Making of de Toy Story 3

A história do cinema em termos de animação produzida por computadores foi alterada para sempre desde que a Pixar começou sua história no final dos anos 90. Hoje o cenário é bem diferente e podemos encontrar várias produções nesse estilo oriundas de vários estúdios diferentes. Na última semana tive a oportunidade de assistir Toy Story 3, que é a mais recente produção da Pixar e como é praticamente um padrão deles a qualidade na animação, e principalmente a história, permanecem os mesmos de sempre. As comparações com a parte de render e animação dos primeiros Toy Story são inevitáveis e mostram a clara evolução tecnológica os últimos para a Pixar também.

Mesmo sendo uma produção que a Pixar queria evitar e foi “forçada” a trabalhar devido as pressões da Disney que insistia em uma continuação dos sucessos anteriores, eles fizeram um excelente trabalho. O mesmo já havia acontecido com o Toy Story 2 que foi proposto pela Disney. Mesmo assim, o resultado foi excelente e recomendo a todos os amantes da animação e computação gráfica.

O ponto negativo em relação as animações da Pixar ainda é a qualidade e quantidade de material extra lançado com seus DVD`s e Blu-rays. Desde Os Incríveis que não temos uma boa quantidade de extras e material mostrando os processos de criação e produção de cada animação. Esse tipo de material interessa aos apaixonados por animação e cinema, mas acaba tirando um pouco do aspecto comercial do DVD. Desde então, precisamos recorrer ao material publicado na internet com pequenos vídeos mostrando a produção. Um desses vídeos é extremamente interessante e apresenta vários aspectos técnicos da produção.

No vídeo que não apresenta narração, podemos contemplar a parte de preparação e pesquisa para a produção do Toy Story 3, em que a parte de arte conceitual é mais exigida.

A parte final do material mostra várias telas do lendário sistema de animação da Pixar chamado de Marionette e que foi desenvolvido pela Pixar especificamente para seus projetos. A filosofia deles é bem simples, e envolve a criação e manutenção de um dos alicerces para seu negócio que é o software. Assim eles deixam a ferramenta da maneira como quiserem e não dependem de atualizações de terceiros.

Fica fácil fazer esse tipo de empreitada de software quando o presidente da Pixar é ninguém menos que o Dr. Ed Catmull, um dos maiores cientístas e pesquisadores na área de computação gráfica. Se você usa o Blender para trabalhar, está usando uma das contribuições de Ed Catmull para a computação gráfica ao suavizar superfícies com o modificador Subsurf. Um dos métodos de suavização se chama Catmull-Clark. Adivinhe a razão pela qual esse método recebe esse nome?

Making of do Wall-E

Se você é fã de computação gráfica, profissional ou mesmo entusiasta de jogos e outros assuntos relacionados com visualização gráfica no computador, você precisa assistir Wall-E. Fui assistir a animação já faz aproximadamente duas semanas, mas hoje mesmo ainda tenho vontade de visitar o cinema mais uma vez para assistir novamente a animação. O pessoal da Pixar conseguiu outra vez, fazendo o que os críticos de cinema consideram como a obra prima da animação desse estúdio. Sim, até os críticos de cinema estão considerando o Wall-E uma das, senão for a melhor animação já produzida pela Pixar. Claro que esse tipo de análise se baseia nos aspectos cinematográficos, como enredo e seqüência narrativa.

Como sei que dificilmente veremos um DVD recheado de extras, seguindo a política de fazer DVD`s de baixo custo, a solução para acompanhar a criação dessas animações é conferir os vídeos disponíveis na própria internet.

Fiz uma pequena compilação, com os três melhores vídeos que encontrei no Youtube, sobre o Making of do Wall-E que podem compensar um pouco a ausência dos extras no DVD. Esses são os vídeos:

Parte 1 – Making of Wall-E

Parte 2 – Making of Wall-E

Seqüência de vídeo com várias cenas

Os vídeos mostram várias cenas da produção, com os atores gravando as vozes dos personagens. Geralmente essa é a primeira etapa, depois que a história e a narrativa está concluída. Com as vozes gravadas, os animadores podem começar a trabalhar com o timing da animação pronto, se bem que personagens robóticos não têm lábios para sincronizar!

Nos vídeos, também é possível conferir várias cenas dos animadores da Pixar, trabalhando nas seqüências de animação usando o Marionette, o software de animação desenvolvido pela própria Pixar para os seus projetos. Nem preciso dizer que esses são os vídeos que mais me chamam a atenção.

Aproveite bem esse material, pois muito provavelmente não veremos um DVD com esse material. A última vez em que a Pixar lançou um DVD com extras foi nos Incríveis.

Qual maior mérito do ponto de vista técnico dessa animação? Bem, posso listar várias melhorias e desafios vencidos nessa animação. Dentre eles o belíssimo trabalho de composição e texturas no cenário da Terra “suja”. Fora isso, o trabalho de animação nos personagens está muito bom, conseguindo atribuir personalidade a figuras que praticamente não tem expressão facial ou comunicação verbal. Tudo é feito com base em gestos e ações.

Esse tipo de coisa é muito difícil de conseguir, por isso o pessoal está elogiando tanto a animação.

Não vou comentar mais sobre a história, que é o ponto forte da Pixar e a chave para o sucesso deles. Muita gente faz animação com base em aspectos técnicos, eles se concentram na história e no desenvolvimento de personagens carismáticos, para embasar o enredo. Por isso eles fazem tanto sucesso! Mas, claro que sem a técnica e domínio dos meios de produção, dificilmente eles conseguiriam resultados tão bons.

Se você ainda não assistiu, corra para o cinema!