiais.

Exemplo de aplicação dos grupos de luz no LuxRender e Blender 3D

Entre as diversas ferramentas do LuxRender que ajudam os profissionais e artistas envolvidos com o desenvolvimento de visualização, para projetos arquitetônicos a configuração dos chamados grupos de luzes (Light Group) é um dos mais interessantes. Estou trabalhando na criação e uma cena e resolvi mostrar como é que esse tipo de grupo pode ajudar a criar diversas variações da mesma cena, ou fazer ajustes na iluminação sem a necessidade de executar o render novamente para uma mesma cena. Em praticamente todos os elementos e configurações do LuxRender que aceitam parâmetros de iluminação, como a luz do sol ou objetos que emitam energia luminosa é possível determinar o nome de um grupo.

Na cena exibida na imagem abaixo foram configurados dois grupos de luzes:

lux-grupos-01.png

Existe uma luz do tipo Lamp posicionada na parte externa do cenário que funciona como a luz do sol. No interior do ambiente existem outros pontos de luz, como as arandelas que estão posicionadas nas laterais das paredes. Só para deixar clara a função dessa imagem, esse é um estudo de layout para um restaurante. A idéia é apenas mostrar a organização do ambiente, mas com o LuxRender e o modelo 3d é possível estudar o posicionamento e iluminação do ambiente.

No painel de configuração da luz que simula o sol foi determinado que o grupo de luz se chama “sol” e nas outras luminárias foi determinado que o grupo se chama “arandela”.

lux-grupos-02.png

Assim que o render é iniciado, as luzes estão todas configuradas para renderizar com a intensidade máxima. Agora, quando abrimos o painel de configuração do LuxRender é possível encontrar os controles para os dois grupos. E o resultado quando a luz do sol é reduzida até próximo de zero.

lux-grupos-03.png

lux-grupos-04.png

Quando os controles são usados para fazer com que a luz do sol volte a ter intensidade superior a zero, é quase como se um interruptor fosse ligado no render, fazendo com que a luz natural entre na cena mais uma vez. Com esse tipo de recurso é possível usar a mesma cena a cálculo de interações para gerar estudos de iluminação para diferentes períodos do dia e até da noite.

A cena ainda está sendo modelada, mas assim que estiver concluída eu publico os resultados do estudo.

Tutorial de renderização com Blender 3D, MOI3D e LuxRender

Ao que parece o LuxRender está chamando a atenção de muitos artistas e usuários do Blender 3D, devido a grande quantidade de tutoriais e material educacional que está sendo lançado abordando o software. Será que isso é uma conseqüência indireta da conversão do Indigo em software comercial? Dessa vez o tutorial mostra a integração entre o Blender 3D e o LuxRender, mas de maneira um pouco diferente. O autor do tutorial usa como modelador o um software chamado MOI3D, que é um software baseado em NURBS. Esse software não é gratuito, mas já teve versões beta gratuitas distribuídas por muito tempo. Eu mesmo já usei bastante o MOI3D na época em que versões beta públicas estavam disponíveis. No tutorial, você vai perceber que o autor também usa uma versão beta do software.

O objeto usado para o tutorial é uma lâmpada com tubo em espiral, que pode ser um bom desafio de modelagem para quem quiser tentar reproduzir o objeto. Depois de modelado no MOI3D, o objeto passa pelo Blender 3D e é renderizado no LuxRender usando os materiais e propriedades especiais do LuxBlend para deixar a parte do tubo dessa lâmpada como objeto emissor de luz. O tutorial é bem detalhado e tem aproximadamente 25 minutos.

Rendering MOI3D Models in Blender and Luxrender from Phil Beauchamp on Vimeo.

No início do vídeo é possível acompanhar um pouco da interação com o MOI3D, em que o artista prepara o modelo 3d para exportar para o Blender. O formato de arquivo escolhido para essa tarefa é o LWO do LightWave 3D. Para evitar qualquer tipo de problema com o arquivo no Blender, o modelo é configurado para que seja exportado com todas as arestas sendo conectadas.

Em termos de manipulação de objetos no Blender 3D e LuxRender, os procedimentos realizados no tutorial são bem parecidos com o material que já havia sido publicado aqui no blog. Mas, existe um novo item bem interessante que é abordado pelo autor. Ele usa os grupos de luzes no LuxRender, para ajustar a intensidade das luzes durante a renderização. O recurso é muito parecido com o Multilight do Maxwell Render e ajuda bastante no ajuste da iluminação.

Por exemplo, você pode configurar uma cena para que a iluminação seja feita por objetos emissores de luz e acaba descobrindo depois de um render com mais de 4 horas que a luz está muito fraca. Com esse recurso é possível aumentar a intensidade da luz ainda na renderização!